Início » Minas Gerais » Sem-Peixe


Sem-Peixe - Minas Gerais



Sem-Peixe faz parte do estado de Minas Gerais.

A cidade encontra-se em uma região montanhosa na bacia do Rio Doce; a vegetação original era a mata atlântica que atualmente foi substituída pela pastagem da criação extensiva. A cidade é banhada pelo ribeirão Sem Peixe que desagua no rio Doce próximo a cidade. Sua população é estimada em 3000 habitantes.

A economia sempeixeana basea-se principalmente na criação extensiva degado de corte e leite.

História da cidade de Sem-Peixe

Pela história oral narrada através dos tempos, o povoamento desta região iniciou-se por volta das últimas décadas do século 19, a passos lentos, por causa dos índios, da dificuldade geográfica e das doenças. As estradas eram trilhas e a vegetação abundante.

No cartório local encontram-se primeiros livros de registros de óbitos, nascimentos e casamentos, datados de 1897. O juiz de paz era o senhor Pedro Alexandrino de Barros, que registrou a abertura dos primeiros livros em 29/01/1897, juntamente com o escrivão senhor João Ferreira de Oliveira. O livro de óbitos registro primeiro falecimento em 5/02/1897, sendo a defunta chamada Basília Maria, com 21 anos, declarada morta por Francisco Ferreira Matoso. Seus pais eram Raimundo Gonçalves Dias e Joaquina de tal.

O primeiro casamento registrado foi de María Marculina de Oliveira e Barrecto Soares ( nome presumível, por causa da caligrafia), e 28/02/1897 e o primeiro nascimento registrado foi de Antonio Ferreira Benfica, filho de Aprígio Ferreira Benfica e Ana Ferreira de Carvalho, residentes em um lugar chamado de Prainha. O pai da criança compareceu ao cartório dia 08/02/1896 e o registro foi feito em 25/02/1897. Aparecem nestes livros como testemunhas e mesmo como declarantes os nomes de Inácio Antônio Novais, José Procópio Souza, João Gualberto de Barros, Luiz Soares de Carvalho, Silvério Ferreira de Oliveira, Acácio Rodrigues Frade e sua esposa Ricardina L. Frade, Francisco Bento de Abreu e outros, sendo que muitas vezes o escrivão usava a expressão fulano... de tal, para nomear as pessoas das quais só se sabia o primeiro nome.Concluímos então, serem estes os primeiros moradores da região. Neste ano,1897, já existia o cemitério na localidade. O distrito de São Sebastião do Sem Seixe pertenceu a já instalada Paróquia de Nossa Senhora da Saúde (Paróquia criada em 7 de abril de 1841 e instalada em 24 de dezembro do mesmo ano), do Arraial da Saúde, pertencente a Mariana.

Em 1902, foi realizada a primeira missa na capela do cemitério por 3 padres , Severino, Guatério e outro e em 1908 foi celebrada a segunda missa pelo padre Felisberto, que passou a celebrar missas mensais.

Nesta época os habitantes eram amasiados e foram obrigados a se casar. Quando se negavam, a correção era feita amarrando-se os maridos em três árvores de tijuco, na esquina da rua das Taquaras ( sem equivalente atual). o cemitério era cercado de arame e de rachas de madeira. A população era muito primitiva, a maioria não era alfabetizada e vivia principalmente do plantio de milho, arroz, feijão, cana-de-açúcar e café.

E 1908, foi construída a primeira capelinha, pelos senhores Acácio frade, Pedro Alexandrino de Barros, Luiz Soares e José Bernardino. A construção foi concluída em 1914 sob a liderança de José Antônio do Nascimento.

Em 1906 instalou-se a primeira escola masculina, com o objetivo de iniciar a alfabetização dos homens que viviam na região. Um dos primeiros comerciantes foi Acácio Rodrigues Frade, que também era fazendeiro. O clima da região era muito ruim. Havia muitos brejos, mosquitos e as pessoas que vinham de fora não resistiam às epidemias de origem desconhecida com febres e feridas. em 1917 veio o primeiro farmacêutico, Sr. Rodolfo Starling, melhorando o tratamento das doenças que assolavam a população. Nesta época pagavam os impostos na cidade Mariana e todos os cereais eram transportados para lá, saindo daqui através de animais de carga e carros de boi. O distrito era Dom Silvério, que pertencia, junto com Sem-Peixe a Alvinópolis, emancipando-se à 19/12/1937. Dom Silvério chamava-se então, Arraial da Saúde. E 1938 o nome foi mudado em homenagem ao bispo Dom Silvério Gomez Pimenta.

Com o passar do tempo, Sem-Peixe passou a contar com uma banda de músicos, time de futebol, com o serviço de correios, que era feito a cavalo. A iluminação era feita através de canudos de taquara com um pavio e azeite, clareando as ruas e as festas noturnas, até chegar a luz elétrica, em 1935.

E 1967, iniciou-se a construção da igreja matriz, inaugurada em 20 de janeiro de 1969. Foi construído o primeiro posto de saúde; o transporte de passageiros para Dom Silvério era feito através de um ônibus chamado de jardineira e o comércio havia se estabelecido e melhorado, com as casas comerciais de Tibuta, Nonô Basílio, Pedro Horácio e Antônio José. Nas comunidades rurais também existiam as vendas para abastecer os moradores. Foram criadas escolas municipais rurais, os jovens puderam fazer o ginásio aqui e em Sem-Peixe mesmo; foi instalada CEMIG (1973), um posto telefônico (1975).

Enquanto o então distrito/vila de Sem Peixe crescia em e estrutura e beneficiamentos, a consciência política de suas lideranças fortalecida, através da participação na Câmara de vereadores em dom Silvério e na ferrenha disputa partidária que é característica do lugar destes primeiros anos de sua fundação. Esta consciência resultou na emancipação política da vila, concretizada em 1995.

Formação Administrativa

O então distrito de Sem-Peixe emancipou do município de Dom Silvério pela Lei nº 12.030 em 21 de dezembro de 1995, porém passando realmente a atuar como município em 01 de janeiro de 1.997.

Fonte: Historiadora Inácia Maria Paiva Nascimento

Autor do Histórico: MARCELO GOMES MARTINS

Código do Município

3165560

Gentílico

sempeixiano

Prefeito

DOMINGOS SAVIO DE MIRANDA PAIVA

População
População estimada [2018]2.661 pessoas  
População no último censo [2010]2.847 pessoas  
Densidade demográfica [2010]16,12 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]1,7 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]300 pessoas  
População ocupada [2016]10,7 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]41,9 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]99,7 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]6,3  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]5  
Matrículas no ensino fundamental [2017]324 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]101 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]34 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]22 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]4 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]2 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]10.467,89 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]89,8 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,654  
Total de receitas realizadas [2017]12.857,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]11.836,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]- óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]1,1 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]4 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]176,634 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]45,2 %  
Arborização de vias públicas [2010]16,1 %  
Urbanização de vias públicas [2010]16,3 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Sem-Peixe: Imagens da cidade e Região

imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-1
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-2
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-3
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-4
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-5
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-6
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-7
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-8
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-9
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-10
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-11
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-12
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-13
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-14
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-15
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-16
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-17
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-18
imagem de Sem-Peixe+Minas+Gerais n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Sem-Peixe e arredores.


Você conhece a cidade de Sem-Peixe? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: