Início » Minas Gerais » Tiradentes


Tiradentes - Minas Gerais



Tiradentes faz parte do estado de Minas Gerais.

Suas antigas denominações foram "Arraial Velho de Santo Antônio", e "Vila de São José do Rio das Mortes" e cidade de São José del-Rei. O nome São José resulta de homenagens ao então príncipe de Portugal D. José I. A vila de São José resultou do desmembramento da vila de São João del-Rei em 1718. As lavras de São José del-Rei foram descobertas por João de Siqueira Afonso, em 1702, nos primórdios do século XVIII.

Ao ser proclamada a República, o governo republicano precisava de um herói que, segundo os novos governantes, representava esses ideais. A escolha caiu sobre o alferes Joaquim José da Silva Xavier, que além de tudo combateu um governo monárquico. Dessa feita, foi mudado o nome da cidade para Tiradentes. Tiradentes tornou-se um dos centros históricos da arte barroca mais bem preservados do Brasil, por isso voltou a ter importância, agora turística, na metade do século XX, foi proclamada patrimônio histórico nacional tendo suas casas, lampiões, igrejas, monumentos e demais partes recuperadas.

História da cidade de TIRADENTES MINAS GERAIS Monografia - n.° 423 Ano: 1962

ASPECTOS HistóricoS

OS PRIMEIROS povoadores das terras do atual município de Tiradentes foram paulistas, atraídos pelos cascalhos e manchas de ouro nos montes e bacia do rio das Mortes.

Segundo o professor Fábio Nelson Guimarães, a região foi desbravada por Tomé Portes del-Rei guarda-mor distrital estabelecido nas imediações da atual São João del-Rei, como preposto do guarda-mor geral Garcia Rodrigues Pais.

No lugar denominado Porto Real da Passagem, vivia Portes com sua família, cuidando de suas canoas, da agricultura e venda de víveres e munição, além de cobrar impostos dos aventureiros. Em suas andanças, à cata de ouro, João de Siqueira Afonso chegou aquelas paragens, alertando Portes sobre a existência de ouro no sopé da serra de São José. Fundou-se no ano de 1702 o primeiro agrupamento de garimpeiros no local denominado Arraial de Santo Antônio, com a fixação de Siqueira Afonso e seus auxiliares.

Nesse mesmo ano morreu Portes, quando eram explorados os veios da ponta do morro, muito abaixo do riacho de Santo Antônio, sob a orientação de Antônio Bueno, nas imediações de Prados. Somente após o seu falecimento descobriram-se sob a direção do guarda-mor Antônio Garcia da Cunha, os veios auríferos das serras sanjoanenses, no ano de 1705.

Palco das lutas entre paulistas e emboabas, a região evoca ainda a chacina do Capão da Traição, em fevereiro de 1709. Os paulistas planejaram a desforra sob o comando de Amador Bueno da Veiga e os combates se prolongaram de 14 a 18 de novembro daquele ano, quando os paulistas abandonaram o local, ante a notícia da vinda de reforços aos adversários. Os sobreviventes dessas lutas instalaram-se na Várzea do Marçal, até a final pacificação da região.

A 19 de janeiro de 1718 criou-se a segunda vila do Rio das Mortes. com o nome de São José, em homenagem ao Príncipe D. José, então com 4 anos de idade, filho de D. João V. Sítio histórico por excelência foi sobretudo berço do Mártir da Independência, Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes.

Com a exploração do ouro em grande escala sua população cresceu provocando um aumento rápido de moradias, construção de igrejas, bom número de comerciantes, surgindo então a cidade, a 7 de outubro de 1860.

JOAQUIM JOSé DA SILVA XAVIER - o Tiradentes - nasceu em 1746 na Fazenda do Pombal, entre São José del Rei (hoje Tiradentes) e São João del Rei Minas Gerais, e foi executado em 21 de abril de 1792, na cidade do Rio de Janeiro.

Aprendeu as primeiras letras com seu irmão Domingos. órfão aos 11 anos fêz-se sucessivamente mascate, minerador e médico prático. A alcunha adveio da habilidade com que manejava o boticão. Sua popularidade se estendeu até o Rio de Janeiro.

Pertenceu ao Regimento de Dragões de Minas Gerais. No posto de alferes, como comandante da patrulha do Caminho Novo, de Vila Rica ao Rio de Janeiro, mostrou-se eficiente e destemido na ronda do mato, contra salteadores que infestavam a região. Desempenhou outras funções, tendo recebido elogios do Governador Luís da Cunha Menezes, O "Fanfarrão Minésio" das Cartas Chilenas.

Quatro vezes preterido nas promoções, licenciou-se do Exército e voltou à mineração, comprando um sítio na Rocinha Negra, Comarca do Rio das Mortes. Não foi, porém, feliz nos negócios.

Planejou, depois, em 1788, um empreendimento de vulto no Rio de Janeiro: a canalização dos rios Andaraí e Maracanã, além da construção de um trapiche e local para embarque e desembarque de gado. O vice-rei não acreditou nos projetos, que seriam mais tarde executados, por D. João VI.

Esses planos, a par da preocupação de instalar em Minas uma fábrica de ferro, indicam o tirocínio de Tiradentes.

Em 1789, causou descontentamento geral no povo a chegada as Minas do Visconde de Barbacena com o propósito de proceder a cobrança dos quintos, em atraso. O lançamento da derrama deu origem a conjuração que passou à história com o nome de Inconfidência Mineira. O grupo de conspiradores, composto de homens cultos e influentes, tinha no Tiradentes seu mais ardoroso adepto, que se encarregaria de prender o Governador quando recebesse a senha: "Tal dia é o batizado". A conjura teve um delator - coronel Joaquim Silvério dos Reis. Barbacena suspendeu a derrama e Tiradentes foi preso no Rio de Janeiro a 10 de maio de 1789.

Nos três anos por que se arrastou o processo, Tiradentes assumiu toda a responsabilidade da rebelião. Condenado à forca, subiu ao patíbulo, depois de percorrer em procissão as principais ruas do centro da cidade do Rio de Janeiro. Morto, cortaram-lhe a cabeça e esquartejaram-no. Com seu sangue lavrou-se uma certidão de que fora cumprida a sentença. Metidos em salmoura, os restos do herói voltaram à Capitania de Minas Gerais. A cabeça, dentro de uma gaiola, apodreceu em um poste, em Vila Rica. Os quartos ficaram expostos ao longo do Caminho Novo onde o "malvado alferes" fazia as "infames prédicas" pela liberdade da Pátria.

FORMAçãO ADMINISTRATIVA Alvará de 12 de janeiro de 1719 criou o Município de São José del Rei, instalado a 28 do mesmo mês e ano, com o nome de São José do Rio das Mortes, mais tarde trocado para São José del Rei. Na realidade o primeiro nome foi São José da Ponta do Morro, também chamado Arraial Velho do Rio das Mortes e Arraial de Santo Antônio.

A criação do distrito data de 16 de fevereiro de 1724. Suprimido o Município pela Lei provincial n.º 360, de 30 de setembro de 1848, restaurou-o a de n.° 452, de 20 de outubro de 1849, com território desmembrado do Município de São João del Rei.

Em virtude da Lei provincial n.° 1.092, de 7 de outubro de 1860, foi à sede municipal elevada à categoria de cidade, à qual, por Decreto estadual n.° 3, de 6 de dezembro de 1889, foi dado o nome atual de Tiradentes.

A Lei estadual n° 2, de 14 de setembro de 1891, ratificou a criação do distrito-sede do Município em apreço, que, na Divisão Administrativa de 1911 e nos quadros de apuração do Recenseamento Geral de 1-IX-1920, figura com dois distritos: Tiradentes e Barroso.

De conformidade com a Lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923, o distrito de Tiradentes adquiriu parte do território do distrito-sede de Prados.

Entretanto, por Decreto-lei estadual n.° 148, de 17 de dezembro de 1938, perdeu o Município o distrito de Barroso, transferido para o recem-criado Dores de Campos, além de parte da, área do distrito-sede, para o Município de Prados.

Pela Lei estadual n.º 2.764, de 30 de dezembro de 1962, com a criação do distrito de Santa Cruz de Minas, passou a atual constituição em dois distritos.

Com a Lei nº 12.030, de 21 de dezembro de 1995, foi criado o município de Santa Cruz de Minas e desmembrado do município de Tiradentes pela Lei nº 12.050 em 29/12/1995.

Com a Lei nº 1.738, cria os Distritos de Elvas e Caixa D′ água da Esperança.

é Termo da Comarca de São João del Rei.

Fonte: IBGE

Código do Município

3168804

Gentílico

tiradentino

Prefeito

JOSÉ ANTONIO DO NASCIMENTO

População
População estimada [2018]7.886 pessoas  
População no último censo [2010]6.961 pessoas  
Densidade demográfica [2010]83,82 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]1,5 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]2.505 pessoas  
População ocupada [2016]32,4 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]29,6 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]98 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]5,9  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,4  
Matrículas no ensino fundamental [2017]722 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]194 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]49 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]16 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]6 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]1 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]18.178,82 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]77,2 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,740  
Total de receitas realizadas [2017]22.194,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]17.934,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]22,22 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,4 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]4 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]83,047 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]80,8 %  
Arborização de vias públicas [2010]23,1 %  
Urbanização de vias públicas [2010]21,4 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Tiradentes: Imagens da cidade e Região

imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-1
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-2
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-3
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-4
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-5
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-6
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-7
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-8
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-9
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-10
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-11
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-12
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-13
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-14
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-15
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-16
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-17
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-18
imagem de Tiradentes+Minas+Gerais n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Tiradentes e arredores.


Você conhece a cidade de Tiradentes? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: