Início » Minas Gerais » Nanuque


Nanuque - Minas Gerais



Nanuque faz parte do estado de Minas Gerais pertencente a Mesorregião do Vale do Mucuri e do Circuito Turístico das Pedras Preciosas de Minas Gerais. Nanuque também é conhecida por ser a principal cidade da Microrregião de Nanuque que abrange cerca de dez municípios e com área total de 8.471,872 km². Sua população segundo censo de 2010 é 40.834 habitantes. A cidade de Nanuque é referência por ser rota para o Litoral Norte do Estado do Espírito Santo e para o Litoral Sul do Estado da Bahia pela rodovia federal BR-418. A cidade também é reconhecida pelas suas hospedagens em hotéis, hospitalidade e culinária mineira.

Dentre os pontos turísticos naturais estão a Pedra do Bueno e o Rio Mucuri, que ficam em meio urbano, a Pedra do Fritz e a extinta Cachoeira do Tombo, em meio rural.

Dentre os pontos turísticos construídos estão a Lagoa de Santa Clara dentro do Rio Mucuri, próximo a Usina Hidrelétrica de Santa Clara, a Lagoa dos Namorados no Bairro Israel Pinheiro, Praça da Gurilândia ou Praça do Coreto, em frente a Prefeitura, Ponte Magalhães Pinto na área Central, com vista para a Pedra do Bueno, Rio Mucuri e a Árvore das Garças.

História da cidade de Nanuque

A região que compreendia o município de Nanuque, desde o descobrimento do Brasil, atraía, demasiadamente, as atenções portuguesas, embora a presença dos ferozes índios Botocudos (Nak-Nucks, Giporoc, Pataxós, Machacalis, Potés, etc),impedissem a exploração adequada do local.

O Sr. Teófilo Benedito Otoni teve uma idéia em relação à região inóspida, habitada pelos ferozes Botocudos: submeteu o plano de sua Cia. de Comércio e Navegação do Rio Mucuri à consideração do Governo Imperial, que assinou parecer favorável a 31 de março de 1874. Ele larga do rio, a 4 de setembro do mesmo ano a bordo do Princesa Imperial, chega à Vila de São José do Porto Alegre (atualmente Mucuri-BA) e depois prossegue até as proximidades de Santa Clara. A inavegabilidade do Mucuri a partir de Santa Clara não o desanimaria , e sua Cia. de Navegação efetivada pelo Decreto n° 802 de 12/07/1851, passaria a construir estradas. Depois da Cia. de Comércio e Navegação do Mucuri, sob responsabilidade de Teófilo Otoni, outro empreendimento, tendo a frente o engenheiro Miguel de Teive e Argolo, seria propulso-civilizador do Mucuri. Em 25/10/1878, a Lei mineira de n° 2.775 e a baiana de n° 1.946, de 28/08/1879, davam origem a Estrada de Ferro Bahia-Minas, que só se iniciou a 25 de janeiro de 1881, tendo a 9 de novembro do mesmo ano quase 143 km em tráfego.

A região ficou conhecida como Sete de Setembro, devido a um córrego com este nome, que desembocava no rio Mucuri, na fazenda Cachoeira, de propriedade de Antônio Barroso, no km 170 da Estrada de Ferro Bahia-Minas, onde as locomotivas passavam, quando em trânsito, para se abastecerem de água e lenha , exatamente no pontilhão. O serviço era feito por intermédio de baldes, não havia bombas nem caixa d′água. Depois, por construírem uma Caixa D′água, entre a atual e a estação da EFBM, a localidade adotou esta denominação, assim permanecendo durante algum tempo.

Em 1911 o armador João Américo Machado, depois arrendatário da EFBM, fez uma visita a Caixa D′água e entendeu-se com a família Schieber adquirindo terrenos por quinhentos mil réis para instalar uma grande serraria. Ao retornar, João Américo veio de uma só vez com vasto material e ferramentas, famílias de nacionalidades diversas, operários de várias especialidades e um carro da Estrada de Ferro que foi transformado em estação e nele instalado um aparelho Morse. Com a inauguração da Serraria Industrial do Mucuri, a 7 de Setembro de 1912, consagrou-se esta data como de fundação do povoado Caixa D′água. O carro-estação telégrafo assim funcionou até 30 de julho de 1918 quando inaugurava-se a Estação Presidente Bueno, homenageando a Bueno Brandão ao assumir o governo do Estado . O nome seria extensivo à localidade por alguns anos.

Em 1920 introduziu-se uma grande serraria automática, sob a administração de Trajano de Medeiros e Cia. quando se construiu um ramal rodoviário que saía de Chapadinha , atravessava por uma ponte, que prosseguia margeando o rio. Seis anos depois uma enchente levaria a ponte da Estrada de Ferro de Trajano, passando a travessia a ser feita por um cabo de aço ligado a duas torres nas margens do rio.

Gentílico: Nanuquense

Divisão Administrativa

Pela divisão administrativa efetivada em 3 de setembro de 1923, o Distrito de Aimorés teve seu nome modificaddo para Indiana. Pela Lei n° 148, de 17/12/1938, o Distrito de Urucu passa a município com o nome de Carlos Chagas englobando o Distrito de Indiana, cuja sede se transferiu de Aimorés para Presidente Bueno, que passa a adotar o nome de Vila Indiana, devido a seu grande desenvolvimento.

Pelo Decreto-Lei Estadual n° 1.058 de 31/12/1943, Indiana teve seu nome alterado para Distrito de Nanuque, cujo nome significa bugre de cabelos lisos e negros. Em 27/12/1948, pelo artigo 3° da Lei n° 336, o distrito de Nanuque é elevado a categoria de município, que foi instalado no dia 1° de Janeiro de 1949 pelo Sr. Arlindo de Almeida Castro, juiz de paz, no exercício do cargo de Juiz de Direito da Comarca de Carlos Chagas. O Dr. Oduvaldo dos Santos Pinto, intendente, deu posse ao primeiro prefeito a 2 de Abril do mesmo ano, o Sr. Franz Schapper.

O município de Nanuque possuía dois destritos: o sede e o de Serra dos Aimorés, que em 30/12/1962 alcançou autonomia municipal pela Lei n° 2.764, sendo instalado a 1° de Maio de 1963. Houve retificação de Divisas do Município de Nanuque, comprovando-se que o Distrito de Vila Pereira, pela Lei n° 663, de 25 de Novembro de 1953, pertencia ao município de Nanuque e não ao município de Carlos Chagas.

Atualmente, Nanuque conta com o Distrito-sede, o de Vila Pereira e com o povoado de Gabriel Rezende Passos criado pela Lei Municipal n° 273, de 18/12/1963, e assim denominado pela Lei Municipal n° 315 de 2 de Julho de 1965.

Economicamente conta com o comércio, prestações de serviços, indústrias ( frigorífico e usina de álcool anidro e fábrica de açúcar), na agropecuária o município se destaca pela criação de gado bovino de corte e leite.

Fonte: Livro: Nanuque, seu povo, sua história.(1986) Ivan Claret Marques Fonseca IBGE

Autor do Histórico: EDUARDO ANTôNIO MENDES OLIVEIRA

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Nanuque: Imagens da cidade e Região

Ainda não temos imagens dessa cidade, se você possui alguma envie pra gente!

Você conhece a cidade de Nanuque? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: