Início » Rio de Janeiro » Teresópolis


Teresópolis - Rio de Janeiro



Estimativa Populacional 2012. Página visitada em 12 de dezembro de 2012.

Teresópolis é um município da Microrregião Serrana, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Ocupa uma área de 770,601 km², contando com uma população de 167 622 habitantes (2012), segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O seu Centro tem uma temperatura média anual de dezesseis graus centígrados. Na vegetação do município, predomina a mata atlântica. Em relação à frota automobilística, em 2009 foram contabilizados 36 336 veículos. O município contava, em 2009, com 75 estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano é de 0,790.

"Teresópolis" é formado pela junção do antropônimo "Teresa" com o termo de origem grega "pólis" (que significa "cidade"), significando, portanto, "cidade de Teresa". Trata-se de uma homenagem à imperatriz brasileira Teresa Cristina.

História da cidade de Teresópolis

O mais antigo documento que existe, fazendo referência ao "povoado e sertão", localizados por detrás da serra dos órgãos, é uma planta levantada por ocasião da "viagem feita a essa serra pelo Dr. Baltazar da Silva Lisboa, Juiz de Fora do Rio de Janeiro, ordenada pelo Ministro e Secretário dos Negócios Ultramarinos, em 1788". Contém a descrição da serra e uma pequena notícia sobre o "sertão", onde vem assinalada a cascata do Imbuí. Nada de notável havia, além da estrada de penetração partindo de Piedade (litoral), galgando a serra e seguindo para o verdadeiro sertão.

Teresópolis tornou-se conhecida depois que ali se estabeleceu o súdito inglês George March (nascido e educado em Lisboa), que adquiriu uma sesmaria de 4 léguas quadradas, na serra dos órgãos, anteriormente a 1821.

Com fazenda de criação e cultivo de cereais March, antigo negociante no Rio de Janeiro localizou a sede da fazenda no Alto, o campo das éguas na Várzea, as lavouras no Quebra-frascos e no Imbuí e em Antônio José, os potros e novilhas. Morando em residência confortável, convidava patrícios e amigos a fazerem-lhe companhia na estação calmosa, começando, assim, o hábito do veraneio na serra.

A segunda doação de terras foi feita por D. João VI ao Tenente Joaquim Paulo de Oliveira (filho de José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes), como prêmio pelos bons serviços prestados ao rei: uma "posse" no vale do córrego Antônio José, nas proximidades da cascata do Imbuí, deu o nome a todo aquele vale.

A região era alcançada, primeiramente, pela estrada Magé-Sapucaia, via Canoas, mas, depois de abandonado o trecho de Socavão, passou a ser atravessada pela nova estrada da serra dos órgãos, caminho preferido para o Pôrto da Piedade e o mais curto para a Corte.

Data de 1845, quando faleceu George March, o começo da povoação, pela divisão da propriedade entre seus herdeiros que, por sua vez, a retalharam e venderam em fazendas menores, sítios e lotes.

Todas essas terras que constituíram a sesmaria March, depois Fazenda dos órgãos e Fazenda March, voltaram, com pequenas exceções no Quebra-frascos, no Imbuí e na Posse (que couberam aos descendentes do Tenente Joaquim Paulo), a centralizar-se nas mãos de um único proprietário " Companhia Estrada de Ferro Teresópolis", conforme contrato de construção da estrada de ferro e da cidade de Teresópolis, lavrado a 16 de julho de 1890.

A construção da estrada de ferro e da cidade prendia-se ao desejo do governo do Estado do Rio de Janeiro em transferir a capital estadual para este local. Tais planos, porém, não foram realizados, e outra vez a propriedade é desmembrada e retalhada, resultando a cidade atual. Do que fora previsto no plano, somente a criação do Município efetivou-se a 6 de julho de 1891.

Acredita-se que a denominação de Teresópolis, dada à povoação, tenha sido em homenagem à Imperatriz D. Teresa Cristina.

A construção da estrada de ferro, que havia sido tentada em 1872, foi realizada pelo engenheiro José Augusto Vieira, sucessor da primitiva, Cia. Estrada de Ferro Teresópolis, e inaugurada a 19 de setembro de 1908, exatamente 13 anos depois de iniciados os trabalhos. Tornou-se mais tarde obsoleta com o advento das boas rodovias e hoje não mais existe.

Gentílico: teresopolitano

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Santo Antônio do Paquequer, pela lei provincial ou decreto provincial nº 829, de 25-10-1855, no município de magé.

Elevado a categoria de vila com a denominação de Santo Antônio do Paquequer, pelo decreto estadual nº 280, de 06-07-1891, desmembrado de Magé. Constituído do distrito sede.

Elevado à condição de Cidade e sede municipal, pela lei estadual nº 43, de 31-01-1893.

Pelos decretos estaduais nº 1, de 08-05-1892 e nº 1-A, de 03-06-1892, o distrito de Santo Antônio de Paquequer passou a denominar-se Teresópolis. Sob os mesmos decretos é criado o distrito de Santa Rita e anexado ao município de Teresópolis ex-Santo Antônio de Paquequer.

Pelo decreto nº 517, de 17-12-1901, o município de Teresópolis adquiriu o distrito de Sebastiana do município de Nova Friburgo e anexado ao de Teresópolis.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituido de 3 distritos: Teresópolis, Santa Rita, Sebastiana.

Assim permanecendo em divisões territtoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto estadual nº 641, de 15-12-1938, o distrito de Santa Rita Passou a denominar- se Paquequer Pequeno.

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 3 distritos: Teresópolis, Paquequer Pequeno ex-Santa Rita e Sebastiana. Pelo decreto-lei estadual nº 1056, de 31-12-1943, o distrito de Sebastiana passou a denominar-se Nhunguaçu.

Em divisão territorial datada e I-VII-1960, o município é constituído de 3 distritos: Teresópolis, Nhungaçu ex-Sebastiana e Paquequer-Pequeno.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 18-VIII-1988.

Pela lei orgânica de Teresópolis, publicada de 05-04-1990, o distrito de Nhungaçu passou a denominar-se Vale de Bonsucesso e o de Paquequer Pequeno a denominar-se Vale do Paquequer.

Em "Síntese" de 31-XII-1994, o município é constituído de 3 distritos: Teresópolis, Vale do Bonsucesso e Vale do Paquequer.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica municipal

Santo Antônio de Paquequer para Teresópolis alterado, pelos decretos estaduais nº s 08-05-1892 e 1-A, de 03-06-1892.

Fonte: IBGE

Código do Município

3305802

Gentílico

teresopolitano

Prefeito

VINICIUS CARDOSO CLAUSSEN DA SILVA

População
População estimada [2018]180.886 pessoas  
População no último censo [2010]163.746 pessoas  
Densidade demográfica [2010]212,49 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,1 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]41.822 pessoas  
População ocupada [2016]24,0 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]32,3 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]96,2 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]5,6  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,7  
Matrículas no ensino fundamental [2017]21.642 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]5.534 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]1.216 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]412 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]106 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]17 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]29.997,09 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]69,6 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,730  
Total de receitas realizadas [2017]461.159,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]443.128,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]13,98 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,3 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]48 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]773,338 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]67,2 %  
Arborização de vias públicas [2010]37 %  
Urbanização de vias públicas [2010]54,7 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Teresópolis: Imagens da cidade e Região

imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-1
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-2
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-3
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-4
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-5
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-6
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-7
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-8
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-9
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-10
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-11
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-12
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-13
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-14
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-15
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-16
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-17
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-18
imagem de Teres%C3%B3polis+Rio+de+Janeiro n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Teresópolis e arredores.


Você conhece a cidade de Teresópolis? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. Carlos Almeida's avatarCarlos Almeida

    Já havia visitado a cidade de Petrópolis alguns anos atrás e agora (2017) minha mulher, meu compadre e eu resolvemos conhecer Teresópolis. Como bons mochileiros, saimos do Rio de ônibus e após uma maravilhosa viagem chegamos ao destino. Nossa primeira preocupação foi achar um local onde pudessemos deixar nossa coisas. Fomos informados sobre um lugar, simples, no centro da cidade chamado "Nômade Hotel". Ficamos hospedados ali. Saimos pela cidade, sem rumo e sem destino, apenas para conhecer, era época de carnaval e as pessoas se divertiam de modo descontraído porém com muita alegria. Jantamos numa Pizzaria muito legal. No entanto, o melhor estava por vir, pela manhã visitamos o Parque da Serra dos Órgãos cuja propaganda já tinha visto pela TV na minha cidade (Belém). Saímos cedo e preparados (levávamos água e muitas frutas). O local é muito bonito, fizemos algumas trilhas e por último fizemos a trilha que leva até o Mirante de onde se tem uma visão privilegiada do "Dedo de Deus". Olha, confesso que a subida não foi fácil, principalmente para meus dois acompanhantes que a certa altura desistiram. Continuei a subir sozinho e logo alcancei o Mirante. O local é lindo vale a pena todo o esforço. Chamei pelos meus companheiros e logo eles estavam lá em cima também. Tiramos um monte de fotos (inclusive com outras pessoas) colocamos o preparo físico em dia e fizemos a descida. Minha mulher se apaixonou e deseja voltar lá, dessa vez levando nossos filhos.

    #1 – 10/05/2017 - 18:16

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: