Início » Pesquisa por crime em 2006

Resultados para "crime em 2006"

Últimas Buscas



   Fonte: Folha de S.Paulo
   Fonte: Estadão

Quatro mulheres, incluindo uma adolescente, denunciaram o pastor Joaquim Gonçalves da Silva. Casos teriam ocorrido entre 2002 e 2021 ...
Fonte: metropoles
Foto: Pastor da Tabernáculo da Fé é investigado em GO por crimes sexuais

O empresário Antônio Rodrigues de Carvalho, proprietário da Santorini Empreendimentos Imobiliários, terá um imóvel leiloado por decisão da juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá.
Fonte: O Documento
Foto: Imóvel em Várzea Grande de empresário envolvido em esquema de R$ 31 milhões será leiloado

   Fonte: Nova Concursos


   Fonte: Canal Ciências Criminais
Vítimas relatam que abusos ocorreram em momentos de fragilidade, quando elas pediram conselhos ao religioso. Defesa de Joaquim Gonçalves Silva nega as acusações. Casos foram registrados na Polícia Civ ...
Fonte: Portal Rondon
Foto: Mulheres denunciam pastor por crimes sexuais em igreja de Goiânia
Segundo a polícia, irmãs mais velhas descobriram que menina era abusada há dois anos e denunciaram o caso. Pedreiro nega ter cometido o crime.
Fonte: globo
Foto: Pai é preso suspeito de dar bebida alcoólica e estuprar a filha de 12 anos, em Goiânia
   Fonte: ISTOÉ
   Fonte: Ponte Jornalismo
Durante a investigação, Polícia Civil de Siderópolis constatou uma rotina de maus tratos e falta de cuidados com a bebê e outro filho do casal de três anos ...
Fonte: ND
Foto: Pai acusado de matar bebê sufocada é indiciado por sete crimes no Sul de SC
   Fonte: Ponte Jornalismo
   Fonte: Estratégia Concursos
PARIS - Relembre o destino dos principais protagonistas dos conflitos na antiga Iugoslávia na década de 90, após o veredicto que confirmou a prisão perpétua do ex-chefe militar sérvio da Bósnia, Ratko ...
Fonte: Estadão
Foto: Como estão os julgamentos de crimes de guerra envolvendo os conflitos na antiga Iugoslávia
O ex-deputado Agostinho Branquinho negou envolvimento ou tráfico de influências no licenciamento e construção do Hospital de São Martinho.
Fonte: ZAP
Foto: Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

Livro publicado em 2016 traz perfis de mães e parentes que perderam seus familiares para a violência de Estado.
Fonte: ponte
Foto: Nos 15 anos dos Crimes de Maio de 2006, Ponte disponibiliza o livro ‘Mães em Luta’ na íntegra
   Fonte: Correio Braziliense
Um homem procurado pela Interpol desde janeiro de 2020 e considerado foragido da Justiça brasileira desde 2008 foi preso na última sexta-feira, 4, quando desembarcou no aeroporto de Belo Horizonte, em ...
Fonte: Diario do Rio Doce
Foto: Deportado pelos EUA por ter cometido homicídio no Brasil será julgado em julho

O pastor Joaquim Gonçalves Silva, de 85 anos, está sendo acusado de abuso e importunação sexual por pelo menos quatro mulheres. Os casos teriam ocorrido ...
Fonte: catracalivre.com.br on MSN.com
Foto: Pastor de 85 anos é investigado por crimes sexuais em Goiânia

As denúncias relacionadas à violência contra idosos registraram aumento de 70% durante a pandemia, segundo dados preliminares da Delegacia Especializada no Atendimento ao Idoso (Deai) de Goiânia. Por ...
Fonte: O Hoje
Foto: Denúncias de violência contra idosos aumentam 70% em Goiânia

a.DOC: "Prisão para ativistas de direitos animais" (legendas em português)

tradução: Jornal Defesa dos Animais (jornalanimais.blogspot.com) Em 22 de junho, 12 ativistas que fazem parte do movimento pelos direitos dos animais foram detidos em diferentes partes do Estado acusados de serem responsáveis pela liberação de minks numa fazenda em 2007, de indústria de peles na Galiza. Unidades de contraterrorismo da Guarda Civil, armados com rifles e acompanhados por cães treinados na detecção de explosivos, invadiu às 7h. na parte da manhã a casa dos ativistas, confiscando computadores e materiais de trabalho, tais como camisas e crachás, e transferidos, algemados e em veículos blindados para os tribunais e quartéis esperando para depor. Os ativistas detidos fazem parte de parcerias legalmente constituída e sem fins lucrativos, Igualdade Animal e Equanimal que geralmente apresenta na mídia suas pesquisas em animais para consumo humano. Houve também a cobertura da mídia resgates de animais em fazendas abertamente, principalmente de animais que morreram em fazendas de pele e para consumo humano, devido às condições de exploração em que nascem e crescem estes animais, pois eles são considerados "produtos" são muitas vezes deixados à sua sorte quando ficam doentes, pois a cura pode ser mais caro do que "substituir". Os animais resgatados pelos ativistas dessas organizações não são reintroduzidos na natureza. Os animais ficam alojados em casas particulares que podem fornecer aos animais uma vida livre de exploração, o que permite desenvolver todas as suas atividades naturais em um ambiente controlado e seguro. A detenção destes indivíduos tem sido visto pelo movimento pelos direitos dos animais como uma resposta à coerção e punição das empresas que operam a pesquisa animal e divulgação de imagens de abuso e tortura sofridos por animais na indústria da carne, couro, ovos e leite de nascimento até a morte. A tentativa de criminalizar o movimento, chamando de "eco-terroristas" para os ativistas, deu origem a um paralelo claro com a tentativa de criminalizar o movimento emergente para os direitos dos animais estão sofrendo nos EUA com a proclamação da leis como a AETA, Animal Empresa Terrorism Act, que tenta evitar a interferência de ativistas sobre as operações econômicas de qualquer animal de funcionamento da empresa sob o título de "empresa terrorismo" e de um crime envolvendo a filmagem da vida diária nas granjas para evitar que o público seja conhecedor da realidade e possam variar os seus hábitos alimentares deixando produtos da exploração animal. Há claros paralelos com a criminalização de militantes na Áustria por sua luta contra a indústria de peles, onde 10 activistas, todos eles pertencentes a grandes associações sem fins lucrativos, legalmente constituídas, foram acusados ​​de danos materiais contra a indústria de peles e foram investidos milhões em pesquisa, um policial do escritório Federal Criminal no jornal "Österreich" declarou "Quando investigamos traficantes acusados ​​de pornografia infantil ou russo suspeitos, cada hora extra é um problema. Mas neste caso o dinheiro nunca foi um problema" e onde um membro dos Verdes, Peter Pliz expôs com documentos a reunião secreta entre os proprietários da indústria de peles e as lideranças da polícia. A resposta do movimento foi, no entanto, a união de todas as pessoas para defender a presunção de inocência dos ativistas, porque em nenhum caso forneceram evidências que pudessem demonstrar o seu envolvimento na liberação maciça de animais domésticos e apenas a evidência que eles vieram para filmar e documentar as condições de exploração de animais em fazendas de peles para a divulgação por todos os meios possíveis para tornar as pessoas conscientes de seus hábitos ao favorecer a continuidade destas fazendas. Para os ativistas, as mudanças individuais através de informação e sensibilização da ética deve forçar uma mudança na sociedade que fazem você ver que a discriminação baseada na pertença a uma raça, uma espécie ou de um sexo também é injusto, e que todos os indivíduos possuem um sistema nervoso que lhes permite gozar ou sofrer, com interesses em ser livre e não ser maltratado ou morto para os interesses de terceiros, têm direitos básicos que não podem ser negligenciados por qualquer razão. A mídia chamou os ativistas detidos erroneamente como "ambientalistas". Ativistas que defendem os direitos dos animais não são ambientalistas e defensores dos direitos dos animais não aceitam a morte de indivíduos da espécie que é por qualquer motivo ou interesse humano, ao contrário de alguns ambientalistas, que defendem que a morte de indivíduos não-nativos, como o vison americano quando eles invadem o ambiente natural de outras espécies nativas, ignorando que ele é o negócio da indústria de mineração que permite que estas invasões ecológicas uma vez que, de acordo com suas próprias fazendas, dois por mil visões escapam a cada ano a partir destas fazendas, que representa a fuga de mais de cem mil nos últimos 10 anos em florestas espanholas. O próprio Ministério do Meio Ambiente, disse em um artigo de 2006," O visão americano é uma espécie carnívora nativa da América do Norte, que foi recentemente introduzido na Península Ibérica. A fazenda de peles, onde se iniciou esta criação têm sido responsáveis ​​por essa introdução "... E até agora, ninguém tem acusado de "eco-terrorismo" os proprietários destas fazendas e os fez ir para a prisão, apesar de que há auto-provas incriminatórias que aceitam que eles são responsáveis ​​por esses vazamentos devido ao estado de suas instalações. Num projetado Catálogo de Espécies Invasoras, que é adotado como um decreto real no outono, o jornal acusa o visão americano de ser "uma séria ameaça à espécies nativas, habitats e ecossistemas." Esta entrada no catálogo e a proibição "posse de genéricos, o transporte de tráfego e comércio de animais vivos ou mortos. "Lei Seca tem algumas exceções, quando se considera os recursos para a agricultura, pesca e alimentos, mas nenhuma delas deixaria, no entanto a criação de visões, em fazendas espanholas, por isso, é dada uma exceção específica e expressa para Neovison Vison, em que se autoriza a criação e exploração", quando devidamente justificado e suficientes as medidas de precaução" que não podem ser introduzidos na natureza, que é uma contradição, já que os números nas mãos do próprio Ministério tem se mostrado completamente impossível de cumprir, seja por vazamento de animais registrados pelos proprietários de quintas ou solturas alegado pelos ativistas, auto sabotagens para recolher seguros das peles ou alegando ataques da concorrência no setor. Erroneamente também algumas redes de televisão transmitiram imagens de ações violentas realizadas por pessoas sem filiação a qualquer organização legalmente constituída que pertencem a EUA ou a Inglaterra em uma tentativa de manipular a opinião pública sobre dando uma visão do movimento de modo desleixado como Telemadrid estava colocando imagens de motins gregos ao falar sobre Barcelona ou apagando as pessoas com um uso desajeitado de photoshop nas manifestações 19-F que deixou algumas pessoas, literalmente, sem cabeça, em uma tentativa de manipular o movimento do 15-M e suas instalações de não-violência e da escala do movimento. Os ativistas segundo diferentes meios de comunicação são acusados ​​de coisas muito diversas, algumas nem mesmo previstos no Código Penal como "eco-terrorismo", conspiração, danos econômicos ... palavras que criminaliza o movimento e põe violência onde realmente não há, ignorando a violência que é exercida e demonstrável pelos operadores de animais, bem documentadas as atividades das entidades que foram injustamente acusados, como explica Javier Moreno, um dos acusados ​​e porta-voz da Igualdade Animal, como nas fazendas de peles são esfolados e vivem em sofrimento mais de 300.000 por ano. A cobertura da mídia dos trabalhos de pesquisa de Equanimal Igualdade Animal não deixou indiferentes à indústria de exploração animal, nem indiferente às pessoas que se dão conta pela primeira vez da extensão do uso e abuso que significa o negócio. Ativistas tem clareza sobre o modus operandi das entidades de Igualdade Animal e Equanimal, e qual é a leitura interesseira que fizeram alguns meios. Para deixar claro as palavras-chave ou rótulos do movimento em defesa dos direitos dos animais que usamos palavras antiespecismo e veganismo. Antiespecismo acredita que a discriminação de espécie é o racismo que discrimina igualmente injusto com base na raça e do sexismo que discrimine com base no sexo, e que devemos estar cientes e lutar contra o mesmo. Veganismo é um estilo de vida que exclui o uso de quaisquer animais ou produtos de exploração animal, seja para comer, vestir, trabalhar, brincar ou o que quer, pois representa o desrespeito moral a outras indivíduos pertencentes a espécies diferentes dos nossos. Os três ativistas que estão atualmente admitidos à prisão são presos políticos, prisioneiros antiespecistas e vegans, os prisioneiros de consciência. As pessoas à frente de seu tempo como foram os primeiros ativistas para a abolição da escravatura seres humanos ou a igualdade das mulheres, que são punidos por um sistema de estagnação que não querem perder os privilégios que dá a discriminação a quem não pode se defender e precisa de pessoas para compartilhar a sua realidade e necessidades dos outros para tomar decisões éticas em suas vidas diárias para mudar essa realidade. Então, o movimento pelos direitos dos animais exige sua libertação imediata sem prejuizos, e pede a todos os cidadãos para estar ciente de que suas decisões cotidianas constrói um mundo cheio de exploração e morte ou uma sociedade mais justa e livre para todos.




 

Compartilhe Esta Página: