Início » Rio de Janeiro » Paraíba do Sul » Notícias


Últimas Notícias da cidade de Paraíba do Sul - RJ

Redes Sociais

  • Poluíção ao Meio Ambiente no Rio Paraíba do Sul

    Como Radialista não posso ficar omisso ! Neste video mostro o descaso do tratamento do esgoto ao céu aberto e na poluíção ao meio ambiente jogado no Rio Para...

  • Fonte: destakjornal.com.br em 19/10/2014

    Rio de Janeiro também tem risco de falta de água
    O volume das chuvas deve voltar ao normal nos próximos dias no Rio de Janeiro, de acordo com a previsão ... Minas Gerais e São Paulo -, que permite a redução do volume do rio Paraíba do Sul para abastecer cidades paulistas. O MPF afirma que o acordo ...

  • Sandro Leite

    em 17/08/2014 Via Youtube
    Toyota Bandeirante - Sardoal - Paraíba do Sul - RJ

    Saudações, amigos! Passeio realizado em família em Maio de 2014. Saímos sem rumo certo, nos perdemos, contudo, ao final, passamos um dia maravilhoso! Abraço ...

  • Acordo garante segurança hídrica para RJ, SP e MG

    O Ministério do Meio Ambiente detalhou, na segunda-feira (18), acordo com governos dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais para garantir, até...

  • Meu bebê novo! #skate #ParaibaDoSul @ Paraíba do Sul, Rio de Janeiro http://t.co/VQFFZhrFAV
  • 91alanroberto

    em 08/10/2014 Via Youtube
    Viagem São Paulo x Maceió - P9 - BR-393 Paraíba do Sul-RJ'

    Continuação http://youtu.be/lpLxiGp6UFA Desculpe a qualidade do audio no fim do vídeo,GPS Tranqueira é um problema !! http://enoisnabr.blogspot.com.br/ http:...

  • Felippe Maia

    em 20/10/2014
    JUSTIÇA FEDERAL: No Brasil, Justiça Federal é o conjunto dos órgãos do Poder Judiciário que têm a competência prevista no art. 109 da Constituição Federal de 1988, ou seja, o julgamento de ações nas quais a União, suas autarquias, fundações e empresas públicas federais figurem como autoras ou rés, bem como intervenientes de qualquer natureza. Originariamente, a Justiça Federal foi criada no Brasil através do Decreto nº 848, de 11 de outubro de 1890, de autoria do Governo Provisório que proclamou a República, sendo composta pelo Supremo Tribunal Federal e pelos chamados Juízes de Secção, um para cada estado. Os juízes seccionais eram nomeados pelo Presidente da República, sem previsão de concurso público. Além dos seccionais, que eram vitalícios, havia a previsão, ainda, de juízes federais substitutos, que cumpriam mandatos de seis anos, também nomeados pelo Presidente da República. Com a Constituição de 1891, foram acrescentados à estrutura da justiça federal os Tribunais Federais, que não chegaram, entretanto, a ser efetivamente criados no período de vigência daquela Carta, embora o Decreto n. 4.381, de 5 de dezembro de 1921, tenha mesmo chegado a prever a criação de três tribunais (art. 22). Pela Lei nº 221, de 20 de novembro de 1894, são criados os Juris Federais, com competência para o julgamento de matéria penal, além de ser instituída a figura do juiz suplente do substituto de juiz seccional, que tinham mandato de quatro anos, com nomeação feita pelo Executivo Federal. Ainda na vigência da Constituição de 1891, foi criada uma segunda "secção" (vara) federal no Distrito Federal, à época no Rio de Janeiro, pelo Decreto n. 1.152, de 7 de janeiro de 1904, e, posteriormente, uma terceira, pelo Decreto n. 4.848, de 13 de agosto de 1924, que também criou as segundas secções de Minas Gerais e São Paulo, esta última extinta pelo Decreto n. 22.169, de 5 de dezembro de 1932. Com a Constituição de 1...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • Publicidade
  • #Repost from fabianasilvaoliveira with repostapp — Chegando no Rio de janeiro, Paraíba do Sul… http://t.co/IoMkpvnICM
  • Rio Paraíba do Sul Seco

    Este vídeo foi feito por JB. Rocha no dia 07-09-2014, em São João da Barra RJ.

  • Fonte: destakjornal.com.br em 19/10/2014

    Chuva aliviará desabastecimento
    No dia 19 de setembro, o Ministério Público Federal chegou a pedir a decretação de estado de calamidade pública no Rio de Janeiro ... os Estados do Rio, Minas Gerais e São Paulo, que permite a redução do volume do rio Paraíba do Sul para abastecer ...

  • Estadão

    em 18/07/2014 Via Google++
    Transposição de água do Rio Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira está atrasado. Rio de Janeiro e Minas Gerais cobram projeto de São Paulo. Em março, Geraldo Alckmin prometeu obra para julho; agora, o prazo foi alterado para setembro. Veja mais em: http://oesta.do/1rmiUk8 #Água

    Foto: Tiago Queiroz/Estadão

    TQ PIRACAIA 10.07.2014 METROPOLE Volume útil chega a zero nessa semana no eservatório Cantareira. Agora população conta apenas com água do volume morto. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
  • Fonte: Época Negócios em 16/10/2014

    Pezão diz que Rio de Janeiro pode ter falta de água em 30 dias
    O governo de São Paulo chegou a reduzir a vazão do Rio Paraíba do Sul, que abastece parte do estado do Rio. Alguns municípios, como Barra do Piraí, enfrentam problemas de abastecimento desde agosto.

  • MMA detalha acordo para abastecimento de água no Sudeste

    Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, detalha acordo com governos dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais para garantir, até o início...

  • Qualidade de vida é no #RJ!

    Moradores de Paraíba do Sul, Angra dos Reis e São Gonçalo contam com academias funcionais gratuitas. Em breve, outras cidades ganharão unidades. Veja mais: http://bit.ly/1giwJda

    #EsporteLazerRJ

    Foto: Marcelo Santos


  • O DATAFOLHA deve divulgar quatro pesquisas esta semana. UMA PREVISTA PARA HOJE, com 4.400 eleitores, registrada sob o protocolo BR-01140/2014. Outro levantamento terá período de coleta na terça-feira (21) e pode ser divulgado a partir do fim do dia pelo contratante, o jornal Folha de S. Paulo. O número de entrevistas também é 4.400. A sondagem foi protocolada sob o registro BR-01160/2014. Na reta final da campanha, pelo menos nove pesquisas eleitorais para presidente serão divulgadas nesta semana. Os levantamentos foram registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelos Institutos Ibope, Datafolha, Vox Populi e Sensus. A pesquisa Ibope/Estadão/Globo deve ser divulgada às 18 horas de quinta-feira (23). Devem ser entrevistados 3.010 eleitores e o número do registro é BR-01168/2014. O instituto também deve divulgar um levantamento no sábado, véspera da eleição. O terceiro levantamento do Datafolha, que deve ser divulgado na quinta-feira (23), tem período de coleta no mesmo dia e foi contratado pela Rede Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. A previsão é de 9.978 eleitores entrevistados. O número de protocolo é BR-01162/2014. O instituto, assim como o Ibope, também divulgará uma pesquisa no sábado. O Vox Populi tem duas pesquisas previstas. Uma na noite desta segunda-feira, com 2.000 eleitores entrevistados entre 18 e 19 de outubro, contratada pela Rede Record. O registro é BR-01136/2014. Outra deve ser feita e divulgada no sábado (25) com o mesmo número de eleitores e o mesmo contratante. O registro é BR-01185/2014. A Corte eleitoral recebeu ainda o registro de sondagem a ser feita pelo Instituto Sensus, com coleta prevista entre terça (21) e sexta-feira (24). Com 2 mil entrevistas, a pesquisa deve ser divulgada pela revista IstoÉ, a partir de sexta. O protocolo é BR-01166/2014. Ibope e Datafolha também podem divulgar levantamentos para governador em diversos Estados. Pelo Ibope, estão previstas sondagens no Rio de Janeiro, Rio Gran...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • Jardim Velho - Paraíba do Sul - RJ / 360 (Photo Sphere)


  • Fonte: R7 Notícias em 17/10/2014

    Não há risco de falta d'água no Rio, diz engenheiro
    Com a crise no sistema Cantareira, o governo de São Paulo chegou a reduzir a vazão do Rio Paraíba do Sul, que abastece parte do Estado do Rio. Atualmente o volume de captação do Paraíba do Sul está mantido em 160 mil litros por segundo. Para atender ...

  • ÉPOCA

    em 07/04/2014 Via Google++
    A disputa pelo uso do Rio Paraíba do Sul entre os governos de São Paulo e Rio de Janeiro é uma bravata de fundo eleitoral, diz o criador da Agência Nacional de Águas

    Jerson Kelman: "A discussão sobre as águas do Paraíba do Sul caiu no delírio das emoções"
  • Captação de água do Paraíba do Sul pode causar impactos ao Rio de Janeiro
    Segundo o presidente da ANA, Vicente Andreu, o prejuízo em caso de uso normal será insignificante. Contudo, é preciso discutir as garantias que serão oferecidas para reduzir perdas ao estado. O presidente da Agência Nacional de Água (ANA), Vicente Andreu, a...

    Captação de água do Paraíba do Sul pode causar impactos ao Rio de Janeiro
  • Fonte: cbnfoz.com.br em 18/10/2014

    Governo traça estratégia para combater incêndio na Região Serrana
    mais de 90% das cidades do estado tiveram volume de chuvas abaixo do esperado. Uma delas é São Fidélis, no Norte Fluminense, onde o Rio Paraíba do Sul está com um nível dois metros abaixo do normal, o pior índice em 90 anos. A seca matou animais e ...

  • Cara de pau !!! Pensa que o eleitorado é burro. Todos sabem que as empresas de Abastecimento são estaduais. AGESPISA - Águas e Esgotos do Piauí CAEMA - Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão CAER - Companhia de Águas e Esgotos de Roraima CAERD - Companhia de Águas e Esgotos do Estado de Rondônia CAERN - Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte CAESA - Companhia de Água e Esgoto do Amapá CAESB - Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAGECE - Companhia de Água e Esgoto do Ceará CAGEPA - Companhia de Água e Esgotos da Paraíba CASAL - Companhia de Saneamento de Alagoas CASAN - Companhia Catarinense de Águas e Saneamento CEDAE - Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro CESAN - Companhia Espírito Santense de Saneamento COMPESA - Companhia Pernambucana de Saneamento COPASA - Companhia de Saneamento de Minas Gerais CORSAN - Companhia Riograndense de Saneamento COSANPA - Companhia de Saneamento do Pará DEPASA - Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento DESO - Companhia de Saneamento de Sergipe EMBASA - Empresa Baiana de Águas e Saneamento SABESP - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo SANEAGO - Saneamento de Goiás SANEATINS - Companhia de Saneamento do Tocantins SANEPAR - Companhia de Saneamento do Paraná SANESUL - Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul


    www1.folha.uol.com.br
    Aécio atribui responsabilidade ao governo federal por crise da água em SP.
    O candidato procurou nesta segunda-feira (20) atribuir responsabilidades ao governo federal na atual crise da água em São Paulo.
  • Publicidade
  • Paraíba do Sul é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localizado na Mesorregião do Centro Fluminense e na Microrregião de Três Rios.2013-10-24
  • Rio Paraíba do Sul

    Rio que separa o Estado do Rio de Janeiro do Estado de Minas Gerais, de uma lado Jamapará (RJ) e do outro Além Paraíba (MG). Um verdadeiro cartã ode visita d...

  • relaxarr (@ Spa L'Ermitage in Paraïba Do Sul, Rio De Janeiro) https://t.co/pR7stEwdE7
  • Fonte: R7 Notícias em 18/10/2014

    PRF prende dono de estabelecimento suspeito de explorar adolescente sexualmente
    região do médio Paraíba e a capital fluminense também foram fiscalizados mas não houve flagrantes. Segundo mapeamento da PRF, foram mapeados no Estado do Rio de Janeiro ao menos 112 pontos que podem estar relacionados com a exploração sexual de ...

  • Fonte: G1 em 18/10/2014

    Rio Paraíba do Sul atinge o nível mais baixo dos últimos 90 anos
    No Rio de Janeiro, a seca está encolhendo o rio que é a principal fonte de abastecimento do estado: o Paraíba do Sul atingiu o nível mais baixo dos últimos 90 anos. Açudes e córregos estão secos. À procura de comida, o gado sobe o morro ...

  • VISÃO E ESTRATÉGIA MILITAR, NA ÓTICA DO LOBO DO MAR segunda-feira, 20 de outubro de 2014 Neste final de mandato, Dilma vai concluir apenas duas obras do PAC. O resto é falta de projeto, atraso e superfaturamento. POR CARDOSO LIRA Transposição do Rio São Francisco deveria ficar pronta em dezembro de 2010. Quatro anos depois, está praticamente abandonada. Os compromissos do governo para este último trimestre de mandato deveriam incluir a inauguração de 11 obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Essa foi a meta estabelecida pela presidente Dilma Rousseff no início de 2011, quando assumiu o governo e apresentou seu primeiro balanço do PAC. Quase quatro anos depois, apenas dois empreendimentos previstos para ser concluídos entre outubro e dezembro de 2014 terão, de fato, obras entregues dentro do prazo: as hidrelétricas Santo Antônio do Jari e Ferreira Gomes, ambas construídas no Amapá. A primeira iniciou suas operações neste mês e a segunda deve ligar suas turbinas até dezembro. Entre as nove obras que tiveram suas conclusões adiadas estão alguns dos mais caros e emblemáticos projetos do governo, como a transposição do rio São Francisco e a refinaria Abreu e Lima, da Petrobrás, em construção em Pernambuco. Esses empreendimentos já sofriam, na realidade, com frustrações de prazos acumuladas durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Custos. Além do atraso, o estouro nos prazos dos cronogramas veio acompanhada de um aumento de 46% nos custos. As 11 obras, que no início de 2011 somavam investimentos de R$ 37,6 bilhões, chegam agora a R$ 54,9 bilhões - um gasto adicional de R$ 17,3 bilhões. Os projetos de saneamento básico tocados na região Nordeste do País lideram a lista dos empreendimentos problemáticos. O eixo leste da transposição do São Francisco, canal de 220 km que corta a região de Pernambuco e Paraíba, teve as suas obras iniciadas em 2007. Lula pretendia inaugurá-lo no ...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • Eliete Sá

    em 20/10/2014



    Eliete Sá compartilhou a foto de José Manuel Cruz Cebola.
    Enquanto o governo do Ceará trabalhou em parceria com o governo federal para garantir a segurança e abastecimento hídrico de Fortaleza e região adjacente, construindo o EIXÃO DAS ÁGUAS, um complexo sistema de canais de irrigação e abastecimento com quilômetros de extensão, São Paulo assistiu sem dar um passo e sem ter um projeto, ao esvaziamento e colapso do SISTEMA CANTAREIRA. 'TRAGÉDIA' que vem sendo anunciada desde 2009, a cada ano o abastecimento de água na CAPITAL vem ficando mais difícil, o COLAPSO do SISTEMA CANTAREIRA alcança proporções dramáticas com a SECA HISTÓRICA por que passa a Região SUDESTE. Noves fora a excepcionalidade climática de uma SECA sem precedentes, ficou evidente que, VINTE ANOS de administração TUCANA em São Paulo, não foram o bastante para que questões BÁSICAS fossem enfrentadas, para, se não resolver, minimizar problemas graves como SANEAMENTO e FALTA D'ÁGUA. É certo que as grandes Metrópoles apresentam uma demanda crescente e contínua de infra-estrutura, é compreensível que os desafios sejam maiores do que a capacidade de solução, mas, não se admite é a falta de planejamento, é a arrogância de se isolar e com isso penalizar a população de São Paulo. Imprevidente e inconsequente, o Governo Alckmin quer agora apresentar de afogadilho uma pseudo-solução. Quer sacrificar a população do Rio de Janeiro com uma proposta de utilizar água do Rio Paraíba do Sul para aumentar o nível de água do Sistema Cantareira. O governo do Rio e o governo Federal devem se posicionar. Todo o apoio ao povo de São Paulo deve ser dado. Uma obra rápida e segura, que garanta ATRAVÉS DE UM PROJETO RESPONSÁVEL E DURADOURO o abastecimento no Estado, salvando a CANTAREIRA, precisa ser colocado em prática. São Paulo e sua população não podem esperar. Aliás, não há tempo para esperar. Já estamos todos avisados que CALOR e SECA estarão em nosso futuro imediato. Que se acabe com a sede de São Paulo, sem condenar o Rio de Janeiro a virar um deserto.
    Fotos da linha do tempo.
    ...(Continuar Lendo)
  • RIO PARAÍBA DO SUL ENFRENTA PROBLEMAS 2 36

  • MANIFESTO
    EM DEFESA DAS ÁGUAS DO RIO PARAIBA DO SUL
    E DO DIREITO DO POVO E DAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

    Rio de Janeiro, 22 de março de 2014 - Dia Mundial da Água
    O SINED – Sindicato Nacional das Empresas de Atividades do Meio Ambiente, cujo objetivo precípuo é defender os interesses das empresas fluminenses junto aos órgãos governamentais nos principais foros nacionais e internacionais quanto às questões intrínsecas à Sustentabilidade Ambiental. Vimos a público repudiar as iniciativas do governador de São Paulo Geraldo Alckmin de transpor as águas do Rio Paraíba do Sul para suprir o Sistema Integrado Cantareiras, o que ameaça gravemente a população e as empresas do Estado do Rio de Janeiro.
    Manifestamos a profunda preocupação, e perplexidade, dos segmentos empresariais fluminenses, ante as informações recentemente divulgadas na mídia sobre a utilização das águas do Rio Paraíba do sul para complementar o abastecimento do Sistema Integrado Cantareiras.
    A investida do governo paulista sobre as águas do Rio Paraíba do Sul é extemporânea, não é tecnicamente segura, não é garante a solução de abastecimento da Grande São Paulo e não é sustentável ambientalmente. Em suma: Não soluciona o grave problema de abastecimento de água potável que hoje atinge ao Povo Paulistano. Governador Alckmin, no estado democrático de direito, quando vige plenamente o equilíbrio federativo, não se resolve um problema criando outro.
    Esta campanha jaz contaminada por um inequívoco oportunismo eleitoral, pois tenta jogar no colo do governo federal a responsabilidade por solucionar a grave crise de abastecimento de água potável à população de São Paulo. Trata-se de um problema social e econômico de consequências imensuráveis.
    Não se deve fazer proselitismo político com a sede do povo e com o desabastecimento das empresas. Não se pode colocar o ônus do mau planejamento e da má ge...(Continuar Lendo)
  • A seca está encolhendo o rio que é a principal fonte de abastecimento do Rio de Janeiro: http://t.co/heUbo9xvrq http://t.co/wX7VtEVPOf
  • PARA OS QUE SE DEIXAM INFLUENCIAR PELAS PESQUISAS POLÍTICAS, ESTA SEMANA HAVERÁ PARA TODOS OS GOSTOS. Segunda, 20 de Outubro de 2014 - 17:12 Ao menos 9 pesquisas serão divulgadas nesta semana Estadão Conteúdo Na reta final da campanha, pelo menos nove pesquisas eleitorais para presidente serão divulgadas nesta semana. Os levantamentos foram registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelos Institutos Ibope, Datafolha, Vox Populi e Sensus. A pesquisa Ibope/Estadão/Globo deve ser divulgada às 18 horas de quinta-feira (23). Devem ser entrevistados 3.010 eleitores e o número do registro é BR-01168/2014. O instituto também deve divulgar um levantamento no sábado, véspera da eleição. Já o Datafolha deve divulgar quatro pesquisas esta semana. Uma prevista para hoje, com 4.400 eleitores, registrada sob o protocolo BR-01140/2014. Outro levantamento terá período de coleta na terça-feira (21) e pode ser divulgado a partir do fim do dia pelo contratante, o jornal Folha de S. Paulo. O número de entrevistas também é 4.400. A sondagem foi protocolada sob o registro BR-01160/2014. O terceiro levantamento do Datafolha, que deve ser divulgado na quinta-feira (23), tem período de coleta no mesmo dia e foi contratado pela Rede Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. A previsão é de 9.978 eleitores entrevistados. O número de protocolo é BR-01162/2014. O instituto, assim como o Ibope, também divulgará uma pesquisa no sábado. O Vox Populi tem duas pesquisas previstas. Uma na noite desta segunda-feira, com 2.000 eleitores entrevistados entre 18 e 19 de outubro, contratada pela Rede Record. O registro é BR-01136/2014. Outra deve ser feita e divulgada no sábado (25) com o mesmo número de eleitores e o mesmo contratante. O registro é BR-01185/2014. A Corte eleitoral recebeu ainda o registro de sondagem a ser feita pelo Instituto Sensus, com coleta prevista entre terça (21) e sexta-feira (24). Com 2 mil entrevistas, a pesquisa deve ser divulgada pela revi...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • Basta?


    Andre Almeida compartilhou a foto de Luceli Toledo Martins De Paula Campos.
    Sobre a chuva e os impropérios petistas..."A água de São Paulo e a Floresta Amazônica No início de novembro de 2003, os reservatórios que fornecem a água da cidade de São Paulo atingiram um nível mínimo: apenas 5% de sua capacidade. A água era racionada na maior metrópole brasileira e restavam poucos dias para o esgotamento das reservas. A cidade do Rio de Janeiro vivia situação parecida. O volume de água nos reservatórios que a abastecem correspondia a 14% da capacidade total e havia o risco de que secassem antes da estação chuvosa, em dezembro. Antes, em 2001, a escassez de água nos reservatórios das hidrelétricas de toda a porção não-amazônica do país fez com que os principais centros populacionais brasileiros sofressem grandes blecautes (os ‘apagões’) e levou a prolongado racionamento de eletricidade. Esses acontecimentos deveriam produzir uma consciência aguda da importância da água transportada por correntes de ar da Amazônia para o Centro-sul do Brasil. Infelizmente, essa consciência ainda não se materializou, e o modelo de desenvolvimento que o governo federal quer implantar na Amazônia (previsto no Plano Plurianual 2004- 2007) baseia-se em uma série de obras de infraestrutura (rodovias, hidrelétricas e outras) que levarão a perdas significativas de floresta. O processo de tomada de decisão que levou ao Plano não considerou efeitos mais amplos desse desmatamento, como a redução da água ‘exportada’ para São Paulo. O papel da floresta amazônica nessa ‘oferta de água’ em outras regiões do país pode ser visualizado a partir da constatação de que a conversão de áreas de floresta em pastagem aumenta dramaticamente o escoamento superficial da água das chuvas. Estudos sobre a erosão realizados pelo autor, em Rondônia, revelaram que, para coletar a água que escorria em 24 horas na superfície de uma área de 1 m por 10 m, em uma pastagem limpa, eram necessários quatro tambores de 200 litros cada – com menos tambores, a água transbordava. Em uma parcela adjacente de floresta, com o mesmo tamanho, a coleta exigiu apenas um tambor, mas em geral bastava um balde, suspenso dentro do tambor. O escoamento superficial foi cerca de 10 vezes maior na área de pastagem. Embora não se possa extrapolar resultados de pequenas parcelas para bacias hidrográficas inteiras, a grande diferença verificada no escoamento superficial permite prever sérias consequências caso o desmatamento aumente ainda mais. Nesse caso, tais consequências envolvem a água, um recurso básico tanto para a sobrevivência da vegetação nativa quanto para as populações humanas. A maior parte da água das chuvas não consegue penetrar no solo compactado das pastagens amazônicas. Então, escoa na superfície, vai para a rede fluvial e por fim é despejada no oceano Atlântico. Na floresta, porém, a água entra no solo, sendo em sua maior parte absorvida pelas raízes das árvores e relançada à atmosfera pela transpiração das folhas. Cerca de metade da chuva, na Amazônia, é constituída por água reciclada pela vegetação, segundo estudos do balanço de calor na floresta feitos pelo ecólogo Enéas Salati e colaboradores, utilizando isótopos de oxigênio na água. A quantidade de vapor d’água que entra na região com os ventos vindos do Atlântico é calculada em cerca de 10 trilhões de m3 por ano, enquanto a descarga média do rio Amazonas, na foz, é de 6,6 trilhões de m3 anuais. A diferença, em torno de 3,4 trilhões de m3 por ano, é forçosamente exportada para alguma outra região. Parte do vapor d’água exportado escapa para o oceano Pacífico, passando por cima da cordilheira dos Andes no canto noroeste da bacia amazônica, na Colômbia. A maior parcela da água transportada, porém, vai para o Centro-sul do Brasil e para Paraguai, Uruguai e Argentina. Um certo volume também atravessa o oceano Atlântico e chega ao sul da África. Esse transporte de água para outras bacias, em especial para a bacia do rio da Prata, dá ao desmatamento amazônico um nível de impacto que tem sido pouco avaliado quando se definem as políticas para a região. O volume de água exportado todo ano pela Amazônia (3,4 trilhões de m3) pode ser mais bem entendido se comparado à vazão média do rio Amazonas. A exportação representa 52% da vazão na foz do rio – e só quem viu o Amazonas com os próprios olhos pode ter uma ideia do enorme volume que isso significa. A quantidade de água exportada é pouco menor que a vazão média (3,8 trilhões de m3 por ano) medida no ‘encontro das águas’ dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Na Amazônia, portanto, qualquer mudança no percentual de chuva que volta à atmosfera (resultante da conversão de floresta em pastagem) implica uma perda imensa de água, tanto na própria região quanto em outras regiões onde as chuvas dependem dessa fonte. Os ventos dominantes na Amazônia sopram de leste para oeste, em função da rotação da Terra. Quando eles batem nos Andes, viram para o sul, e o vapor d’água é levado para outras partes da América do Sul, inclusive São Paulo. As características do transporte de água da Amazônia para o Centro-sul do Brasil têm sido estudadas há duas décadas. Nos últimos dois anos, avanços nas técnicas de mapeamento dos ventos melhoraram bastante o entendimento da distribuição espacial e da variação sazonal da chuva derivada da água transportada através dos ventos amazônicos. O vento denominado ‘jato de baixa altitude sul-americano’ (SALLJ, na sigla em inglês) move-se rapidamente (cerca de 30 km por hora) em uma estreita faixa de altitude (cerca de 1 km acima do nível do mar). Entre junho e agosto, na estação seca no Sul do Brasil, apenas os ventos do sudoeste da Amazônia viram para o sul, levando vapor d’água, mas entre dezembro e fevereiro isso acontece com ventos de toda a região. Embora a contribuição da Amazônia para a chuva no Centro-sul do país seja maior na estação chuvosa, mesmo na época seca a água amazônica pode ser muito importante para essa outra região do país, onde se concentra a maior parte da produção agrícola brasileira. O mesmo se aplica ao Paraguai e à Argentina. Há, na Argentina, uma forte preocupação com os possíveis efeitos, nas chuvas daquele país, do desmatamento continuado na Amazônia brasileira. Na estação chuvosa, até 70% da precipitação em São Paulo depende do vapor d’água amazônico, de acordo com estudos do meteorologista Pedro Silva Dias, da Universidade de São Paulo. Os ventos que trazem esse vapor batem nas serras da Mantiqueira e do Mar, entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, provocando chuvas nessas regiões. A água das chuvas flui para o leste, até o oceano Atlântico, através da bacia do rio Paraíba do Sul e bacias litorâneas, ou para o oeste e o sul, através da bacia do rio da Prata. Em ambos os trajetos, a água passa por represas que garantem produção de energia e abastecimento para as principais cidades do país, inclusive Rio de Janeiro e São Paulo. Como o enchimento dessas represas depende de poucas semanas de chuva intensa, em especial em dezembro, quando é máxima a contribuição da Amazônia, as consequências de qualquer redução no volume de vapor d’água vindo dessa região seriam muito sérias. A água trazida a São Paulo pelo vento ‘jato de baixa altitude’ não sai diretamente de todas as áreas da Amazônia. À medida que o vapor gerado pela floresta move-se para oeste, afastando-se do oceano Atlântico, uma parcela crescente é reciclada (cai como chuva e evapora outra vez). De todo o vapor d’água que chega ao extremo oeste da região, 88% já foram reciclados no mínimo duas vezes, segundo estudos sobre o ciclo hidrológico do meteorologista Heinz Lettau, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, e colaboradores. A água amazônica presente nas chuvas em São Paulo provém de florestas na porção oeste da bacia: Rondônia, Acre, oeste do Amazonas e Bolívia. Embora o desmatamento nessas áreas tenha um impacto mais direto sobre a chuva em São Paulo, a derrubada da floresta mais a leste também é prejudicial, porque reduz o volume de água que chega ao oeste amazônico. A quantificação exata do transporte de água da Amazônia para áreas como São Paulo ainda exigirá muitas pesquisas, mas o que já se sabe é suficiente para indicar a necessidade de uma mudança radical nas políticas nacionais para a Amazônia. Hoje, os planos de investimento do governo federal na região privilegiam a infraestrutura, causando a destruição da floresta. Uma reavaliação das prioridades nacionais levaria à revisão desses projetos, considerando o desmatamento que provocam – hoje, os estudos de impacto ambiental para licenciar obras só avaliam os impactos diretos da infraestrutura, omitindo os indiretos, como a atração de pecuaristas e madeireiros a suas vias de acesso, resultando na derrubada da floresta. Além da revisão dos planos de investimento, a criação de áreas protegidas e o efetivo cumprimento das leis ambientais seriam de grande importância para a manutenção dos serviços ambientais da floresta amazônica – como a biodiversidade, o estoque de carbono (que ajuda a evitar o ‘efeito estufa’) e a ciclagem de água (que inclui a provisão de água para outras áreas, como São Paulo). O valor econômico dos serviços ambientais é a chave para que se encare a questão do desmatamento sob uma nova ótica: isso transformaria a economia amazônica, hoje baseada na derrubada da floresta, levando a um novo modelo, fundado em sua manutenção. Usar a floresta como provedor de serviços ambientais é uma alternativa plenamente sustentável, pois as perdas decorrentes da extinção desses serviços (com o desmatamento) seriam maiores que os ganhos que o desenvolvimento predatório atual pode trazer. A questão do transporte de água da Amazônia para o Centro sul do país ilustra claramente que manter grandes áreas de floresta amazônica é do maior interesse do país. É comum ouvir, no Brasil, a opinião de que existe uma conspiração permanente para enganar o país, fazendo com que este não desmate a Amazônia – essa renúncia beneficiaria outras partes do planeta, em detrimento dos interesses brasileiros. Manter a floresta amazônica de fato beneficiaria o resto do mundo, mas isso não altera o fato de que o maior prejudicado com a perda dos serviços ambientais da floresta amazônica é o próprio Brasil. A continuação do desmatamento reduziria, por exemplo, o potencial do país para obter ‘créditos de carbono’ através do Protocolo de Kyoto. É, portanto, do interesse do Brasil usar todos os mecanismos disponíveis para prevenir a perda de floresta na Amazônia..." Fonte:http://www.revista39mais.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=369%3Aa-agua-de-sao-paulo-e-a-floresta-amazonica&catid=53%3Aeco-caderno&Itemid=79
    Fotos da linha do tempo.
    ...(Continuar Lendo)
  • Fonte: PortalR3 em 17/10/2014

    Visita ao Santuário Nacional pode aumentar tráfego na via Dutra
    ... sentido Rio de Janeiro – Queluz– Obras de alteamento de pista – Tráfego fluindo em mão dupla pela pista sentido São Paulo. Km 297,2 – Resende (RJ) – Obras de construção de nova ponte sobre o rio Paraíba do Sul, na pista sentido Rio de ...

  • 8º Prosa no Museu ''“Rio Paraíba do Sul: de quem é a água?” (integra)

    Nos últimos meses, o debate sobre os recursos hídricos está em evidência. Estamos presenciando limites históricos: nossas represas operando com capacidades m...

  • E espero que a minha região mais o estado do Rio de Janeiro lutem por esse bem comum, as águas do Paraíba do Sul #Dilma13
  • Allex Moreno

    em 20/10/2014
    G1 - O Portal de Notícias da Globo #Muitas Vezes fico pensando,Qual o motivo de muita pessoas de outras regiões terem tanta raiva do povo Nordestino. Me pergunto as vezes,o que nós fizemos a eles? Será que é porque é a região que mais possui estados em todo o território nacional?(Nove no Total).Ou será que é porque fomos o berço da colonização Portuguesa no País de 1500 até 1532, ou também porque o Nordeste foi o centro financeiro do Brasil até meados do século XVIII, uma vez que a Capitania de Pernambuco foi o principal centro produtivo da colônia e Recife a cidade de maior importância econômica.Pois até onde eu sei, a região Nordeste foi o palco do descobrimento durante o século XVI,Foi no litoral nordestino que se deu início a primeira atividade econômica do país, a extração do pau-brasil,e é a região Nordeste a que possui a maior costa litorânea em todo o território Nacional.Querem saber mais? Então vamos lá! FALANDO DE FESTAS NO NORDESTE BRASILEIRO. O Carnaval é um dos grandes atrativos do Nordeste, principalmente na cidade de Salvador e Recife. O Carnaval de Salvador é a maior festa popular do planeta e bate recordes contando com mais de 2.700.000 (dois milhões e setecentos mil) foliões em seis dias de festa. Durante o período do carnaval de Salvador, dezenas dos cantores mais famosos do Brasil desfilam nos trios elétricos como, Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Cláudia Leitte, Eliana e muitos outros. O Carnaval do Recife é considerado o de maior diversidade cultural do país com seus bonecos gigantes, frevo e maracatu, além de possuir o maior bloco carnavalesco do mundo, o Galo da Madrugada. Também é considerado o carnaval mais democrático do mundo, pois os foliões não precisam pagar para brincar. Querem mais? Agora vamos falar do Turismo.... Três praias brasileiras ficaram entre as mais bonitas do mundo em uma pesquisa com viajantes do mundo todo – uma delas, a Baía do Sancho, em Fernando de Noronha (PE), f...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • AO LADO DA RESIDENCIA OFICIAL DOS IRMAOS MARISTA ÊM TAMBIÁ -CENTRO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA QUE NA DÉCADA DE 1960 PODIA DORMI COM JANELAS ABERTAS E NINGUEM ROUBAVA O SEU CARRO OU SUA RESIDENCIA E NÃO TIRAVA A SUA VIDA . A CIDADE DE JOÃO PESSOA PAGA O ALTO PREÇO DE VIRAR UMA METRÓPOLE DESCOBERTA PELO SUL E SUDESTE DO PAIS BRASIL. VIOLÊNCIA CRAK CONSUMO DE DROGAS ASSASSINATOS - O DIA A DIA DE BRASILIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO. SÃO 17.52 HORAS DE SEGUNDA FEIRA 20 DE OUTUBRO DE 2014


    Ricardo Figueiredo Melo compartilhou a foto de Thiago Diniz.
    Será que na Paraíba não se pode nem ir mais a missa em paz? Aconteceu hoje, agora, com um amigo meu. Foi a missa no Pio X e na hora de voltar pra casa... Opa... Cadê as rodas do carro? Simplesmente levaram as rodas e deixaram o carro do jeito que esta na foto. O pior ainda está por vir... Passou uma viatura da PM e óbvio que solicitamos apoio, mas o PM falou assim: Vocês tem que ligar pro 190. Dai eu falei, ligar pra que? Se você está aqui. Com isso ele respondeu, estou fazendo ronda e não posso ajudar. Assim eu pedi pra ele passar o rádio e o mesmo disse que não poderia passar. (Eu me segurei pra não rir na hora) E ele ainda soltou a pérola: vai demorar pra atender no 190, mas com paciência você consegue. Comecei a rir assim que a viatura saiu... Kkkkkkkkkkkkkkk Pensa que acabou ai? Nada... Ao ligar pro 190 a minha chamada caiu na central da PM em Araruna. (MAS QUE PORRA É ESSA???) O PM que atendeu disse pra eu ligar de outra operadora que a ligação caia na central em João Pessoa. Fica a dica: se você precisar da polícia em João Pessoa não ligue da TIM. Peguei o celular de um amigo e liguei e rapidamente chegou uma viatura. Fomos muito bem atendidos pelo PMs que chegaram e ficaram até o final da ocorrência. E pra ele fazer o BO? Só tem duas delegacias abertas nesse horário em João Pessoa. Uma em Mangabeira e outra em Manaira. Quero a Paraíba segura, tranquila e de paz novamente. Termino como comecei: Será que na Paraíba não se pode nem ir mais a missa em paz?
    Arquivos de dispositivos móveis.
    ...(Continuar Lendo)
  • Publicidade
  • O Aecioporto disse que vai ser "o maior aliado do Alckmin na questão da água." Ora, o que ele pretende fazer? Pegar água do Paraíba do Sul e afetar inclusive o abastecimento aqui no Rio de Janeiro. Pois se mexer lá no Paraíba do Sul, vai faltar água aqui também.


    oglobo.globo.com
    Aécio diz que vai declarar \.
    Tucano minimizou problemas de abastecimento em São Paulo e disse que governo não apoiou o estado
  • Fonte: O Globo em 17/10/2014

    Cedae: não há risco de falta d’água na Região Metropolitana do Rio
    RIO - O Rio de Janeiro vive a maior estiagem em 50 anos ... o que é além de sua capacidade. — Em relação ao Rio Paraíba do Sul, a operação tem sido conduzida de maneira correta pela Agência Nacional de Águas (ANA), já que é um rio federal ...

  • Fonte: G1 em 19/10/2014 Brasil

    Polícia prende suspeito de matar PM da UPP Mangueira, no Rio
    Policiais militares prenderam, neste domingo (19), o homem suspeito de assassinar o PM Thiago Rosa Coelho da Silva, lotado na UPP da Mangueira, na Zona Norte. Simão de Mesquita Freitas, conhecido como “Paraíba”, teria baleado o policial durante ...

  • Eloana Alves.... vc apenas subiu um degrau... leia ai O curso tem duração média de 5 anos. Abaixo segue uma lista com algumas das universidades públicas que oferecem essa graduação: Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Universidade de Brasília (UnB) Universidade Federal de Sergipe (UFS) Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Universidade Federal do Piauí (UFPI) Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) Universidade Estadual de Londrina (UEL) Universidade Federal do Rio Grande (UFRG) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Universidade de São Paulo (USP) Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho” (UNESP) Universidade Estadual de Maringá (UEM) Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) Universidade de Pernambuco (UPE) Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Universidade Federal do Pará (UFPA) Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Universidade Federal Fluminense (UFF) Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Universidade Federal da Bahia (UFBA) Universidade Federal de Goiás (UFG) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Universidade Federal do Ceará (UFC) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) Universidade Federal do Mato Grosso do S...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • SBT Rio

    em 08/08/2014 Via Youtube
    Secretaria de Meio Ambiente realiza limpeza no Rio Paraíba do Sul

    Em campos a secretaria de meio ambiente com o apoio da secretaria de limpeza pública, praças e jardins, defesa civil e da ONG Rema Campos realizou uma ação d...

  • Estados que sustentam o Brasil. Pasmem !! Tínhamos esse sentimento. Entretanto não sabíamos da veracidade desses números, cujas diferenças são astronômicas . Dá para fazer uma boa reflexão acerca da situação econômica e social das regiões, bem como o uso pelo poder político da situação. E ainda querem criar mais estados no Brasil. Na federação norte-americana, a regra básica foi que para entrar na União, o Estado produzisse riquezas e fosse auto-suficiente... E aqui, existe regra? Veja abaixo quanto cada Estado recebe e repassa ao Governo Federal (via arrecadação de Impostos ). Depois faça as contas e veja quem sustenta quem! É assustador... O Brasil que trabalha... Estado Quanto paga ao governo federal Quanto recebe do governo federal Por Estado, a primeira linha refere-se ao quanto paga e a segunda ao que recebe em Reais: Maranhão 1.886.861.994,84 9.831.790.540,24 -7.944.928.545,40 Bahia 9.830.083.697,06 17.275.802.516,78 -7.445.718.819,72 Pará 2.544.116.965,09 9.101.282.246,80 -6.557.165.281,71 Ceará 4.845.815.126,84 10.819.258.581,80 -5.973.443.454,96 Paraíba 1.353.784.216,43 5.993.161.190,25 -4.639.376.973,82 Piauí 843.698.017,31 5.346.494.154,99 -4.502.796.137,68 Alagoas 937.683.021,32 5.034.000.986,56 -4.096.317.965,24 Pernambuco 7.228.568.170,86 11.035.453.757,64 -3.806.885.586,78 Rio Grande do Norte 1.423.354.052,68 5.094.159.612,85 -3.670.805.560,17 Tocantins 482.297.969,89 3.687.285.166,85 -3.204.987.196,96 Sergipe 1.025.382.562,89 3.884.995.979,60 -2.859.613.416,71 Acre 244.750.128,94 2.656.845.240,92 -2.412.095.111,98 Amapá 225.847.873,82 2.061.977.040,18 -1.836.129.166,36 Rondônia 686.396.463,36 2.488.438.619,93 -1.802.042.156,57 Mato Grosso 2.080.530.300,55 3.864.040.162,26 -1.783.509.861,71 Roraima 200.919.261,72 1.822.752.349,69 -1.621.833.087,97 Mato Grosso do Sul 1.540.859.248,86 2.804.306.811,00 -1.263.447.562,14 Goiás 5.397.629.534,72 5.574.250.551,47 -176.621.016,75 Amazonas 6.283.046.181,11 3.918.321.477,20 2...(Continuar Lendo)
    ...(Continuar Lendo)
  • Rádio CBN

    em 20/03/2014 Via Google++
    |ENTREVISTA|

    Captação de água do Paraíba do Sul pode causar impactos ao Rio de Janeiro. Ouça entrevista com o presidente da Agência Nacional de Água (ANA), Vicente Andreu. http://glo.bo/1pesRKK

    Foto: Halley Pacheco de Oliveira/Wikimedia Commons

    |ENTREVISTA| Captação de água do Paraíba do Sul pode causar impactos ao Rio de Janeiro. Ouça entrevista com o presidente da Agência Nacional de Água (ANA), Vicente Andreu. http://glo.bo/1pesRK

AVISO: O conteúdo de cada postagem é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Previsão do tempo na Região


Participe e comente sobre a cidade de Paraíba do Sul


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)