Início » Minas Gerais » Visconde do Rio Branco


Visconde do Rio Branco - Minas Gerais



Visconde do Rio Branco faz parte do estado de Minas Gerais. Visconde do Rio Branco hoje possui cerca de 37.952 habitantes (IBGE 2010).

Visconde do Rio Branco, antigo distrito criado em 1810 (1891) com a denominação de São João e subordinado ao município de Pomba (hoje: Rio Pomba), tornou-se vila (São João Batista do Presídio) em 1839, mas foi extinta em 1853 (1871), figurando como distrito do município de Ubá. Retournou ao status de vila por leis provinciais de 22 de julho de 1868 e 22 de setembro de 1881 e alcançou condição de cidade em 1882, sendo renomeado para Rio Branco. Em 1943 o município recebeu a sua denominação atual, Visconde de Rio Branco.

O município possui importantes órgãos e colaboradores na área da ajuda social, a saber:

História da cidade de Os primeiros habitantes do território riobranquense foram os indígenas Croatos, Cropós e Puris, procedentes do litoral fluminense, das baixadas dos Campos dos Goitacases, onde recebiam a denominação de Goitacás.

Esses índios, após a confederação dos Tamoios, nos fins do século XVIII se viram pressionados por tribos inimigas e obrigados a deixar suas aldeias primitivas e partirem em busca de novas terras, ricas em caça, pesca e frutas, distante de selvagens agressivos. O caminho mais fácil e acessível para a fuga foi o curso a margem do Rio Paraíba do Sul e seus afluentes, os rios Pomba e Muriaé. Em seguidas migrações, subiram por esses rios vindo atingir as margens superiores dos rios Xopotó e Bagres, onde passaram a habitar, dando, assim, origem ao aparecimento de localidade, que paralela ou sucessivamente, foi denominada Xopotó dos Coroados, Aldeamento do Presídio, Aldeia do Presídio, Presídio, São João Batista do Presídio, Presídio, Visconde do Rio Branco, Rio Branco, Paranhos e, finalmente Visconde do Rio Branco.

Ainda no fins do século XVIII os Croatos receberam os cuidados do Missionário Padre Francisco da Silva Campos e do civilizador Guido Thomaz Marliere. Em 1730, as Autoridades da Capitania tomavam medidas com o fim de conquistar esses indígenas. Coube, no entanto, ao Padre ongelo da Silva Pessanha o mérito de iniciador da tarefa de civilizar os Croatos, tendo conseguido fazer cessar as ferozes lutas que eram travadas contra os brancos devastadores. Não resistiram, porém, por muito tempo o contato com o pretenso civilizador e extinguiram-se como tribos na década setenta do século XIX.

Origem do Topônimo

O atual nome Visconde do Rio Branco foi dado ao município em homenagem ao grande estadista José Maria da Silva Paranhos(o Visconde do Rio Branco). Desde o final do século XVIII até o ano de 1945, teve o município diversas denominações, o que sempre motivou equívocos e aborrecimentos lamentáveis. O primeiro nome dado por ocasião do desbravamento da região, no final do século XVIII, foi o de Zona do Rio Xopotó dos Coroados, por ser a região habitada pelos índios Croatos ou Coroados. Posteriormente, teve o de Aldeia do Xopotó e no início do século XIX eram território e povoação, denominados Presídio de São João Batista ou São João Batista do Presídio, por ter sido o local escolhido pela Capitania para a localização de presos políticos ou comuns; funcionava como presídio aberto, tendo a cercá-lo densas florestas. Mais tarde, prevalecendo a lei do menor esforço, foi a expressão reduzida para Arraial do Presídio e depois simplesmente Presídio. Ao receber foros de cidade, a Vila passou a denominar-se Visconde do Rio Branco, depois Rio Branco e em 1943, recebeu o topônimo de Paranhos, tendo finalmente, em 1945 restabelecido o nome de Visconde do Rio Branco.

O distrito foi criado em 24/07/1810 pela Lei provincial de n° 21 e o município em 16 de março de 1839 pela Lei provincial de nº 134, com a denominação de São João Batista do Presídio, com sede no povoado de mesmo nome. Foi, no entanto, suprimido pela Lei provincial nº 654, de 17 de junho de 1853, passando a pertencer à povoação de São Januário de Ubá(Atual Ubá), para onde a sede foi transferida. O município foi restaurado pela Lei 1 573, de 22 julho de 1868, para ser novamente extinto pela Lei provincial nº 1 755, de 30 de março de 1871. Restabeleceu-o com território desmembrado do de Ubá, a Lei provincial n° 2 785, de 22 de setembro de 1 881, ocorrendo a reinstalação em 22 de Setembro de 1 882. Pelo disposto na Lei provincial nº 2 955, de 19 de Outubro de 1882, a sede do município recebeu foros de cidade, sob a designação de Visconde do Rio Branco.

Gentílico: Riobranquense.

Localizado na Microrregião de Ubá, na Mesorregião da Zona da Mata, com área de 240,5 Km2, limita-se com os municípios de Divinésia, Guidoval, Guiricema, Paula Cândido, São Geraldo e Ubá.

Fonte: Informações Básicas(IBGE)

Autor do Histórico: JOSé ANTôNIO FELIPPE

Código do Município

3172004

Gentílico

rio-branquense

Prefeito

IRAN SILVA COURI

População
População estimada [2018]42.149 pessoas  
População no último censo [2010]37.942 pessoas  
Densidade demográfica [2010]155,91 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,0 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]12.442 pessoas  
População ocupada [2016]29,9 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]29 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]97,5 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]6.4  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4.5  
Matrículas no ensino fundamental [2017]4.784 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]1.344 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]320 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]104 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]24 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]4 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]25.330,01 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]77,6 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0.709  
Total de receitas realizadas [2017]95.622,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]94.804,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]8,11 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]7,9 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]20 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]243,351 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]85,2 %  
Arborização de vias públicas [2010]71,8 %  
Urbanização de vias públicas [2010]55,9 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Visconde do Rio Branco: Imagens da cidade e Região

imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-1
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-2
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-3
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-4
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-5
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-6
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-7
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-8
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-9
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-10
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-11
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-12
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-13
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-14
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-15
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-16
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-17
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-18
imagem de Visconde+do+Rio+Branco+Minas+Gerais n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Visconde do Rio Branco e arredores.


Você conhece a cidade de Visconde do Rio Branco? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. Maria das Vitórias Rocha's avatarMaria das Vitórias Rocha

    Há muito, venho procurando na internet e sempre quis conhecer a história da origem do Arraial do Presídio, pois, acho que aí,está a grande "corrente" do "elo" perdido, mais ou menos no meado do século XVIII,que originou a minha linda e gigantesca FAMÍLIA ROCHA, aqui no Centro Oeste de Minas Gerais.

    Contava minha tia,que seu avô,Francisco de Paula Rocha,rapazinho de uns treze anos,filho de um fazendeiro aí do Arraial do Presídio, veio com um boiadeiro buscar uma boiada e que no caminho,muito longe de casa,faleceram, acometidos por maleita,só ficando ele,que, sem ter como voltar pra casa,ficou perdido, aqui se tornando homem,começando uma nova vida.

    Gostaria muito de saber se ainda existe,descendentes da FAMÍLIA ROCHA do antigo Arraial do Presídio,hoje, Visconde do Rio Branco e assim, quem sabe,um dia poder unir esse "ELO" PERDIDO à "CORRENTE DE ORIGEM",tornando assim ,ainda mais gigantesca a FAMÍLIA ROCHA.

    #1 – 19/05/2016 - 17:25

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: