Início » Minas Gerais » Caeté


Caeté - Minas Gerais



Caeté é um município da Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, no Brasil. De acordo com o censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 2010, sua população é de 40 786 habitantes.

É neste município que se encontra a Serra da Piedade. No alto, há um santuário católico que recebe romeiros. No mesmo lugar, funciona o Observatório Astronômico Frei Rosário, da Universidade Federal de Minas Gerais.

"Caeté", em língua tupi, significa "mato verdadeiro", através da junção dos termos ka′a ("mato") e eté ("verdadeiro"). Sua denominação anterior era Vila Nova da Rainha.

História da cidade de CAETÁ MINAS GERAIS Monografia - n°.: 331 Ano: 1966

ASPECTOS HlSTÁRlCOS

AS PRIMEIRAS entradas que desbravaram o planalto mineiro se realizaram no início do século XVII destacando-se a de André de Leão, as nascentes do rio São Francisco (1601-1602), e a de Nicolau Barreto a bacia do rio das Velhas (1602). A primeira a devassar a região de Caeté teria sido a de Lourenço Caetano Taques, como o indica a Carta Régia datada de 23 de março de 1664, ao louvar Taques pelos serviços prestados na descoberta das "Minas de Cataguás" e dos "Sertãoes de Caeté". Deve-se fixar o ano de 1663, ou talvez o de 1662, como o da penetração de Taques na região caetã" ense.

A Taques, sucedeu na exploração do sertão de Caeté, Antônio Rodrigues Arzão, que conseguiu extrair de seu solo apreciável quantidade de ouro e que, ao abandonar a região. Iegou a um cunhado, Bartolomeu Bueno, os seus descobertos.

Estas entradas foram precursoras das bandeiras, expediçãoes que completaram o desbravamento de toda região planaltina mineira, deixando sua marca não só em suas linhas de penetração, mais tarde transformadas em caminhos e estradas, como ainda no estabelecimento de pousos, origem, muitas vezes. de futuros núcleos de população. A mais importante para a região planaltina mineira, foi a de Fernão Dias Pais - o caçador de esmeraldas - que esquadrinhou os sertãoes durante sete anos (1674-1681), abriu inúmeros caminhos e a primeira ligação sul-norte entre São Paulo e a Bahia, antes de falecer as margens do rio das Velhas, em 1681. A exploração da zona deste rio e do Caeté - encosta ocidental do Espinhaço - iniciou-se quando Manuel de Borba Gato fundou, no sertão de Saburuçu, um arraial que daria origem a futura Vila (Real de Nossa Senhora da Conceição) de Sabará.

A primeira bandeira a pisar o solo do atual Município teria sido a do paulista Leonardo Nardez (1701), que é citado pelo naturalista, geólogo e engenheiro de minas, Guilherme von Eschwege, em sua obra "Pluto Brasiliensis", como "descobridor de Caeté". Também o historiador Rodolfo Jaco; diz: "subindo pelo rio Sabará ao longo da serra alcantilada e depois por um dos seus galhos, Nardez e seus companheiros encontrando boa pista, vieram pousar entre colinas plácidas a margem de um ribeirão, cuja fonte próxima depararam a boca da mata espessa (Caeté), que orlava então a encosta da serra divisória do rio Doce. Daí, o nome dado ao regato pelos índios ou pelos próprios invasores e, por estes, depois ao pequeno arraial que levantaram."

Não tardou muito que a descoberta de ouro em Caeté se fizesse conhecida em toda Colônia e atraísse levas de paulistas e forasteiros do litoral brasileiro e do Reino, vindos sobretudo da Bahia pelo rio São Francisco, ficando o arraial já em 1704 muito povoado. Entre os seus primeiros povoadores, citam-se Frei Simão de Santa Teresa, que deu início, em 1704, a construção da igreja do Rosário; e Manuel Nunes Viana, estabelecido no sopé da serra da Piedade, onde extraiu 50 arrobas de ouro, riqueza igual a que Borba Gato acumulara em Sabarabuçu (Sabará). O reinol, Nunes Vieira, foi propagador da Chamada "guerra dos emboabas" no arraial de Caeté, chegando em 1708 a guindar-se a liderança do movimento e proclamar-se "ditador supremo das Minas". O regime rebelde só teve fim em 1709.

Pacificada as Minas Gerais, Caeté evoluiu rapidamente, sendo elevada a Vila Nova da Rainha do Caeté em 1714.

Ainda repercutiam as solenidades da instalação da nova Vila, quando o povo do Morro Vermelho e da Vila se rebelou, em 1715, contra a cobrança do quinto do ouro por bateia , recomendada em tres cartas régias de novembro de 1714, processo fiscal vexatório que irritou o povo oprimido.

Sufocado o levante do Môrro Vermelho, a Vila Nova da Rainha caiu em sensível desânimo, em parte devido às usurpaçãoes da Metrópole, mas principalmente em decorrência da exaustação dos aviãoes auríferos. Em 1833, em conseqüência de sua participação na revolta militar de Ouro Preto, Caeté teve seus foros de vila suprimidos, só restaurados em 1840, com a denominação de Caeté.

O Município renasceu econômicamente com o aparecimento da indústria no final do século passado, que se vem desenvolvendo nas últimas décadas.

Formação Administrativa e Judiciária O MUNICÁPIO de Vila Nova da Rainha foi criado a 29 de janeiro de 1714, e instalado a 14 do mês seguinte. Por força da Resolução de 30 de junho de 1833, o Município foi suprimido. Restaurou-o, porém, com a denominação atual, a Lei provincial n. 171, de 23 de março de 1840. Em 25 de novembro de 1865, pela Lei provincial n. 1 258, a Vila de Caeté foi elevada à categoria de cidade.

Pela Lei n. 2 764, de 30 de dezembro de 1962, ficou o Município composto dos distritos de Caeté (sede), Antônio dos Santos, Morro Vermelho, Penedia e Roças Novas, por ter perdido os distritos de Taquaruçu e União de Caeté, que ganharam autonomia administrativa.

A Comarca, de 3.oª entrância, foi criada pela Lei n.oº 11, de 13 de novembro de 1891, com um só termo compreendendo atualmente também os municípios de Taquaraçu de Minas e José de Melo.

Fonte: IBGE

Código do Município

3110004

Gentílico

caeteense

Prefeito

LUCAS COELHO FERREIRA

População
População estimada [2018]44.377 pessoas  
População no último censo [2010]40.750 pessoas  
Densidade demográfica [2010]75,11 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,0 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]6.032 pessoas  
População ocupada [2016]13,7 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]34,8 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]96,9 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]6.2  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4.7  
Matrículas no ensino fundamental [2017]4.984 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]1.693 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]275 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]110 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]23 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]5 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]13.787,43 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]70,3 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0.728  
Total de receitas realizadas [2017]88.074,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]83.429,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]5,77 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,4 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]19 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]542,531 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]83,3 %  
Arborização de vias públicas [2010]55,9 %  
Urbanização de vias públicas [2010]16,3 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Caeté: Imagens da cidade e Região

imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-1
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-2
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-3
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-4
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-5
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-6
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-7
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-8
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-9
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-10
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-11
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-12
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-13
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-14
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-15
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-16
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-17
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-18
imagem de Caet%C3%A9+Minas+Gerais n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Caeté e arredores.


Você conhece a cidade de Caeté? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: