Início » Rio Grande do Sul » Santiago


Santiago - Rio Grande do Sul



Santiago faz parte do estado do Rio Grande do Sul.

Santiago é conhecida como "a terra dos poetas" pela tradição literária e berço diversos escritores como Caio Fernando Abreu, Ramiro Frota Barcelos, José Santiago Naud, Silvio Gomes Wallace Duncan, Túlio Piva, Ayda Bochi Brum, Oracy Dornelles entre outros.

As referências sobre o local onde situa-se o Município de Santiago, datam desde a época em que ocorreu a ampliação das Missões do Paraguai, quando os Jesuítas, alcançando a margem oriental do rio Uruguai, fundaram povoações em territórios do Rio Grande do Sul, no século XVIII.

História da cidade de Povinho, Povinho do Boqueirão, Santiago, nosso município faz parte do território missioneiro, tendo sido chão de Portugal e de Espanha, ao sabor dos tratados diplomáticos e das lutas que envolveram os dois países.

Com a fundação das reduções, os jesuítas, juntamente com o cultivo do trigo, do algodão e das demais plantações de subsistência, introduziram a pecuária no solo gaúcho, estabelecendo grandes estâncias de criação de gado.

Para que pudessem ser administradas, essas estâncias eram subdivididas em postos, atendidas por cerca de dez famílias, competindo aos posteiros, além dos cuidados com a agricultura, parar rodeio para costear o gado alçado, acostumando-o à presença do homem e facilitando o seu manejo.

Junto a esses postos havia sempre uma capela à devoção dos moradores. As referências coreográficas que aparecem no abundante documentário sobre os Sete Povos e as Reduções, de vida efêmera que os antecederam, constituem assim, importantes subsídios ao estudo da formação histórica do Rio Grande.

Dentre os temas mais fascinantes da toponomástica riograndense avulta, sem dúvida, o da palavra Santiago, cuja ancianidade ninguém pode legitimamente contestar. Uma coisa é líquida e certa: Santiago não provém do substantivo Santiago nem de Sant′Iago, como insinua ou procura fazer crer o Código de Postura do governo santiaguense saído dos prelos da Gazeta de Alegrete, em 1886 e do qual, ao que parece, só resta um exemplar, o de propriedade do colecionador Pedro Palmeiro.

São Thiago, Sam Thiago e Santiago são as únicas grafias que repontam na documentação jesuítica, inclusive no prestimoso Diário do padre Tadeu Henis, datado de 13 de maio de 1756, e na caudalosa torrente de papéis oficiais sobre o povoamento das Missões. Muito elucidativo, nesse particular, são os assentamentos paroquiais mais antigos de São Borja, a cuja jurisdição estiveram sujeitas até 1834 e sob o nome genérico de Distrito de São Xavier, as terras que naquela data, passaram a constituir uma comuna autônoma, sob a denominação de Santiago do Boqueirão, hoje Santiago e outrora povinho, substitutivo que vai, pouco a pouco, desaparecendo.

Duraznal de Santiago e Capela de Santiago, por outro lado, são expressões encontradiças no epistolário jesuítico do século XVIII.

A coxilha de Santiago, de maciço domínio guenoa, foi, aliás, no ciclo inicial do apostolado, o ponto de partida do fundador de São Nicolau quando de sua primeira entrada evangelizadora na província etnográfica do Tape.

Em 1815, o Marquês de Alegrete concedeu uma sesmaria a Francisco José de Carvalho no lugar denominado Santiago, invernada que foi do Povo de Santo ongelo.

O erro é manifesto. Santiago era um posto (subdivisão) da Estância de São Miguel, vasto empório de gado bovino povoado com 40.000 cabeças originárias da chamada Vacaria do Mar e que possuía, em números redondos, uma superfície aproximada de oitenta léguas quadradas, estendendo-se até a Coxilha Grande, entre as cabeceiras dos rios Taquarembó e Jaguari.

A seis quilômetros mais ou menos do campo de Ibasso ficava o posto de Santo Antônio, o Novo, assim chamado em face do estabelecimento homônimo mais antigo, o de Santo Antonio de Taroquem, cujas cercas de pedras, cobertas de musgo pelo tempo e semi-servidas, ainda podem ser vistas.

Esse reduto avançado do trabalho civilizador dos inacianos, após a batalha de Caiboaté, foi abandonado pelos seus moradores que, em fuga precipitada, se refugiaram em Santiago, mais distante do teatro de operações e em cuja tosca capela de pau-a-pique e capim foi rezado o primeiro responso solene pela alma de Sepé Tiaraju.

As formas São Thiago, Sam Thiago e Santiago anteriormente referidas mostram claramente o processo evolutivo, simultaneamente prosódico e gráfico, da tradicional designação, a que o termo Boqueirão, de origem mais recente, precedido da preposição do se agregou no decurso dos anos, por influência de curiosos fenômenos fisiográficos locais.

Ao tempo de Arsene Isabelle, nada existia, no local da atual cidade, senão três ou quatro chácaras e estâncias à entrada de um vale arborizado, onde corria um límpido regato.

Em 1856, segundo José Heméterio Velloso da Silveira, havia apenas três casas, sendo uma do comerciante português Antonio José da Rocha. Quando da irrupção da Guerra do Paraguai, consoante outro depoimento do mesmo autor, Santiago já era uma povoação com mais de 40 casas batidas, sendo 6 de negócio.

A origem de nossa cidade é irrefutavelmente jesuítica, e foi dado em homenagem ao Santo Católico. Os jesuítas edificaram trinta e três Reduções em nosso território, e vinte e uma Capelas, sendo que a Capela de número quinze, conforme Hemetério Velloso à página 14 de seu livro "As Missões Orientais e Seus Antigos Domínios", chamava-se CAPELA DE SãO THIAGO, no local do Distrito de São Xavier (chamado Duraznal de São Thiago).

Santiago, em sua marcha evolutiva, foi "Povinho" até 26 de dezembro de 1866, quando passou a ser designada Freguesia de São Thiago do Boqueirão; Vila a 4 de janeiro de 1884, (data em que está comemorando atualmente seu aniversário), e, finalmente elevada à categoria de cidade em 31 de março de 1938.

O município foi formado com parte dos municípios de Itaqui e São Borja, tendo atualmente 4 distritos: o 1º Distrito (sede do município), o 2º Distrito (Erensto Alves), o 3º Distrito (Florida) e o 4º Distrito (Tupantuba).

Fonte: Prefeitura Municipal de Santiago

Autor do Histórico: JOãO PEDRO PERUFO

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2016: 2.413,133: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 25: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 5.322: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 1.814: matrículas
Número de unidades locais: 1.526: unidades
Pessoal ocupado total: 9.301: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 18.956,13: reais
População residente : 49.071: pessoas
População residente - Homens: 23.571: pessoas
População residente - Mulheres: 25.500: pessoas
População residente alfabetizada: 43.752: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 12.722: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 35.040: pessoas
População residente, religião espírita: 961: pessoas
População residente, religião evangélicas: 9.207: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 1.984,54: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 2.406,37: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 500,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 553,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,766:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Santiago: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Santiago? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: