Início » Pesquisa por assalto em banco


Resultados para " assalto em banco" nas Redes Sociais

Resultados atualizadas em tempo real.

  • Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil).



  • Figueira Figueira Figus compartilhou a foto de Verdade Oculta.
    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.
  • Bom, eu particularmente devo um agradecimento especial a duas famílias. Primeiro a minha familia de coração e de sangue, que vieram de Santa Catarina, enfrentando aviões com bancos apertados, "assaltos" em lanchonetes, barcos dançantes e vans lata de sardinha, ah...e sem falar na caranguejeira na porta do quarto da pousada. A minha tia Lela Lion, meu primo Jose Luiz Lion e sua linda esposa Eliane Lion, muito obrigado pela presença, pelo carinho e pelo amor de voces e em breve vocês terão a chance de se vingar da gente aí no Sul, se Deus permitir! E a minha outra família de coração, confiança e amizade, que tiveram que reprogramar férias, aprenderam a chegar sozinhos no Marajó, depois de esperar por mais de uma hora numa vão parada, sem A/C no sol..Edson Wander Passos, sua esposa Rose e seu filho Adan, muito obrigado pela amizade de vocês e tenham a certeza que sempre estarão acomodados dentro do meu coração. Obrigado a todos por serem testemunhas de um dos momentos mais felizes de minha vida!! E e a Olívia Lobo amamos cada minuto que passamos com vocês aqui em Salvaterra e Belém!!


    .
  • **
    Assalto ao banco do
    Brasil de São Domingos do Maranhão Na manhã desta terça
    feira a agencia do Banco do Brasil de São Domingos, mais uma vez foi vitima de
    uma quadrilha de assaltantes, o Banco foi roubado por 6 assaltantes, os
    assaltantes foram primeiro na ...www.saodomingosnoticias.com.br/2014/07/assalto-ao-banco-dobrasil-de-sao.html
  • Chefe da Quadrilha, do assalto do banco BB de Mucugê morre em confronto com a polícia
    Varias guarnição da CIPE-SEMIÁRDIO continuando a perseguição que se deu inicio no dia do assalto ao banco de Mucugê, ontem apos troca de Tiro 4 bandidos veio a Óbito , e na tarde deste domingo(10), a polícia fechou cerco contra o homem apontado como chefão ...

    Chefe da Quadrilha, do assalto do banco BB de Mucugê morre em confronto com a polícia
    Varias guarnição da CIPE-SEMIÁRDIO continuando a perseguição que se deu inicio no dia do assalto ao banco de Mucugê, ontem apos troca de Tiro 4 bandidos veio a Óbito , e na tarde deste domingo(10), a polícia fechou cerco cont...
  • Quatro pessoas ficam feridas em assalto a banco na cidade de Mucugê
    Quatro pessoas ficaram feridas na manhã desta quarta-feira (6) durante um assalto a banco no município de Mucugê, que fica a 448 quilômetros de Salvador. Segundo informações da 42ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Lençóis), o crime aconteceu ...Quatro pessoas ficam feridas em assalto a banco na cidade de Mucugê
    Quatro pessoas ficaram feridas na manhã desta quarta-feira (6) durante um assalto a banco no município de Mucugê, que fica a 448 quilômetros de Salvador. Segundo informações da 42ª Companhia Independente da Polícia Militar (C...
  • Wilson Luis

    em 07/07/2014 Via Youtube
    Assalto ao Banco Central no coop

    Assalto ao Banco Central no coop.

  • Telecine

    em 29/12/2012 Via Google+
    Com a ideia de ganhar muito dinheiro de forma inteligente, o Barão juntou as pessoas certas para realizar o assalto perfeito. Foram roubados R$ 164,7 milhões do Banco Central de Fortaleza sem disparar um tiro sequer. Foi o maior roubo da história do Brasil e o segundo maior do mundo.
    Assista daqui à pouco, "Assalto Ao Banco Central".
    >> 12h25 no Telecine Premium
    Ou a qualquer momento no Play!
    http://telecine.globo.com/filmes/assalto-ao-banco-central/

    Assalto ao Banco Central no Telecine
    Com a ideia de ganhar muito dinheiro de forma inteligente, o Barão juntou as pessoas certas para realizar o assalto perfeito. Foram roubados R$ 164,7 milhões do Banco Central de Fortaleza sem dispara...
  • Trote: falso assalto a banco mobiliza ação da Policial em Iguatu
    Os militares compareceram ao local para verificarem a veracidade dos fatos. (Foto: Luan Vieira/Iguatu.Net) Um trote de um assalto contra a agência bancária do Banco do Brasil, no Centro da cidade de Iguatu mobilizou várias equipes policiais, na manhã dessa ...

    Trote: falso assalto a banco mobiliza ação da Policial em Iguatu | Willamsnet
    Trote: falso assalto a banco mobiliza ação da Policial em Iguatu
  • Raphael Gamer

    em 18/07/2014 Via Youtube
    Arma 3 - Programa Polícia 24 Horas / Assalto a Banco Fail

    SEJA UM NUBÁSTICO : https://www.youtube.com/user/raphaelgameplays?sub_confirmation=1 Canal do Sam : https://www.youtube.com/SERIOUSSAMBR Canal do FG : https:...




  • Tadeu Martins Soares.
    Amigos, Segue uma longa entrevista com o Prof. Francisco Rubió, professor da UFMG, autoridade no conhecimento de economia, saúde e política em Minas Gerais. A entrevista ao Jornal Hora do Povo, é longa mas vale a pena ler. Dar um bom mergulho nas águas do conhecimento da realidade mineira. “Minas precisa de um choque de produção” O candidato a deputado federal pelo PPL de Minas Gerais, Francisco Rubió, é o nosso entrevistado de hoje na série sobre a atual campanha eleitoral. Francisco Rubió e fundador do Partido Pátria Livre, do qual é membro da executiva nacional e É médico e professor da Faculdade de Medicina da UFMG. Na área da saúde já atuou em diversos setores, como o Programa de Modernização de Laboratórios Oficiais do Ministério da Saúde, professor do Internato em Saúde Coletiva da FMUFMG, e na coordenação do Projeto de Extensão de Cooperação Internacional da UFMG com Angola na área da saúde. "Lutar para destravar a economia do Estado" para investimentos em saúde, educação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico, infra-estrutura, saneamento, moradia, meio ambiente e segurança, será uma de suas prioridades como deputado federal. "A implantação do Plano de Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, para valorizar e qualificar o trabalho dos mesmos, garantindo estabilidade das equipes e o desenvolvimento do vínculo do profissional com o usuário do Sistema" é um dos seus projetos para a área da saúde. HORA DO POVO - Como o PPL de Minas Gerais se organizou para essas eleições. Quais são as expectativas eleitorais do partido no Estado? Francisco Rubió - O PPL de Minas lançou 23 candidatos a estadual e 9 a federal. Aprovamos coligação com o PSB e PRTB, chamada MINAS QUER MUDANÇA. A meta é elegermos, pelo menos, um federal e um estadual. Estamos com comissões provisórias se organizando em 170 municípios e com trabalho eleitoral planejado em mais de 250. Nosso programa, sintetizado na expressão MINAS PRECISA DE UM CHOQUE DE PRODUÇÃO, representa um atrativo para inúmeras forças sociais e econômicas que buscam um caminho para que Minas supere a pasmaceira que reina em sua economia - estamos retrocedendo a uma condição de economia primarizada - ou seja, sofremos uma queda da participação da indústria no PIB e um aumento da participação dos produtos primários, tanto no PIB como nas exportações. Para se ter uma idéia, em 2013, 54% das exportações de Minas Gerais resumiram-se ao minério bruto e café em grão - produtos primários (chamadas commoditeies), sem valor agregado. HP - Quem o PPL mineiro apoia para governador e presidente da República e por que? F. R. - Nossa Convenção aprovou o apoio ao Eduardo Campos e Marina Silva e ao veterano de luta das Gerais, Tarcísio Delgado, para Governador. Eduardo Campos e Marina representam a vontade dos brasileiros de avançar nas conquistas iniciadas no governo Lula e paralisadas no governo Dilma. Como diz o nosso Presidente nacional do PPL, Sérgio Rubens, "O povo sentiu, na própria carne, a diferença entre os anos de Lula e os de Dilma, e sabe o que isso significa: menos emprego, menos salário, menos ensino público, menos mobilidade urbana, menos saúde pública, menos reforma agrária, menos proteção ambiental, menos investimentos, mais juros, mais remessas de lucros para o exterior e menos vergonha de prometer, o que se sabe de antemão que não vai ser cumprido." Tarcísio Delgado foi uma feliz escolha do PSB, pois expressa este mesmo sentimento, essa vontade do povo. Em coletiva à imprensa, em 17 de julho passado, Tarcísio declarou-se frontalmente contrário ao neoliberalismo como modelo econômico, acrescentando que Minas enfrentou um verdadeiro Choque Elétrico nos últimos anos (referindo-se ao Choque de Gestão praticado pelos governos tucanos), o que levou a uma paralisia em vários setores da nossa economia. HP - Quais serão as suas prioridades como deputado federal? F. R. - Sem dúvida, é a luta para destravar a nossa economia. Como médico, quero ajudar a fechar as veias abertas da nossa economia. A taxa de juros precisa baixar. O valor do dinheiro está sendo mantido acima da produção e do trabalho, quando deveria ser o inverso - o dinheiro a serviço da produção e do trabalho. Uma taxa de juros mantida nas alturas (recorde mundial) é uma veia aberta escoando nosso sangue para o setor parasitário da economia mundial - os vampiros do capital financeiro internacional. Ano passado, foram 250 bilhões de reais que saíram diretamente do Tesouro Nacional para o bolso dos banqueiros. Sobram migalhas para girar na economia, na saúde, na educação, na pesquisa e desenvolvimento tecnológico, infra-estrutura, no saneamento, na moradia, meio ambiente, segurança. Outro ponto importante, na área da saúde e educação, é garantir creches para as crianças de zero a 4 anos, garantindo às crianças o cuidado de profissionais preparados, enquanto os pais estão trabalhando. Na mesma linha, apoio da União e dos Estados aos municípios para a implantação de um programa anual de atividades esportivas, artísticas, culturais e científicas com a juventude, integrando escolas municipais, estaduais e federais. É o resgate do modelo de educação integral somada às disciplinas obrigatórias nos diversos níveis de ensino. Outra prioridade na área da saúde é a implantação do Plano de Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, para valorizar e qualificar o trabalho dos mesmos, garantindo estabilidade das equipes e o desenvolvimento do vínculo do profissional com o usuário do Sistema. Vou levar à frente articulações para a implantação do Programa Mineiro de Bioprospecção, dentro de uma visão de inovação tecnológica no aproveitamento sustentável da nossa riquíssima biodiversidade. Esta, sem dúvida, irá transformar-se numa nova base para a indústria farmacêutica nacional, já que os princípios ativos não serão importados, mas encontrados na natureza e obtidos por métodos que garantam a conservação das nossas reservas naturais. Este projeto tem impactos em todas as regiões do país, já que temos ricos biomas pelo país afora. Do ponto de vista da economia de Minas, é necessário descentralizar o desenvolvimento tecnológico, com o objetivo de agregar valor aos produtos da terra, principalmente nas regiões que produzem e exportam leite in natura, café, feijão, milho e soja em grão (sem beneficiamento), além do minério bruto, responsável pela devastação dos territórios dos municípios, deixando royalties insignificantes de não mais que 3%. A sofreguidão exportadora já gerou uma inversão no nosso modelo industrial. Estamos exportando cada vez mais minério e passamos a importar aço. HP - Como a atual política macro econômica de juros altos e câmbio favorável às importações tem afetado a indústria mineira? F. R. - De forma devastadora. Juros altos atraem o capital estrangeiro de motel (moeda podre, especulativa, injetada nas grandes corporações e bancos pelo Banco Central americano, com as super-emissões mensais). Este capital inundou nossa economia. São 700 bilhões de dólares podres, em nosso país, que provocaram uma desvalorização artificial do dólar e, consequentemente, uma valorização artificial do Real. Com o Real valorizado artificialmente, aumentou o poder aquisitivo da nossa moeda para importar. Assim, as importações de produtos industrializados cresceram assustadoramente, afetando a economia de Minas Gerais. Para se ter uma idéia, a FIAT, uma das maiores importadoras do país (a 8ª no ranking do MDIC), importou, em 2013, US$ 1,2 bilhão em veículos. Exportou não mais que US$ 600 milhões. Ou seja, só a FIAT gerou um déficit comercial para MG de US$ 600 milhões. E a FIAT tem fábrica em Betim. Ao importar veículos e mesmo auto-peças, indiretamente importou aço, tirando mercado das nossas siderúrgicas como a USIMINAS. Em Ipatinga, a USIMINAS demitiu, em 2013, 2.575 trabalhadores, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da cidade. Os empregos com carteira assinada perdidos na indústria de transformação de Ipatinga somam 7.879 nos últimos três anos. A VALE, especializada em fabricar crateras, segundo informações do MDIC, importou US$ 509 milhões em 2013. E tem sido frequentes as queixas da Federação das Indústrias de Minas Gerais, dando conta de que a VALE faz poucas encomendas ao mercado industrial de Minas Gerais. O mesmo tipo de crítica é feita pela FIEMG às principais estatais controladas pelo governo de Minas - CEMIG, COPASA, CODEMIG, que fazem encomendas insignificantes ao parque produtivo do estado, preferindo comprar de outros estados ou mesmo de fora do país. Com as importações de aço, máquinas, equipamentos crescendo, e as exportações de industrializados caindo, e ao mesmo tempo aumentando as exportações de produtos primários - café, soja, feijão, milho (em grão), e minério bruto, assistimos com a passividade dos governos tucanos e do atual governo federal, a uma desindustrialização e concomitante primarização da nossa economia HP - Como professor universitário como o senhor vê a situação atual do ensino superior e da pesquisa no Brasil? F. R. - Um professor com 40 horas semanais, depois de 37 anos dando aulas na Faculdade de Medicina da UFMG, aposenta-se com um salário bruto de R$ 3.200,00. Em 2012, depois de uma greve que durou 4 meses, os reajustes prometidos pelo Governo Federal foram abaixo da inflação do período considerado. Os salários dos professores e dos funcionários das Universidades são ridículos. Que valorização se dá ao ensino, se não se dá valor ao professor e ao administrativo da Universidade? Os professores da UFMG, por exemplo, muitos deles são obrigados a se dedicar a atividades privadas, dispersando sua atenção e foco do ensino, pesquisa e prestação de serviços de assistência. O Hospital das Clínicas da UFMG tem sido sustentado por professores, profissionais e funcionários administrativos extremamente dedicados à função de ensino e assistencial, enquanto não se asseguram fluxos estáveis de financiamento por parte dos dois ministérios responsáveis pelas suas funções: Educação e Saúde. O HC vem de períodos críticos, ainda não superados, com altos endividamentos com fornecedores, deficiências importantes de materiais, equipamentos, e contratação precária de funcionários e professores em regime terceirizado. O SUS insiste em tratar um Hospital de Ensino como se fosse igual a qualquer outro hospital prestador de serviços. Não pode ser assim. O Hospital de Ensino ainda precisa ser incorporado como uma instituição especial dentro do SUS. Estes fatos, que se reproduzem por todos os estados, refletem o tratamento dado ao ensino e à C&T no Orçamento da União. Em 2013, estão previstas despesas com a educação da ordem de R$ 90 bilhões. Para a C&T, R$ 7,0 bilhões. Gastos com pagamento de juros da dívida, R$ 250 bilhões. Com o Banco Central garantindo aos rentistas, donos dos títulos da dívida pública brasileira, as mais altas taxas de juros do mundo, todo mês o tesouro desembolsa para eles R$ 21 bilhões. Em um ano, R$ 250 bilhões. Ou seja, 2,7 vezes o que é aplicado na educação em um ano, e 35 vezes o que é aplicado em C&T. As prioridades estão invertidas, e precisamos recolocar o país nos trilhos da educação, da C&T, da saúde. Por falar nisto, nosso deficit comercial no setor saúde é da ordem de USD 12 bilhões anuais. Significa que estamos investindo muito pouco, quase nada, na substituição de importações de matérias primas de medicamentos, equipamentos e outros insumos para a saúde. Temos um mercado consumidor muito grande. Em Belo Horizonte, por exemplo, temos uma fábrica de alta tecnologia - a LABCOR, especializada na fabricação de próteses biológicas cardio-vasculares. O Estado, por intermédio do imenso mercado do SUS, precisa priorizar suas compras de uma empresa como esta, de capital genuinamente nacional. Esta deve ser uma política a ser posta em prática em todo o SUS, fortalecendo a formação de um Complexo Industrial da Saúde em todo o país, fomentando o nosso desenvolvimento tecnológico. HP - Recentemente um viaduto desabou em Belo Horizonte matando duas pessoas. O prefeito chegou a dizer que isso era um fato normal. Como o senhor avalia isso? A tradicional engenharia mineira está em crise? F. R. - Não tem nada de normal numa tragédia como esta. O normal é o prefeito e seus fiscais respeitarem e fazerem respeitar as normas técnicas de uma obra como aquela. O que deve determinar o ritmo da obra são as normas técnicas e o respectivo projeto de engenharia. Tudo acompanhado de rigorosa fiscalização por parte da Prefeitura e seus fiscais. Tudo indica que não houve. Disto depende a segurança da obra e da população. Ditar o ritmo da obra em função de inaugurá-la às pressas é um erro criminoso. Observações iniciais do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de MG, colocam como hipótese principal para o desabamento, a retirada precoce das escoras da estrutura de concreto, que ainda não havia atingido a resistência adequada para suportar o peso da estrutura. Há suspeitas de falhas na sustentação do pilar central. Mais motivo para a não retirada das escoras. Que fiscalização é esta por parte da Prefeitura? Que ritmo é este que é aceito por uma construtora como a COWAN? A COWAN ficou conhecida como sócia da Delta, nestas obras de infra-estrutura para a COPA, como a que construiu as pistas para o BRT de BH. Segundo consta no portal de Luis Nassif on line (04/07/14), o MPE encontrou no TCE de Minas, documentos que sugerem superfaturamento de 350% nas obras do viaduto que desabou. No mesmo dia da tragédia do viaduto, a COWAN foi anunciada, em São Paulo, como uma das empresas do consórcio vencedor da licitação do monotrilho ABC (segundo a mesma fonte). HP - A atual política industrial do governo privilegia as empresas estrangeiras com créditos facilitados e gordos subsídios. Você vê alguma eficácia nessa política. Qual a diferença entre essa política, chefiada por Fernando Pimentel, do PT, e a política entreguista e submissa às multinacionais dos tucanos? F. R. - No comando do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio Exterior, Pimentel colocou em prática uma política de Desenvolvimento da Indústria Estrangeira, tudo menos da indústria nacional. Nas concessões de aeroportos e em construção de rodovias, foi colocada a exigência de participação de empresa de capital estrangeiro. Não fosse assim o Governo não aceitaria. Os gordos financiamentos do BNDES para as telefônicas estrangeiras só fortaleceu a desnacionalização radical do setor. Nos périplos de Pimentel nos EUA, palestrou para empresários americanos, prometendo-lhe fatias gordas da nossa infraestrutura de aeroportos, portos, estradas, em troca de flexibilizar a legislação trabalhista, ou seja, vendendo os direitos trabalhistas para tornar mais atraente o assalto ao nosso mercado pelas megacorporações. O câmbio artificialmente mantido na condição de um real valorizado em relação ao dólar, só tem gerado subsídios gordos à importação, prejudicando a produção interna e fomentando a indústria dos países centrais. Os acordos de livre comércio com a Comunidade Européia, vendidos pelo MDIC como uma miragem de crescimento econômico para os incautos no Brasil, não passam de uma ALCA disfarçada de européia. Assim, Pimentel vem entregando o mercado brasileiro à fome voraz das corporações estrangeiras. Ele ou um tucano no Governo de Minas em nada vai alterar, substancialmente, o processo em curso de desnacionalização e desindustrialização, e a primarização da nossa economia. O empresariado nacional, segundo ele, é atrasado. Avançada deve ser aquela máfia de corporações americanas e européias que provocou a maior crise econômica nos países centrais, desde a crise de 29, inundando suas economias com trilhões de derivativos podres, sem lastro. HP - A saúde pública está em crise. Quais são suas propostas para o setor? F. R. - O principal fator da crise é a falta de financiamento. O Brasil aplica, entre União, Estados e Municípios R$ 220,0 bilhões anuais. Isto dá R$ 1.100,00 por habitante/ano, ou USD 500,00 por habitante. Comparando com outros países, a OMS informa que a Inglaterra gasta USD 3,000.00 por habitante (em saúde pública); outros países com sistema universal como o nosso e da Inglaterra, também gastam mais que o Brasil: França (US$ 3.813), Alemanha (US$ 3.819), Canadá (US$ 3.982), Espanha (US$ 2.175), Austrália (US$ 4.052) e até a Argentina (US$ 576). Onde estão os recursos que deveriam ser aplicados na saúde? Desviados para pagamento de juros. E quem controla os juros? O Banco Central e os banqueiros e negocistas do setor financeiro. Assim, a proposta para viabilizar o SUS, em primeiro lugar é elevar o percentual do orçamento da União dedicado aos investimentos em saúde pública. Com base nos parâmetros usados pela OMS, para atingirmos o patamar de USD 1,000.00 por habitante (metade do que se investe na Espanha), o que equivale a R$ 2.000,00 por habitante, para uma população de 200 milhões, o Brasil teria que investir USD 200,0 bilhões de dólares, ou R$ 400,0 bilhões de reais. Divididos, 25% para o conjunto dos municípios, 25% para os Estados e DF, a União teria que aplicar R$ 200,0 bilhões de reais por ano. Ano passado a União arrecadou R$ 1,13 trilhão de reais em impostos. Governo Federal deveria ter aplicado 18% dos impostos arrecadados, para chegarmos à metade do caminho já percorrido pela Espanha, um país em plena crise, sob os auspícios das corporações alemãs. Não aplicou isto na saúde, mas aplicou mais que isto no enriquecimento dos bancos e outros especuladores com títulos da dívida. Mas, vamos propor que alcancemos as proporções de investimento em saúde dos demais países com saúde universal, de forma gradual. Podemos começar com a aplicação de, no mínimo, 10% dos impostos arrecadados. Já seriam R$ 113 bilhões, ao invés de R$ 96 bilhões aplicados em 2013. Há outros fatores gerando crise na saúde pública. A péssima remuneração dos seus recursos humanos, a falta de uma Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, a centralização excessiva dos serviços de média e alta complexidade nas cidades sede de macrorregiões, gerando altíssimos custos financeiros de deslocamentos, penalização dos pacientes e gestões municipais com transportes a longas distâncias dos mesmos, filas à espera de cirurgia e procedimentos de média e alta complexidade, perda precoce de vínculo da instituição formadora dos recursos humanos em relação ao profissional por ela formado (o que pode ser resolvido com a EAD), falta de uma política de interiorização dos profissionais de saúde (sem incentivos especiais à fixação em regiões remotas), falta política de nacionalização da produção e inovação tecnológica de vários insumos para a saúde, que vem gerando crescentes deficits comerciais e encarecendo os serviços. HP - Tarcísio Delgado, em entrevista publicada recentemente no HP, denunciou a situação das reservas minerais do Estado, seu envio maciço para o exterior sem ganhos para a região. Como o senhor avalia essa situação? F. R. - O Tarcísio Delgado, com a sensibilidade de experiente gestor público, por três mandatos à frente da Prefeitura de Juiz de Fora, tem toda a razão. As mineradoras, capitaneadas pela VALE, CBMM (Detém 75% das reservas de nióbio do Brasil), Ferrous, Anglo América (esta, construindo um devastador mineroduto de 525 km, entre Conceição do Mato Dentro e o porto de Açu, no Rio de Janeiro), pagando míseros royalties aos municípios e estados mineradores (no máximo 3% do faturamento líquido), não pagam impostos e estão transformando as montanhas de Minas em verdadeiras crateras de destruição. Até mesmo santuários da nossa biodiversidade, como a Serra do Espinhaço, no Norte de Minas, em Conceição do Mato Dentro e São Gonçalo do Rio Abaixo, estão sendo tragados pela ação destruidora e devoradora das mineradoras. Tarcísio lembrou muito bem da campanha da época de Arthur Bernardes, o Minério não Dá Duas Safras. Vamos nos somar a ele, exigindo a aplicação, na mineração, das mesmas regras para a exploração do petróleo, ou seja, o pagamento de ICMS e outros impostos, além dos royalties, porém, com percentuais mais elevados, como na exploração do petróleo. Segundo Tarcísio Delgado, falta ao Brasil a MINEROBRAS - a PETROBRAS dos minérios. É preciso por fim e punir exemplarmente a selvagem destruição de fazendas, plantações, matas, nascentes, cursos de água, ecossistemas, invasão de propriedades públicas e privadas, por parte a Anglo América, nos 525 km de mineroduto, entre o município de Conceição do Mato Dentro (MG), e porto de Açu, em São João da Barra, RJ. O mineroduto vai consumir cerca de 6.200 m³ de água por hora, para levar o minério até o porto de Açu. Haja consumo de água. Segundo a OMS, cada pessoa consome 3,3m³ de água por mês, ou 110 litros de água por dia (entre higiene e alimento). A mineradora vai gastar, em uma hora, 2.000 vezes o que cada cidadão gasta em um mês. Vai minério, às montanhas! Vem aço nos veículos, máquinas, equipamentos e auto-peças, fabricados lá fora com o nosso minério. Crime inafiançável, deveria ser. HP - E quanto à dívida pública de Minas Gerais com a União? F. R. - Negociação draconiana imposta a Minas no Governo de Azeredo, pelo Governo FHC, fez com que uma dívida que era de R$ 14,8 bilhões, em 1997, chegasse a R$ 70 bilhões em 2013, sendo que o Governo de Minas já amortizou R$ 30 bilhões, neste intervalo. Em consequência, no primeiro trimestre de 2014, a dívida já chegou perto do valor total do orçamento de Minas para este ano, que é de R$ 75 bilhões. O Estado deverá pagar à União, neste ano, R$ 2,7 bilhões de juros e encargos, mais R$ 2,25 bilhões de amortizações do principal. Os investimentos previstos no orçamento são de R$ 5,0 bilhões para 2014. Nos doze últimos anos de governos tucanos em Minas, não houve qualquer enfrentamento radical ou mesmo alguma pressão mais forte, a respeito da dívida com a União. Afinal, o patrono e inspirador deste tributo ao capital financeiro - FHC, é o mesmo que desistiu de apoiar o Serra e escalou Aécio Neves em seu lugar, para tentar por em prática, com mais rapidez, a privatização do que resta do Estado e a subserviência ao setor financeiro. Mais rapidez, já que, no entender do tucano Aécio, Dilma Roussef demorou demais a privatizar aeroportos e o Pré-Sal, e andou vacilando, no início do seu governo, mas acabou mantendo as taxas básicas de juros como as mais altas do planeta. Entrevista:Sérgio Cruz



  • Guarda Municipal compartilhou um link.
    Ladrão baleado e comparsa preso após assalto em saída de banco.
    Assim que sacou R$ 5 mil para o pagamento dos funcionários de uma obra, em uma agência bancária de Quatro Barras, uma mulher foi perseguida por dois bandidos...
  • YoshiGamer

    em 21/07/2014 Via Youtube
    Arma 3 - Altis Life - História de TERROR! ASSALTO A BANCO??? - Parte #6

    PSNGamesDF com 5% de Desconto: http://bit.ly/1z8qC3h A melhor loja de jogos! Leia a descrição se possível! =) Se você gostou do vídeo, por favor deixe sua avaliação e comentário....

  • Corpo de sargento morto durante assalto a banco no Sertão é sepultado no Recife

    Foi sepultado no fim da tarde desta quinta-feira (03) o corpo do 3º sargento da Polícia Militar Anderson de Oliveira Souza, de 32 anos, morto a tiros durante...

  • Vale a pena.


    Luiz Machado.
    GENTE VAMOS VOTAR... TÍTULO DO LIVRO FOI FEITA UMA ENQUETE PARA ESCOLHER QUAL DEVE SER O TÍTULO DO LIVRO QUE LULA VAI ESCREVER PARA ENTRAR NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Exatamente 11.206 leitores participaram da enquete que elegeu o título do livro que Lula deveria escrever para conseguir uma vaga na Academia Brasileira de Letras e, sempre na esteira de Fernando Henrique Cardoso, virar imortal de fardão. Com 6.078 votos (54% do total), venceu: ROSE E EU: CASAIS INTELIGENTES ENRIQUECEM JUNTOS. Seguiram-se: BEBER, FALAR E TAPEAR _(2.806 votos), CINQUENTA CONTOS DO VIGÁRIO_ (1.362); A VERDADEIRA HISTÓRIA DO MENSALÃO_ (834) e _ O ASSALTO AO TREM-BALA_ (135). Paralelamente, foram feitas outras excelentes sugestões. Destacamos algumas muito criativas: Cinqüenta tons de Rose_ 50 tonéis de pinga_ A mão que balança o copo_ A Terra é quadrada A Volta ao Mundo em Oito Anos ABC do Mensalão Ali Babão e os 40 mensaleiros Assalto ao Banco Central Cem Anos de _Só Ladrão_ Curçu di aufabetisassão di adultu – Si eu aprendi, vosseis pódi tamém Ensaio sobre a roubalheira Ensaio sobre a Segueira Guia politicamente incorreto da honestidade Meu filho é um fenômeno As Mil e uma noites com Rose Minhas MÉmórias O Amante de Lady Roseville O homem que não sabia de nada O incrível exército de Lula Mensaleone O nome da Rose ( menção especial) PT Rico. País Pobre Sem corrupção não há solução Trair e roubar é só começar Vim, vi, venci e sumi
  • Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html


    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.



  • Janete Assunção Ramos compartilhou a foto de Verdade Oculta.
    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.
  • Quatro assaltantes envolvidos no assalto a banco em Mucugê morrem em confronto com a policia.
    Quatro suspeitos de envolvimento com assalto a bancos e tráfico de drogas foram mortos em confronto com a polícia neste sábado (9), em Cafarnaum, a 430 quilômetros de Salvador. Eles foram surpreendidos na zona rural, no povoado do Recife, por equipes da Com...

    Quatro assaltantes envolvidos no assalto a banco em Mucugê morrem em confronto com a policia.
    Quatro suspeitos de envolvimento com assalto a bancos e tráfico de drogas foram mortos em confronto com a polícia neste sábado (9), em Cafarnaum, a 430 quilômetros de Salvador. Eles foram surpreendidos na zona rural, no povoa...
  • César Costa

    em 23/07/2014
    Livros à venda Todos em excelente estado de conservação, muito novos. R$ 15,00 cada um. Dúvidas inbox. Lista: 007 Contra o Satânico Dr. No 3096 Dias A Hospedeira A Volta ao Mundo em 80 Dias A Zona Azul Aléxandros - Volume 1 - O Sonho de Olympias, Volume 2 - As Areias de Amon, Volume 3 - Os Confins do Mundo (Apenas vendo os 3 juntos, por se tratar de coleção) Arquivo X - Volume 1 ao 10 (Apenas vendo os 10 juntos, por se tratar de coleção) As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo Rei, O Prisioneiro da Árvore (Apenas vendo os 4 juntos, por se tratar de coleção) As Memórias do Livro As virgens Suicidas Assalto ao Banco Central Bilionários Por Acaso César Criança 44 Deixa Que Eu Chuto Dr. Negro e Outras Histórias Drácula, O Morto Vivo Einstein Viveu Aqui Entrevista com o Vampiro George e os segredos do Universo Hannibal - A Origem do Mal Hannibal O Silêncio dos Inocentes O Buraco da Agulha O Homem de São Petersburgo Os Pilares da Terra Volume 1 Os Pilares da Terra Volume 2 Mundo Sem Fim A Chave de Rebeca Uma Fortuna Perigosa O Voo da Águia Maratona Marley e Eu Meu Nome Não é Johnny Crônicas do Mundo Emerso - Vol 1 - A Garota da Terra do Vento Crônicas do Mundo Emerso - Vol 2 - A Missão de Senar Crônicas do Mundo Emerso - Vol 3 - O Talismã do Poder As Guerras do Mundo Emerso - Vol 1 - A Seita dos Assassinos As Guerras do Mundo Emerso - Vol 2 - As Duas Guerreiras O Cão de Terracota O Colecionador de Ossos O Desfiladeiro do Medo O incêndio de Tróia O Livreiro de Cabul O Médico e o Monstro O Mundo do Senhor dos Anéis O Vendedor de Armas Onde Está Osama Bin Ladden? Operação Valquíria Os Justiceiros Parque Gorki Por que os Homens Têm Tetas? Prazer de Matar Resistência Seu Creysson - Vídia e Óbria Stonehenge Submarino Morto Até o Anoitecer Vampiros em Dallas Um Conto de Natal Um Tiro Pelé, A Autobiografia Admeto - O Globo do Poder Rei Artur Cinco Luas Operação Trinidad Spell - O Diário Crime na Baía de Kungkungan A Besta dos Mil Anos A Sombra de Um Crime O Sequestro de Vitória O Círculo de Pedra Confie em Mim O Rei do Mundo As Aventuras de Tom Sawyer As Aventuras de Huckleberry Finn O Morro dos Ventos Uivantes
  • GTA Multiplayer - O Maior Assalto a Banco!

    Série: Vida Virtual - GTA San Andreas Multiplayer Episódio: 24 Playlist da Série: http://goo.gl/eEyBu1 Curta - https://www.facebook.com/Exetrize Siga-me - ht...

  • GTA V Online: ASSALTO ao BANCO com INSCRITOS! [GTA 5]

    Obrigado por assistir! Se gostou do vídeo, deixe seu GOSTEI e FAVORITO, fazendo isso, você vai me ajudar muito na divulgação do canal...!!! ▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭▭...




  • Reinaldo Bellagamba compartilhou a foto de Verdade Oculta.
    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.
  • Uma grande lição! Há uns anos alguns ladrões entraram num banco numa pequena cidade. Um deles gritou: "Não se mexam! O dinheiro pertence ao banco mas as vidas são vossas". Imediatamente todas as pessoas deitaram-se no chão em silêncio e sem pânico. LIÇÃO 1: Este é um exemplo de como uma frase dita correctamente e na altura certa pode fazer toda a gente mudar a sua visão do mundo. Uma das mulheres estava deitada no chão de uma maneira provocante. Um dos assaltantes aproximou-se dela e disse: "Minha senhora, isto é um roubo e não uma violação. Por favor, procure agir em conformidade. " LIÇÃO 2: Este é um exemplo de como comportar-se de uma maneira profissional concentrar-se apenas no objectivo. No decorrer do assalto, o ladrão mais jovem (que tinha um curso superior) disse para o assaltante mais velho (que tinha apenas o ensino secundário completo): "Olha lá, se calhar devíamos contar quanto é que vai render o assalto, não achas?". O homem mais velho respondeu: "Não sejas estúpido! É uma data de dinheiro e por isso vamos esperar o Telejornal para descobrir exactamente quanto dinheiro conseguimos roubar". LIÇÃO 3: Este é um exemplo de como a experiência de vida é mais importante do que uma educação superior. Após o assalto, o gerente do banco disse ao seu caixa: "Vamos chamar a polícia e dizer-lhes o montante que foi roubado". "Espere", disse o caixa "antes de fazermos isso vamos juntar os 800 mil € nós tirámos há alguns meses e dissemos que também esse valor foi roubado no assalto de hoje”. LIÇÃO 4: Este é um exemplo de como se deve tirar proveito de uma oportunidade que surja. No dia seguinte foi relatado nas notícias que o banco tinha sido roubado em 3 Mio €. Os ladrões contaram o dinheiro mas encontraram apenas 1 M €. Um deles começou a resmungar: "Nós arriscamos as nossas vidas por 1 M € enquanto a administração do banco rouba 2 M € sem pestanejar e sem correr riscos? Talvez o melhor seja aprender a trabalhar dentro do sistema bancário em vez de ser um simples ladrão". LIÇÃO 5: Este é um exemplo de como o conhecimento pode ser mais útil do que o poder. Moral da história: Dá uma arma a alguém e ele pode roubar um banco. Dá um banco a alguém e ele pode roubar toda a gente.



  • Luciana Cristina Dos Santos compartilhou um link.
    www.cartacapital.com.br
    A militante Dilma e os arquivos.
    O que há de público sobre a atuação da ex-ministra na resistência à ditadura



  • Jonh Gabriel Gomes compartilhou a foto de Filmes que valem a pena.
    Ola a dica hoje é o filme Inimigos Públicos. John Dillinger (Johnny Depp) era um criminoso audacioso e violento, mas que atraía a opinião pública ao seu favor, principalmente, porque dizia retirar das instituições financeiras o dinheiro que elas roubavam do cidadão. Seus assaltos a bancos e fugas rápidas enlouqueciam a polícia que não tinha condições de enfrentá-lo. Assim, prender o assaltante tornou-se uma obsessão do então burocrata J. Edgar Hoover (Billy Crudup), que disposto a tudo para fortalecer o famoso F.B.I., coloca Dillinger como o inimigo público número um. Para ajudar em sua missão, Hoover contrata o policial Melvin Purvis (Christian Bale) e o deixa igualmente obcecado pela captura do bandido, que se apaixona por Billie Frechetti (Marion Cotillard) e acaba complicando a sua vida. Um ótimo Filme Que Vale a Pena Ser Visto.
    Fotos da linha do tempo.



  • Elsirley Alves Lima Alves de Lima compartilhou o vídeo "Pacificado o paragrafo único do art. 5º da PLC 39/2014" de Guarda Municipal pela PL 1332/2003 substitutivo alterado para "armadas" II.
    Pacificado o paragrafo único do art. 5º da PLC 39/2014.
    Video: Ladrão baleado e comparsa preso após assalto em saída de banco Assim que sacou R$ 5 mil para o pagamento dos funcionários de uma obra, em uma agência bancária de Quatro Barras, uma mulher foi perseguida por dois bandidos em uma moto, na tarde de segunda-feira (21). Os marginais a ameaçaram com armas e levaram o dinheiro. Na fuga, foram até Pinhais, onde foram perseguidos pela Guarda Municipal. Um dos assaltantes, identificado como Herbert Souza França, 43 anos, foi baleado e encaminhado ao hospital. O outro, Carlos Henrique de Souza, 28, foi preso. Com eles, foram apreendidos uma pistola calibre 380 e um revólver calibre 38, além do dinheiro roubado. Fonte: Na Tela do 190 Agora é a hora de lutar para sancionar a PLC 39/2014 SEM VETOS. No entendimento da maioria, o Guarda Municipal só irá repassar a ocorrência, ao órgão competente, se está ainda estiver em andamento. Somente neste caso o Guarda vai permanecer em apoio. Se caso a situação já estiver dominada e o infrator preso é a Guarda Municipal e quem vai conduzir até a delegacia o autor da infração. GMPL133203 Leia mais em: http://legis.senado.leg.br/mateweb/arquivos/mate-pdf/153346.pdf Chegou a hora tão sonhada. A sanção presidencial da PLC 39/2014. Faça sua parte! Deixe sua mensagem para a presidenta Dilma Rousseff Fale com a Presidenta no Facebook. https://www.facebook.com/SiteDilmaRousseff Fale com a Presidenta Canal direto de comunicação "Fale com a Presidenta" http://www2.planalto.gov.br/fale-com-a-presidenta Presidência da República Telefone(s) (61) 3411-1200/(61) 3411-1201 E-mail: [email protected]
  • Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html


    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.
  • Abraão Roseane, Maria Thais, Elvis Alves Amâncio, Paul Pessoa, Noelson Miranda, Sávio Borges, Kamyla Amorim, Maria Luiza


    Bruno Araujo Mendes compartilhou a foto de CaiaFarsa.
    A BRIGA DE JESUS COM OS “CRENTES” Autor: Fernando Nascimento Jesus Cristo veio um dia sem botar os pés no chão, disse um dia que voltava de assalto como ladrão pra pegar nego no flagra e aplicar condenação. Logo de cara encontrou um culto em um terreiro “crentes” gritavam na rua que salvo serão primeiro Cristo deu uma gargalhada que assanhou o cabelo. Eles condenavam o povo loucos de bíblia na mão, como fez o fariseu que teve condenação, mas, foi mesmo o publicano que ganhou a salvação. ................. (Lc 18,9-14) Chamavam de prostituta a Igreja de Jesus; nunca mais foram na missa são inimigos da cruz; ..................... (Fl 3,18-19) dividiram a fé em várias e dizem que tão na luz. Jesus disse: “As prostitutas vão pro céu na tua frente. ...............(Mt 21,31). Se detestas minha cruz então por que te dizes crente? .......(Fp 3,18-19) Quem se diz iluminado tá em trevas, esse mente. ...............(1 Jo 2,9-11) Não sabe pra onde vai com tanta seita na frente”. Eles não acreditaram ser aquele o Salvador, e resolveram zombar do Filho do Criador, um deles muito raivoso virou pra Cristo e falou: Bote um terno ordinário traga uma bíblia na mão dez por cento do salário todo mês dá salvação. Jesus Cristo sem demora respondeu ao canastrão: “Teu negócio é vender bíblia pra quem nem leitura tem, Moisés nunca vendeu tábuas pregava o que nelas tem, se teu negócio é dinheiro vais pagar cada vintém.” Outro afoito dirigiu a palavra ao Senhor disse: Aceite a Jesus e a Deus tenha temor. Jesus disse: “Eu aceito, onde é o caixa, por favor?”... ...“Se alguém diz: “Amo a Deus” e aborrece seu irmão esse é o pior mentiroso, vê o outro e põe no chão como pode amar a Deus a quem nunca viu então?” ........ (1 Jo 4,20) Os “crentes” se arretaram e pra ofender Jesus lhe disseram: teus pecados não se lavam nem na cruz tua barba, teu cabelo e tua roupa fazem jus. - “Pedi pra andar descalço todo o que me seguia. Usavam roupas sem bolso que é pra não roubar um dia. Tu tens conta e paletó.” Jesus Cristo respondia. Um careca barrigudo pra Jesus, assim falou: homem deixe de pecar e conheça o meu pastor ele vai te batizar numa tarde de louvor. - “O Senhor é meu pastor e nada me FURTARÁ.” Jesus Cristo disse isso pra aquele infeliz calar. Pois o seu “pastor” é homem não se deve confiar. .......................(Jer 17, 5) Logo um disse: És católico, pra que diabo serve santo? Pois existe um só Deus, e na tua fé tem tanto. Mas Jesus lhe respondeu quase morreram de espanto: - “Deus é Deus, santo é santo! Tu semeias confusão. É mais um de teus pecados. Os santos te julgarão. .............(1 Cor 6,2) Se dizes que Deus é um pra que tanta igreja então?”... ... “Os santos são VE-NE-RA-DOS. Só a Deus damos louvor. O santo é o cristão que morreu, renunciou pra honrar, gloriar Deus. Quem da tua fé ousou?” Um dos “crentes” disse assim: Só quem dá perdão é Deus!!! Jesus disse: “Vê na bíblia quem diz isso é fariseu.” ............(Lc 5, 21-26) E o “crente” abrindo a bíblia quando leu quase morreu. Jesus disse: “Eu dei aos homens o poder de perdoar ..................(Jo 20,21-23) desde a ressurreição basta as culpas... *** O cordel continua no original. Não perca o grandioso final desta história. Você aprenderá como nunca! Adquira já toda a coleção em e-book E a receba no seu e-mail por apenas R$ 16,00 os 16 cordéis diferentes. Clique na foto do link abaixo para ver os títulos: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=578457312276000&set=pcb.578458372275894&type=1&theater Basta fazer o depósito no Banco do Brasil - Agência: 0325-5 Conta Poupança: 27144-6 Variação: 051 e enviar o comprovante de depósito para [email protected] Ou depositar os R$ 16,00 no Banco ITAÚ - Agência: 6271 Conta Corrente: 10326-6 enviar o comprovante de depósito Para [email protected] e receberá tudo em seu e-mail.
    Fotos da linha do tempo.
  • ARMA 3 Altis life #04: ASSALTO AO BANCO! fui sem munição! ME FODI!

    Conheça a PSNGAMESDF: http://bit.ly/1iWPQx9 (cupom com 5% de desconto, aproveitem!) Conheça a FIRST PLACE: http://goo.gl/ARXnG3 (SÓ PC FERA!) CANAIS PARTICIPANTES: Canal do SAM: http://www.you...

  • Nena Lima

    em 23/07/2014



    Nena Lima compartilhou uma atualização de status de Luiz Machado.
    Luiz Machado.
    GENTE VAMOS VOTAR... TÍTULO DO LIVRO FOI FEITA UMA ENQUETE PARA ESCOLHER QUAL DEVE SER O TÍTULO DO LIVRO QUE LULA VAI ESCREVER PARA ENTRAR NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Exatamente 11.206 leitores participaram da enquete que elegeu o título do livro que Lula deveria escrever para conseguir uma vaga na Academia Brasileira de Letras e, sempre na esteira de Fernando Henrique Cardoso, virar imortal de fardão. Com 6.078 votos (54% do total), venceu: ROSE E EU: CASAIS INTELIGENTES ENRIQUECEM JUNTOS. Seguiram-se: BEBER, FALAR E TAPEAR _(2.806 votos), CINQUENTA CONTOS DO VIGÁRIO_ (1.362); A VERDADEIRA HISTÓRIA DO MENSALÃO_ (834) e _ O ASSALTO AO TREM-BALA_ (135). Paralelamente, foram feitas outras excelentes sugestões. Destacamos algumas muito criativas: Cinqüenta tons de Rose_ 50 tonéis de pinga_ A mão que balança o copo_ A Terra é quadrada A Volta ao Mundo em Oito Anos ABC do Mensalão Ali Babão e os 40 mensaleiros Assalto ao Banco Central Cem Anos de _Só Ladrão_ Curçu di aufabetisassão di adultu – Si eu aprendi, vosseis pódi tamém Ensaio sobre a roubalheira Ensaio sobre a Segueira Guia politicamente incorreto da honestidade Meu filho é um fenômeno As Mil e uma noites com Rose Minhas MÉmórias O Amante de Lady Roseville O homem que não sabia de nada O incrível exército de Lula Mensaleone O nome da Rose ( menção especial) PT Rico. País Pobre Sem corrupção não há solução Trair e roubar é só começar Vim, vi, venci e sumi



  • Cleitynho Sillva compartilhou a foto de Plantão Policial.
    Toda vez que entramos nos bancos a primeira coisa que nos mata de raiva é a tal da porta giratória que trava e temos que praticamente esvaziar as bolsas e bolsos para tirar os objetos metálicos! E quase nunca percebemos que ali esta o segurança do banco, só percebemos quando a porta trava... Mas ele esta sempre ali e todos nós sabemos que ladrões quando partem para roubar um banco é TUDO ou NADA! E nesse tudo ou anda na linha de frente esta o segurança armado do banco que sem muita escolha, muitas vezes com um 38 miserável na cintura, com um salário que não vale o risco é o primeiro a ser peneirado por fuzis e armas de grosso calibre! A família que todo os dias espera a volta do chefe de família, o abraço do pai exausto pelas caras feias dos clientes ou pelo bom dia não correspondido recebe a noticia: "Sinto muito, mas seu marido (pai, irmão...) acaba de morrer no assalto que teve lá no banco!" Choro, desespero, falta de auxilio, papelada burocrática emperrada na má vontade para ajudar a família daquele que deu sua vida pelo valor do banco que é totalmente segurado! A vida desse heróis é assim, perigo eminente, possibilidade de não voltar pra casa... Ao entrar no banco olhe para o segurança e dê ao menos um bom dia, pois ele em caso de assalto violento, se for preciso morrerá em seu lugar! Essa foto aconteceu na cidade satélite do Gama (DF) no inicio do ano quando bandidos foram assaltar um carro forte depararam com seguranças armados e na troca de tiro dois pais de família foram mortos. Um dos bandidos foi preso dias depois e disse em uma reportagem não estar nem um pouco arrependido! Não precisa vim com a mesma hipocrisia de sempre moralista por causa da foto, veja como uma foto de alerta e respeito aos profissionais da segurança privada que matam um LEÃO POR DIA pela suas sobrevivências e muitas vezes acabam assim... Por isso eu digo e repito, BANDIDO BOM É AQUELE QUE JAZ NÃO EXISTE MAIS!!!! Se concorda compartilhe e curta comigo! Alison Maia - Plantão Policial de Caldas Novas — com Fabricio Vig Augusto Rolim e outras 5 pessoas.
    Fotos da linha do tempo.
  • Mucugê: tiroteio e terror em assalto ao Banco do Brasil
    Uma quadrilha fortemente armada provocou terror durante um assalto a uma agência do Banco do Brasil na cidade de Mucugê, na Chapada Diamantina. Por telefone, a delegada da cidade, Veronice dos Santos, informou ao site Brumado Notícias que o pânico começou q...

    Mucugê: tiroteio e terror em assalto ao Banco do Brasil
    Uma quadrilha fortemente armada provocou terror durante um assalto a uma agência do Banco do Brasil na cidade de Mucugê, na Chapada Diamantina. Por telefone, a delegada da cidade, Veronice dos Santos, informou ao site Brumado...
  • stelythle

    em 09/07/2014 Via Youtube
    Payday: The Heist - Assalto ao Banco - Ep.1 c/ Stelythle e Myamandi

    Não se esqueçam de deixar um gostei para apoiar o canal ;) Acho que isso foi um tremendo sucesso Canal do Myamandi: https://www.youtube.com/user/myamandi Eu ...

  • CONFRONTO ARMADO COM "SOMENTE" A GM DE PINHAIS https://www.youtube.com/watch?v=5VCwKyV7c0I


    Ladrão baleado e comparsa preso após assalto em saída de banco.
    Assim que sacou R$ 5 mil para o pagamento dos funcionários de uma obra, em uma agência bancária de Quatro Barras, uma mulher foi perseguida por dois bandidos...
  • TENTATIVA DE ASSALTO AO BANCO SICOOB - SÃO DOMINGOS - SM
    Moradores de Ribeirão de São Domingos , distrito de Santa Margarida,  se assustaram na manhã desta quinta-feira(03/07) durante uma tentativa de assalto ao banco SICOOB.  No horário das 9h30 dois  homens  fortemente armados  chegaram   atirando  do lado de f...

    TENTATIVA DE ASSALTO AO BANCO SICOOB - SÃO DOMINGOS - SM
    Moradores de Ribeirão de São Domingos , distrito de Santa Margarida,  se assustaram na manhã desta quinta-feira(03/07) durante uma tentativa de assalto ao banco SICOOB.  No horário das 9h30 dois  homens  fortemente arm...
  • Luiz Godoy

    em 23/07/2014



    Luiz Godoy compartilhou a foto de Verdade Oculta.
    Pressionada, Dilma pensou em alegar motivo grave de saúde para desistir de disputar a reeleição Dilma Rousseff pensou em alegar um motivo de saúde para desistir de concorrer à reeleição. A Presidenta chegou a verbalizar a amigos e assessores próximos tal intenção de jogar a toalha, diante das pressões que vem recebendo. Dilma entra na guerra para permanecer no Palácio do Planalto contra a própria vontade, pois não encontrou condições políticas seguras para fazer valer seu desejo pessoal. Instintivamente, sabe que parte para o sacrifício – com alto risco de derrota, embora, pessoalmente, não se sinta culpada pelo que de ruim possa ocorrer. A instabilidade psicológica da candidata Dilma é uma das causas das desavenças na cúpula petista de campanha – que Lula nega publicamente existir, em clara manobra defensiva. Dilma se sente pessoalmente incomodada com as ameaças, pressões e traições de uma conjuntura pré-eleitoral que promete ser covarde, desleal e desumana. Dilma pressente insegurança entre os inconfiáveis “aliados” petistas. Chega a temê-los mais que adversários políticos. Também tem pavor do jogo sujo dos reais “inimigos” – lembrando-se, sempre, da espionagem de que foi vítima pela NSA norte-americana. Dilma não deixa de ter razão. A versão sobre sua intenção de desistir da reeleição – que poderia parecer absurda, impensável e fruto de invencionice da oposição, apenas para desgastá-la – se origina, precisamente, do esquema refinado de monitoramento dos passos de Dilma e de outros membros da cúpula petista. Os interesses contrariados pelo governo, que geram milhões ou bilhões em prejuízos para investidores, explica o jogo imundo da espionagem – tendo Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, e os familiares de ambos como alvos preferenciais. O Alerta Total já havia antecipado ontem a informação – espalhada por lobistas de Brasília - de que estaria prestes a estourar um grande escândalo sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As denúncias – ligadas a negócios com africanos – atrapalhariam ainda mais a Presidenta Dilma Rousseff – cuja imagem é prejudicada pela proximidade com Lula, na visão, inclusive, de alguns marketeiros que trabalham a peso de ouro para o PT. Se o “informe” procede, ou se é um boato plantado como contrainformação na guerra reeleitoreira, só o tempo vai confirmar. Uma ação psicológica que não vai colar diz respeito à saúde da própria Dilma ou do Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Médicos que cuidam de ambos no Hospital Sírio e Libanês, em São Paulo, garantem que os dois nunca estiveram tão bem. Dilma e Lula fazem acompanhamento em um tratamento pós-câncer. Ela no sistema linfático e ele na laringe (onde a alta tecnologia medicamentosa do “SUS dos ricos” conseguiu o milagre de eliminar e impedir a volta de um tumor com cerca de dois centímetros). Bem de saúde, Dilma e Lula vão mal politicamente. O slogan de campanha – roubado originalmente do falecido Leonel de Moura Brizola -, “a força do povo”, acaba refletindo, exatamente, o contrário: a fraqueza de Dilma e Lula. Ambos convencem os eleitores ignorantes (beneficiados, diretamente, pelo assistencialismo do governo). Também creem neles os torcedores fanáticos da seita petista. A maioria do eleitorado (cerca de 70%) deseja mudança. Tal sentimento, verificado em pesquisas de diferentes institutos, pautará a eleição. A derrota é previsível. O PT só vence se houver fraude eletrônica. A Presidenta é pressionada pelo pessimismo econômico – com aumento do custo de vida, endividamento das famílias, sinais de desemprego e dificuldades de crédito. O cidadão-eleitor-contribuinte associa os problemas à má gestão do governo no combate à inflação e à política de juros altos (agravada pela voracidade dos bancos, inclusive os ditos “públicos”, no assalto a mão armada dos spreads, taxas e pressão psicológica sobre devedores). Do ponto de vista gerencial, sem soluções concretas para tais problemas, Dilma esgotou-se (até se o leitor quiser optar pelo sentido sanitário do verbo). O Presidentro é vítima da própria propaganda enganosa, em um culto à personalidade que lhe impôs uma “metamorfose ambulante”. De herói, guerreiro do povo brasileiro, Lula teve sua imagem desconstruída. Não adianta mais evocar o operário que fala errado, que finge não ter estudado. Tal versão enganosa contrasta com a imagem de alguém que se refinou e adotou hábitos de rico. Há muito tempo, Lula está mais para “polvão” ou “pavão” do que para “povão” (coisa de passado muito distante). Apenas o estilo de sindicalista de resultados de Lula parece imortal. De resto, o escândalo do Mensalão, que milagrosamente não o atingiu diretamente, afetou sua endeusada imagem de “líder”. A pergunta, que martela o subconsciente de qualquer um com bom senso, é: como membros da cúpula de um partido podem ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, sem que o “líder”, presumidamente honesto, tenha, no mínimo, falhado em impedir o esquema de corrupção? A resposta é politicamente óbvia: Joaquim Barbosa fez com que as coisas ficassem pretas para o PT (hoje sinônimo de “Perda Total” para o Brasil). http://www.alertatotal.net/2014/07/pressionada-dilma-pensou-em-alegar.html
    Fotos da linha do tempo.
  • Paulo menezes

    em 18/10/2013 Via Google+
    ASSALTO AO BANCO DO BRASIL EM BAIÃO.
    ASSALTO AO BANCO DO BRASIL EM BAIÃO. A ação durou cerca de 20 min, os bandidos chegaram em uma S-10 pararam na frente da agência. Na carroceria estavam escondidos vários elementos cobertos com um encerrado, que vestiram as máscaras e começa ram a dar tiros ...

    ASSALTO AO BANCO DO BRASIL EM BAIÃO.
    ASSALTO AO BANCO DO BRASIL EM BAIÃO. A ação durou cerca de 20 min, os bandidos chegaram em uma S-10 pararam na frente da agência. Na carroceria estavam escondidos vários elementos cobertos com um encerrado, que vestiram as má...



  • Antonio Soares Sousa Soares Sousa compartilhou uma foto
    E vamos que vamos aprimorar nosso conhecimentos. O meu amigo escritor João Roberto Laque: "*Os Anos de Chumbo narrados a partir da ótica da guerrilha Sete anos de pesquisa, a história recente do Brasil ainda pra ser contada em sua plenitude, e a vida louca de um personagem ímpar , o ex-sargento Pedro Lobo de Oliveira. Estes são os ingredientes que geraram o livro Pedro e os Lobos – Os Anos de Chumbo na trajetória de um guerrilheiro urbano, escrito pelo jornalista João Roberto Laque...No livro estão, a renúncia de Jânio, a posse de Jango, o golpe de 1964 e a resistência armada, com destaque para a origem das organizações clandestinas e um completo relato de seus atentados a bomba, assaltos a banco e sequestros de diplomatas estrangeiros. Nas 640 paginas de Pedro e os Lobos são detalhados ainda os bastidores do poder, a edição do AI-5, a tortura imposta pela repressão política, os movimentos pela anistia, as greves do ABC e a redemocratização do Brasil. De quebra, vem a trajetória de vida de Pedro Lobo de Oliveira, um ex-sargento obstinado que largou tudo para mergulhar de cabeça no caldeirão fumegante da guerrilha". *Extraído de http://www.memoriasindical.com.br/ “*Meu livro é uma biografia, mas serve também como livro de História, da história recente do nosso país que ainda fervilha a cada nova revelação de seus agentes e que tem na presidente eleita um de seus atores.A percepção de que faltava um livro com linguagem acessível sobre a resistência à ditadura militar implantada no Brasil pela força das baionetas em março de 1964 me levou a esse texto”. * João Roberto Laque Informações aqui: http://osanosdechumbo.blogspot.com.br/ https://www.facebook.com/joaoroberto.laque Ref. 697187660367756 Nº 07.0183.1304-2207/14
    Fotos da linha do tempo.



  • Tadeu Martins Soares.
    Amigos, Segue uma longa entrevista com o Prof. Francisco Rubió, professor da UFMG, autoridade no conhecimento de economia, saúde e política em Minas Gerais. A entrevista ao Jornal Hora do Povo, é longa mas vale a pena ler. Dar um bom mergulho nas águas do conhecimento da realidade mineira. “Minas precisa de um choque de produção” O candidato a deputado federal pelo PPL de Minas Gerais, Francisco Rubió, é o nosso entrevistado de hoje na série sobre a atual campanha eleitoral. Francisco Rubió e fundador do Partido Pátria Livre, do qual é membro da executiva nacional e É médico e professor da Faculdade de Medicina da UFMG. Na área da saúde já atuou em diversos setores, como o Programa de Modernização de Laboratórios Oficiais do Ministério da Saúde, professor do Internato em Saúde Coletiva da FMUFMG, e na coordenação do Projeto de Extensão de Cooperação Internacional da UFMG com Angola na área da saúde. "Lutar para destravar a economia do Estado" para investimentos em saúde, educação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico, infra-estrutura, saneamento, moradia, meio ambiente e segurança, será uma de suas prioridades como deputado federal. "A implantação do Plano de Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, para valorizar e qualificar o trabalho dos mesmos, garantindo estabilidade das equipes e o desenvolvimento do vínculo do profissional com o usuário do Sistema" é um dos seus projetos para a área da saúde. HORA DO POVO - Como o PPL de Minas Gerais se organizou para essas eleições. Quais são as expectativas eleitorais do partido no Estado? Francisco Rubió - O PPL de Minas lançou 23 candidatos a estadual e 9 a federal. Aprovamos coligação com o PSB e PRTB, chamada MINAS QUER MUDANÇA. A meta é elegermos, pelo menos, um federal e um estadual. Estamos com comissões provisórias se organizando em 170 municípios e com trabalho eleitoral planejado em mais de 250. Nosso programa, sintetizado na expressão MINAS PRECISA DE UM CHOQUE DE PRODUÇÃO, representa um atrativo para inúmeras forças sociais e econômicas que buscam um caminho para que Minas supere a pasmaceira que reina em sua economia - estamos retrocedendo a uma condição de economia primarizada - ou seja, sofremos uma queda da participação da indústria no PIB e um aumento da participação dos produtos primários, tanto no PIB como nas exportações. Para se ter uma idéia, em 2013, 54% das exportações de Minas Gerais resumiram-se ao minério bruto e café em grão - produtos primários (chamadas commoditeies), sem valor agregado. HP - Quem o PPL mineiro apoia para governador e presidente da República e por que? F. R. - Nossa Convenção aprovou o apoio ao Eduardo Campos e Marina Silva e ao veterano de luta das Gerais, Tarcísio Delgado, para Governador. Eduardo Campos e Marina representam a vontade dos brasileiros de avançar nas conquistas iniciadas no governo Lula e paralisadas no governo Dilma. Como diz o nosso Presidente nacional do PPL, Sérgio Rubens, "O povo sentiu, na própria carne, a diferença entre os anos de Lula e os de Dilma, e sabe o que isso significa: menos emprego, menos salário, menos ensino público, menos mobilidade urbana, menos saúde pública, menos reforma agrária, menos proteção ambiental, menos investimentos, mais juros, mais remessas de lucros para o exterior e menos vergonha de prometer, o que se sabe de antemão que não vai ser cumprido." Tarcísio Delgado foi uma feliz escolha do PSB, pois expressa este mesmo sentimento, essa vontade do povo. Em coletiva à imprensa, em 17 de julho passado, Tarcísio declarou-se frontalmente contrário ao neoliberalismo como modelo econômico, acrescentando que Minas enfrentou um verdadeiro Choque Elétrico nos últimos anos (referindo-se ao Choque de Gestão praticado pelos governos tucanos), o que levou a uma paralisia em vários setores da nossa economia. HP - Quais serão as suas prioridades como deputado federal? F. R. - Sem dúvida, é a luta para destravar a nossa economia. Como médico, quero ajudar a fechar as veias abertas da nossa economia. A taxa de juros precisa baixar. O valor do dinheiro está sendo mantido acima da produção e do trabalho, quando deveria ser o inverso - o dinheiro a serviço da produção e do trabalho. Uma taxa de juros mantida nas alturas (recorde mundial) é uma veia aberta escoando nosso sangue para o setor parasitário da economia mundial - os vampiros do capital financeiro internacional. Ano passado, foram 250 bilhões de reais que saíram diretamente do Tesouro Nacional para o bolso dos banqueiros. Sobram migalhas para girar na economia, na saúde, na educação, na pesquisa e desenvolvimento tecnológico, infra-estrutura, no saneamento, na moradia, meio ambiente, segurança. Outro ponto importante, na área da saúde e educação, é garantir creches para as crianças de zero a 4 anos, garantindo às crianças o cuidado de profissionais preparados, enquanto os pais estão trabalhando. Na mesma linha, apoio da União e dos Estados aos municípios para a implantação de um programa anual de atividades esportivas, artísticas, culturais e científicas com a juventude, integrando escolas municipais, estaduais e federais. É o resgate do modelo de educação integral somada às disciplinas obrigatórias nos diversos níveis de ensino. Outra prioridade na área da saúde é a implantação do Plano de Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, para valorizar e qualificar o trabalho dos mesmos, garantindo estabilidade das equipes e o desenvolvimento do vínculo do profissional com o usuário do Sistema. Vou levar à frente articulações para a implantação do Programa Mineiro de Bioprospecção, dentro de uma visão de inovação tecnológica no aproveitamento sustentável da nossa riquíssima biodiversidade. Esta, sem dúvida, irá transformar-se numa nova base para a indústria farmacêutica nacional, já que os princípios ativos não serão importados, mas encontrados na natureza e obtidos por métodos que garantam a conservação das nossas reservas naturais. Este projeto tem impactos em todas as regiões do país, já que temos ricos biomas pelo país afora. Do ponto de vista da economia de Minas, é necessário descentralizar o desenvolvimento tecnológico, com o objetivo de agregar valor aos produtos da terra, principalmente nas regiões que produzem e exportam leite in natura, café, feijão, milho e soja em grão (sem beneficiamento), além do minério bruto, responsável pela devastação dos territórios dos municípios, deixando royalties insignificantes de não mais que 3%. A sofreguidão exportadora já gerou uma inversão no nosso modelo industrial. Estamos exportando cada vez mais minério e passamos a importar aço. HP - Como a atual política macro econômica de juros altos e câmbio favorável às importações tem afetado a indústria mineira? F. R. - De forma devastadora. Juros altos atraem o capital estrangeiro de motel (moeda podre, especulativa, injetada nas grandes corporações e bancos pelo Banco Central americano, com as super-emissões mensais). Este capital inundou nossa economia. São 700 bilhões de dólares podres, em nosso país, que provocaram uma desvalorização artificial do dólar e, consequentemente, uma valorização artificial do Real. Com o Real valorizado artificialmente, aumentou o poder aquisitivo da nossa moeda para importar. Assim, as importações de produtos industrializados cresceram assustadoramente, afetando a economia de Minas Gerais. Para se ter uma idéia, a FIAT, uma das maiores importadoras do país (a 8ª no ranking do MDIC), importou, em 2013, US$ 1,2 bilhão em veículos. Exportou não mais que US$ 600 milhões. Ou seja, só a FIAT gerou um déficit comercial para MG de US$ 600 milhões. E a FIAT tem fábrica em Betim. Ao importar veículos e mesmo auto-peças, indiretamente importou aço, tirando mercado das nossas siderúrgicas como a USIMINAS. Em Ipatinga, a USIMINAS demitiu, em 2013, 2.575 trabalhadores, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da cidade. Os empregos com carteira assinada perdidos na indústria de transformação de Ipatinga somam 7.879 nos últimos três anos. A VALE, especializada em fabricar crateras, segundo informações do MDIC, importou US$ 509 milhões em 2013. E tem sido frequentes as queixas da Federação das Indústrias de Minas Gerais, dando conta de que a VALE faz poucas encomendas ao mercado industrial de Minas Gerais. O mesmo tipo de crítica é feita pela FIEMG às principais estatais controladas pelo governo de Minas - CEMIG, COPASA, CODEMIG, que fazem encomendas insignificantes ao parque produtivo do estado, preferindo comprar de outros estados ou mesmo de fora do país. Com as importações de aço, máquinas, equipamentos crescendo, e as exportações de industrializados caindo, e ao mesmo tempo aumentando as exportações de produtos primários - café, soja, feijão, milho (em grão), e minério bruto, assistimos com a passividade dos governos tucanos e do atual governo federal, a uma desindustrialização e concomitante primarização da nossa economia HP - Como professor universitário como o senhor vê a situação atual do ensino superior e da pesquisa no Brasil? F. R. - Um professor com 40 horas semanais, depois de 37 anos dando aulas na Faculdade de Medicina da UFMG, aposenta-se com um salário bruto de R$ 3.200,00. Em 2012, depois de uma greve que durou 4 meses, os reajustes prometidos pelo Governo Federal foram abaixo da inflação do período considerado. Os salários dos professores e dos funcionários das Universidades são ridículos. Que valorização se dá ao ensino, se não se dá valor ao professor e ao administrativo da Universidade? Os professores da UFMG, por exemplo, muitos deles são obrigados a se dedicar a atividades privadas, dispersando sua atenção e foco do ensino, pesquisa e prestação de serviços de assistência. O Hospital das Clínicas da UFMG tem sido sustentado por professores, profissionais e funcionários administrativos extremamente dedicados à função de ensino e assistencial, enquanto não se asseguram fluxos estáveis de financiamento por parte dos dois ministérios responsáveis pelas suas funções: Educação e Saúde. O HC vem de períodos críticos, ainda não superados, com altos endividamentos com fornecedores, deficiências importantes de materiais, equipamentos, e contratação precária de funcionários e professores em regime terceirizado. O SUS insiste em tratar um Hospital de Ensino como se fosse igual a qualquer outro hospital prestador de serviços. Não pode ser assim. O Hospital de Ensino ainda precisa ser incorporado como uma instituição especial dentro do SUS. Estes fatos, que se reproduzem por todos os estados, refletem o tratamento dado ao ensino e à C&T no Orçamento da União. Em 2013, estão previstas despesas com a educação da ordem de R$ 90 bilhões. Para a C&T, R$ 7,0 bilhões. Gastos com pagamento de juros da dívida, R$ 250 bilhões. Com o Banco Central garantindo aos rentistas, donos dos títulos da dívida pública brasileira, as mais altas taxas de juros do mundo, todo mês o tesouro desembolsa para eles R$ 21 bilhões. Em um ano, R$ 250 bilhões. Ou seja, 2,7 vezes o que é aplicado na educação em um ano, e 35 vezes o que é aplicado em C&T. As prioridades estão invertidas, e precisamos recolocar o país nos trilhos da educação, da C&T, da saúde. Por falar nisto, nosso deficit comercial no setor saúde é da ordem de USD 12 bilhões anuais. Significa que estamos investindo muito pouco, quase nada, na substituição de importações de matérias primas de medicamentos, equipamentos e outros insumos para a saúde. Temos um mercado consumidor muito grande. Em Belo Horizonte, por exemplo, temos uma fábrica de alta tecnologia - a LABCOR, especializada na fabricação de próteses biológicas cardio-vasculares. O Estado, por intermédio do imenso mercado do SUS, precisa priorizar suas compras de uma empresa como esta, de capital genuinamente nacional. Esta deve ser uma política a ser posta em prática em todo o SUS, fortalecendo a formação de um Complexo Industrial da Saúde em todo o país, fomentando o nosso desenvolvimento tecnológico. HP - Recentemente um viaduto desabou em Belo Horizonte matando duas pessoas. O prefeito chegou a dizer que isso era um fato normal. Como o senhor avalia isso? A tradicional engenharia mineira está em crise? F. R. - Não tem nada de normal numa tragédia como esta. O normal é o prefeito e seus fiscais respeitarem e fazerem respeitar as normas técnicas de uma obra como aquela. O que deve determinar o ritmo da obra são as normas técnicas e o respectivo projeto de engenharia. Tudo acompanhado de rigorosa fiscalização por parte da Prefeitura e seus fiscais. Tudo indica que não houve. Disto depende a segurança da obra e da população. Ditar o ritmo da obra em função de inaugurá-la às pressas é um erro criminoso. Observações iniciais do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de MG, colocam como hipótese principal para o desabamento, a retirada precoce das escoras da estrutura de concreto, que ainda não havia atingido a resistência adequada para suportar o peso da estrutura. Há suspeitas de falhas na sustentação do pilar central. Mais motivo para a não retirada das escoras. Que fiscalização é esta por parte da Prefeitura? Que ritmo é este que é aceito por uma construtora como a COWAN? A COWAN ficou conhecida como sócia da Delta, nestas obras de infra-estrutura para a COPA, como a que construiu as pistas para o BRT de BH. Segundo consta no portal de Luis Nassif on line (04/07/14), o MPE encontrou no TCE de Minas, documentos que sugerem superfaturamento de 350% nas obras do viaduto que desabou. No mesmo dia da tragédia do viaduto, a COWAN foi anunciada, em São Paulo, como uma das empresas do consórcio vencedor da licitação do monotrilho ABC (segundo a mesma fonte). HP - A atual política industrial do governo privilegia as empresas estrangeiras com créditos facilitados e gordos subsídios. Você vê alguma eficácia nessa política. Qual a diferença entre essa política, chefiada por Fernando Pimentel, do PT, e a política entreguista e submissa às multinacionais dos tucanos? F. R. - No comando do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio Exterior, Pimentel colocou em prática uma política de Desenvolvimento da Indústria Estrangeira, tudo menos da indústria nacional. Nas concessões de aeroportos e em construção de rodovias, foi colocada a exigência de participação de empresa de capital estrangeiro. Não fosse assim o Governo não aceitaria. Os gordos financiamentos do BNDES para as telefônicas estrangeiras só fortaleceu a desnacionalização radical do setor. Nos périplos de Pimentel nos EUA, palestrou para empresários americanos, prometendo-lhe fatias gordas da nossa infraestrutura de aeroportos, portos, estradas, em troca de flexibilizar a legislação trabalhista, ou seja, vendendo os direitos trabalhistas para tornar mais atraente o assalto ao nosso mercado pelas megacorporações. O câmbio artificialmente mantido na condição de um real valorizado em relação ao dólar, só tem gerado subsídios gordos à importação, prejudicando a produção interna e fomentando a indústria dos países centrais. Os acordos de livre comércio com a Comunidade Européia, vendidos pelo MDIC como uma miragem de crescimento econômico para os incautos no Brasil, não passam de uma ALCA disfarçada de européia. Assim, Pimentel vem entregando o mercado brasileiro à fome voraz das corporações estrangeiras. Ele ou um tucano no Governo de Minas em nada vai alterar, substancialmente, o processo em curso de desnacionalização e desindustrialização, e a primarização da nossa economia. O empresariado nacional, segundo ele, é atrasado. Avançada deve ser aquela máfia de corporações americanas e européias que provocou a maior crise econômica nos países centrais, desde a crise de 29, inundando suas economias com trilhões de derivativos podres, sem lastro. HP - A saúde pública está em crise. Quais são suas propostas para o setor? F. R. - O principal fator da crise é a falta de financiamento. O Brasil aplica, entre União, Estados e Municípios R$ 220,0 bilhões anuais. Isto dá R$ 1.100,00 por habitante/ano, ou USD 500,00 por habitante. Comparando com outros países, a OMS informa que a Inglaterra gasta USD 3,000.00 por habitante (em saúde pública); outros países com sistema universal como o nosso e da Inglaterra, também gastam mais que o Brasil: França (US$ 3.813), Alemanha (US$ 3.819), Canadá (US$ 3.982), Espanha (US$ 2.175), Austrália (US$ 4.052) e até a Argentina (US$ 576). Onde estão os recursos que deveriam ser aplicados na saúde? Desviados para pagamento de juros. E quem controla os juros? O Banco Central e os banqueiros e negocistas do setor financeiro. Assim, a proposta para viabilizar o SUS, em primeiro lugar é elevar o percentual do orçamento da União dedicado aos investimentos em saúde pública. Com base nos parâmetros usados pela OMS, para atingirmos o patamar de USD 1,000.00 por habitante (metade do que se investe na Espanha), o que equivale a R$ 2.000,00 por habitante, para uma população de 200 milhões, o Brasil teria que investir USD 200,0 bilhões de dólares, ou R$ 400,0 bilhões de reais. Divididos, 25% para o conjunto dos municípios, 25% para os Estados e DF, a União teria que aplicar R$ 200,0 bilhões de reais por ano. Ano passado a União arrecadou R$ 1,13 trilhão de reais em impostos. Governo Federal deveria ter aplicado 18% dos impostos arrecadados, para chegarmos à metade do caminho já percorrido pela Espanha, um país em plena crise, sob os auspícios das corporações alemãs. Não aplicou isto na saúde, mas aplicou mais que isto no enriquecimento dos bancos e outros especuladores com títulos da dívida. Mas, vamos propor que alcancemos as proporções de investimento em saúde dos demais países com saúde universal, de forma gradual. Podemos começar com a aplicação de, no mínimo, 10% dos impostos arrecadados. Já seriam R$ 113 bilhões, ao invés de R$ 96 bilhões aplicados em 2013. Há outros fatores gerando crise na saúde pública. A péssima remuneração dos seus recursos humanos, a falta de uma Carreira de Estado para os profissionais de saúde do SUS, a centralização excessiva dos serviços de média e alta complexidade nas cidades sede de macrorregiões, gerando altíssimos custos financeiros de deslocamentos, penalização dos pacientes e gestões municipais com transportes a longas distâncias dos mesmos, filas à espera de cirurgia e procedimentos de média e alta complexidade, perda precoce de vínculo da instituição formadora dos recursos humanos em relação ao profissional por ela formado (o que pode ser resolvido com a EAD), falta de uma política de interiorização dos profissionais de saúde (sem incentivos especiais à fixação em regiões remotas), falta política de nacionalização da produção e inovação tecnológica de vários insumos para a saúde, que vem gerando crescentes deficits comerciais e encarecendo os serviços. HP - Tarcísio Delgado, em entrevista publicada recentemente no HP, denunciou a situação das reservas minerais do Estado, seu envio maciço para o exterior sem ganhos para a região. Como o senhor avalia essa situação? F. R. - O Tarcísio Delgado, com a sensibilidade de experiente gestor público, por três mandatos à frente da Prefeitura de Juiz de Fora, tem toda a razão. As mineradoras, capitaneadas pela VALE, CBMM (Detém 75% das reservas de nióbio do Brasil), Ferrous, Anglo América (esta, construindo um devastador mineroduto de 525 km, entre Conceição do Mato Dentro e o porto de Açu, no Rio de Janeiro), pagando míseros royalties aos municípios e estados mineradores (no máximo 3% do faturamento líquido), não pagam impostos e estão transformando as montanhas de Minas em verdadeiras crateras de destruição. Até mesmo santuários da nossa biodiversidade, como a Serra do Espinhaço, no Norte de Minas, em Conceição do Mato Dentro e São Gonçalo do Rio Abaixo, estão sendo tragados pela ação destruidora e devoradora das mineradoras. Tarcísio lembrou muito bem da campanha da época de Arthur Bernardes, o Minério não Dá Duas Safras. Vamos nos somar a ele, exigindo a aplicação, na mineração, das mesmas regras para a exploração do petróleo, ou seja, o pagamento de ICMS e outros impostos, além dos royalties, porém, com percentuais mais elevados, como na exploração do petróleo. Segundo Tarcísio Delgado, falta ao Brasil a MINEROBRAS - a PETROBRAS dos minérios. É preciso por fim e punir exemplarmente a selvagem destruição de fazendas, plantações, matas, nascentes, cursos de água, ecossistemas, invasão de propriedades públicas e privadas, por parte a Anglo América, nos 525 km de mineroduto, entre o município de Conceição do Mato Dentro (MG), e porto de Açu, em São João da Barra, RJ. O mineroduto vai consumir cerca de 6.200 m³ de água por hora, para levar o minério até o porto de Açu. Haja consumo de água. Segundo a OMS, cada pessoa consome 3,3m³ de água por mês, ou 110 litros de água por dia (entre higiene e alimento). A mineradora vai gastar, em uma hora, 2.000 vezes o que cada cidadão gasta em um mês. Vai minério, às montanhas! Vem aço nos veículos, máquinas, equipamentos e auto-peças, fabricados lá fora com o nosso minério. Crime inafiançável, deveria ser. HP - E quanto à dívida pública de Minas Gerais com a União? F. R. - Negociação draconiana imposta a Minas no Governo de Azeredo, pelo Governo FHC, fez com que uma dívida que era de R$ 14,8 bilhões, em 1997, chegasse a R$ 70 bilhões em 2013, sendo que o Governo de Minas já amortizou R$ 30 bilhões, neste intervalo. Em consequência, no primeiro trimestre de 2014, a dívida já chegou perto do valor total do orçamento de Minas para este ano, que é de R$ 75 bilhões. O Estado deverá pagar à União, neste ano, R$ 2,7 bilhões de juros e encargos, mais R$ 2,25 bilhões de amortizações do principal. Os investimentos previstos no orçamento são de R$ 5,0 bilhões para 2014. Nos doze últimos anos de governos tucanos em Minas, não houve qualquer enfrentamento radical ou mesmo alguma pressão mais forte, a respeito da dívida com a União. Afinal, o patrono e inspirador deste tributo ao capital financeiro - FHC, é o mesmo que desistiu de apoiar o Serra e escalou Aécio Neves em seu lugar, para tentar por em prática, com mais rapidez, a privatização do que resta do Estado e a subserviência ao setor financeiro. Mais rapidez, já que, no entender do tucano Aécio, Dilma Roussef demorou demais a privatizar aeroportos e o Pré-Sal, e andou vacilando, no início do seu governo, mas acabou mantendo as taxas básicas de juros como as mais altas do planeta. Entrevista:Sérgio Cruz
  • Clesio Jota

    em 23/07/2014



    Clesio Jota compartilhou a foto de Plantão Policial.
    Toda vez que entramos nos bancos a primeira coisa que nos mata de raiva é a tal da porta giratória que trava e temos que praticamente esvaziar as bolsas e bolsos para tirar os objetos metálicos! E quase nunca percebemos que ali esta o segurança do banco, só percebemos quando a porta trava... Mas ele esta sempre ali e todos nós sabemos que ladrões quando partem para roubar um banco é TUDO ou NADA! E nesse tudo ou anda na linha de frente esta o segurança armado do banco que sem muita escolha, muitas vezes com um 38 miserável na cintura, com um salário que não vale o risco é o primeiro a ser peneirado por fuzis e armas de grosso calibre! A família que todo os dias espera a volta do chefe de família, o abraço do pai exausto pelas caras feias dos clientes ou pelo bom dia não correspondido recebe a noticia: "Sinto muito, mas seu marido (pai, irmão...) acaba de morrer no assalto que teve lá no banco!" Choro, desespero, falta de auxilio, papelada burocrática emperrada na má vontade para ajudar a família daquele que deu sua vida pelo valor do banco que é totalmente segurado! A vida desse heróis é assim, perigo eminente, possibilidade de não voltar pra casa... Ao entrar no banco olhe para o segurança e dê ao menos um bom dia, pois ele em caso de assalto violento, se for preciso morrerá em seu lugar! Essa foto aconteceu na cidade satélite do Gama (DF) no inicio do ano quando bandidos foram assaltar um carro forte depararam com seguranças armados e na troca de tiro dois pais de família foram mortos. Um dos bandidos foi preso dias depois e disse em uma reportagem não estar nem um pouco arrependido! Não precisa vim com a mesma hipocrisia de sempre moralista por causa da foto, veja como uma foto de alerta e respeito aos profissionais da segurança privada que matam um LEÃO POR DIA pela suas sobrevivências e muitas vezes acabam assim... Por isso eu digo e repito, BANDIDO BOM É AQUELE QUE JAZ NÃO EXISTE MAIS!!!! Se concorda compartilhe e curta comigo! Alison Maia - Plantão Policial de Caldas Novas — com Fabricio Vig Augusto Rolim e outras 5 pessoas.
    Fotos da linha do tempo.
  • César Costa

    em 23/07/2014
    Livros à venda Todos em excelente estado de conservação, muito novos. R$ 15,00 cada um. Dúvidas inbox. Lista: 007 Contra o Satânico Dr. No 3096 Dias A Hospedeira A Volta ao Mundo em 80 Dias A Zona Azul Aléxandros - Volume 1 - O Sonho de Olympias, Volume 2 - As Areias de Amon, Volume 3 - Os Confins do Mundo (Apenas vendo os 3 juntos, por se tratar de coleção) Arquivo X - Volume 1 ao 10 (Apenas vendo os 10 juntos, por se tratar de coleção) As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo Rei, O Prisioneiro da Árvore (Apenas vendo os 4 juntos, por se tratar de coleção) As Memórias do Livro As virgens Suicidas Assalto ao Banco Central Bilionários Por Acaso César Criança 44 Deixa Que Eu Chuto Dr. Negro e Outras Histórias Drácula, O Morto Vivo Einstein Viveu Aqui Entrevista com o Vampiro George e os segredos do Universo Hannibal - A Origem do Mal Hannibal O Silêncio dos Inocentes O Buraco da Agulha O Homem de São Petersburgo Os Pilares da Terra Volume 1 Os Pilares da Terra Volume 2 Mundo Sem Fim A Chave de Rebeca Uma Fortuna Perigosa O Voo da Águia Maratona Marley e Eu Meu Nome Não é Johnny Crônicas do Mundo Emerso - Vol 1 - A Garota da Terra do Vento Crônicas do Mundo Emerso - Vol 2 - A Missão de Senar Crônicas do Mundo Emerso - Vol 3 - O Talismã do Poder As Guerras do Mundo Emerso - Vol 1 - A Seita dos Assassinos As Guerras do Mundo Emerso - Vol 2 - As Duas Guerreiras O Cão de Terracota O Colecionador de Ossos O Desfiladeiro do Medo O incêndio de Tróia O Livreiro de Cabul O Médico e o Monstro O Mundo do Senhor dos Anéis O Vendedor de Armas Onde Está Osama Bin Ladden? Operação Valquíria Os Justiceiros Parque Gorki Por que os Homens Têm Tetas? Prazer de Matar Resistência Seu Creysson - Vídia e Óbria Stonehenge Submarino Morto Até o Anoitecer Vampiros em Dallas Um Conto de Natal Um Tiro Pelé, A Autobiografia Admeto - O Globo do Poder Rei Artur Cinco Luas Operação Trinidad Spell - O Diário Crime na Baía de Kungkungan A Besta dos Mil Anos A Sombra de Um Crime O Sequestro de Vitória O Círculo de Pedra Confie em Mim O Rei do Mundo As Aventuras de Tom Sawyer As Aventuras de Huckleberry Finn O Morro dos Ventos Uivantes



  • Gustavo Kelly compartilhou um link.
    www.cartacapital.com.br
    A militante Dilma e os arquivos.
    O que há de público sobre a atuação da ex-ministra na resistência à ditadura
  • Grand Theft Auto 5 Online #10 - Assalto ao Banco com inscritos! The Bank Heist! | GTA V PS3 Gameplay

    Onde nos encontramos: Facebook ▻ http://www.facebook.com/HSOGameplays Twitter ▻ http://twitter.com/HSOGameplays Instagram ▻ http://www.instagram.com/hagazo B...

  • Marcio Alves

    em 14/07/2014 Via Google+
    Assalto a banco

    Dois portugueses foram assaltar um banco. Renderam todo mundo e foram direto para a sala dos cofres. O Manuel arrombou o primeiro e disse:
    - Joaquim vem cá, esse cofre não tem dinheiro não! Tá cheio de iogurte!
    - Manuel, só tem iogurte mesmo… Bom, esse iogurte deve ser muito bom para ficar em cofre de banco. Vamos comer tudo! Depois de comerem tudo, o Manuel partiu para arrombar o segundo cofre.
    - Jesus!!! Iogurte de novo!!! E agora, Joaquim?!
    - Não tem jeito, vamos comer tudo desse também. Eles comeram, até dizer chega. O Manuel, que não aguentava mais iogurte, foi para o terceiro cofre.
    - PUTA QUE PARIU!!! Iogurte de novo!!!
    - Joaquim, vai ver que porcaria de banco é este, que aqui só tem iogurte! O Joaquim foi verificar e voltou logo depois:

    - PÔRRA, MANUEL! ESTE É O BANCO DE SÊMEM!!!
  • PM DE INHAPIM PRENDE SUSPEITOS DE ENVOLVIMENTOI EM ASSALTO A BANCO xvid


AVISO: O conteúdo de cada postagem é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)