Início » Rio Grande do Sul » Cerro Grande do Sul


Cerro Grande do Sul - Rio Grande do Sul



Cerro Grande do Sul faz parte do estado do Rio Grande do Sul originado do município de Tapes.

Por volta de 1910, originou-se a povoação, com a denominação de Colônia De Rio Grande, mudado posteriormente para Fortaleza. O nome Fortaleza está relacionado com um cerro existente nas proximidades da área urbana que tem, uma fachada de pedra vertical dando a impressão de uma fortaleza. Como também já existia outra localidade com este nome, foi mudado para Cerro Grande, em referência a um cerro existente no 3º distrito, divisa com Camaquã, cujo o pico se situa a 550 metros acima do nível do mar, sendo o ponto culminante do Município e também da zona sul do estado.

Sua origem étnica é bastante heterogênea, e segundo o site oficial da prefeitura, a cidade contou com cerca de 10% de italianos, 20% de alemães, 40% de portugueses, 5% de poloneses, 10% de negros, 10% de espanhóis e 5% entre franceses, austríacos, suecos, russos, etc.. Tem-se como pioneiro do núcleo de moradores da atual sede de Cerro Grande do Sul, o senhor Arthur Emílio Jenisch, que aqui se instalou por volta da década de 1910, quando a travessia do Arroio Velhaco, tanto em Cerro Grande como Brasino, era feita por intermédio de balsas. Vieram outras famílias que também muito contribuíram para o desenvolvimento local, como a de Schmaedecke, Wolfle, Zenker, Curtinaz, Danelon e outras. O Cel. Arthur Emílio Jenisch, foi que posteriormente projetou o perímetro urbano. O vice-intendente em exercício de Dores de Camaquã (atual Sentinela do Sul), Sr. Narciso Fernandes Barbosa, mediante ato nº 4 (quatro) de 13 de maio de 1924, promulgou o Decreto pelo qual foi criado o 3º distrito de Tapes, e em 1938 foi à sede elevada à categoria de Vila.

História da cidade de Por volta de 1910, originou-se este novo Município, com a denominação de Colônia De Rio Grande, mudado posteriormente para Fortaleza. Essa mudança foi provocada por frequentes confusões com a atual cidade de Rio Grande, já existente. O nome Fortaleza está relacionado com um cerro existente nas proximidades da área urbana que tem, uma fachada de pedra vertical dando a impressão de uma fortaleza. Como também já existia outra localidade com este nome, foi mudado para Cerro Grande, em referência a um cerro existente no 3º distrito, divisa com Camaquã, cujo o pico se situa a 550 metros acima do nível do mar, sendo o ponto culminante do Município e também da zona sul do estado.

Sua origem étnica é bastante heterogênea, com cerca de 10% de italianos, 20% de alemães, 40% de portugueses, 5% de poloneses, 10% de negros, 10% de espanhóis e 5% entre franceses, austríacos, suecos, russos, etc.. Tem-se como pioneiro do núcleo de moradores da atual sede de Cerro Grande do Sul, o senhor Arthur Emílio Jenisch, que aqui se instalou por volta da década de 1910, quando a travessia do Arroio Velhaco, tanto em Cerro Grande como Brasino, era feita por intermédio de balsas. Vieram outras famílias que também muito contribuíram para o desenvolvimento local, como a de Schmaedecke, Wolfle, Zenker, Curtinaz, Danelon e outras. O Cel. Arthur Emílio Jenisch, foi que posteriormente projetou o perímetro urbano. O vice-intendente em exercício de Dores de Camaquã (atual Sentinela do Sul), Sr. Narciso Fernandes Barbosa, mediante ato nº 4 (quatro) de 13 de maio de 1924, promulgou o Decreto pelo qual foi criado o 3º distrito de Tapes, e em 1938 foi à sede elevada à categoria de Vila.

No mesmo ano foi criado o Cartório distrital, sendo o primeiro escrivão o Sr. Affonso Curtinaz Filho. O Cel. Arthur Emílio, foi nomeado juiz distrital. Em 31 de dezembro de 1957 foi criada a paróquia de São José da Fortaleza, assumindo o primeiro pároco, o Pe. Bráulio Aluysio Weber, em 09 de março de 1958. Em 1979, José Curtinaz Pacheco Filho, Vice-Prefeito na época, ,liderou um movimento junto aos comerciantes e empresários locais, buscando apoio moral e financeiro pra iniciar os trabalhos de levantamento, visando à emancipação do 3º distrito, parte do segundo e ainda parte do Município de Camaquã e São Jerônimo, o que não logrou êxito. Em 1981 essas idéias voltaram à tona. Tomou novo impulso a partir da visita que o Sr. Rui Born, da diretoria da SURBAM, fizera aos empresários Volmir e Volmar Danelon nesse ano.

Juntamente com os mesmos, percorreu a Vila e garantiu que seriam bem sucedidos. Foi levado a contato com outras pessoas que aderiram à idéia. Ao falarem com o Dr. Luiz Roberto Wander, este já lhes apresentou uma série de números e dados que havia coletado, com isto tomando a iniciativa de convocar uma assembléia para eleger a comissão emancipacionista de Cerro Grande, em outubro do mesmo ano. Nas dependências do Clube Cruzeiro do Sul, foi a mesma eleita com os seguintes membros: Presidente: José Curtinaz Pacheco Filho; 1º Vice-Presidente: Edarte Danelon; 2º Vice-Presidente: Hélio Zenker; 1º Secretário: Admar Amazonas Coutinho de Oliveira; 2º Secretário: Pedro dos Santos Fonseca; 1º Tesoureiro: Ary Costa Tejada; 2º Tesoureiro: Volmir Fernando Schaidhauer Danelon; Diretores: Guiomar Gorziza e Ronaldo Henrique Bischoff. No entanto, esta primeira tentativa não obteve êxito. Em 1986 a Comissão é reorganizada para tentar a emancipação em 1988. Fora procurado o atual Prefeito de Tapes, Sr. José Wilson da Silva, o qual deu todo seu apoio, atenção e prioridade. Em novembro de 1986, a comissão vai a Camaquã falar com o Prefeito Marco Aurélio Pereira, mostrando-lhe o mapa, o qual falou que a causa era justa. Exigiu somente que fosse deixado de fora o Colégio do Bonito para Camaquã. Em 10/12/1986, foi sancionada e publicada no Diário Oficial a Lei que autorizava o plebiscito. Em janeiro de 1987, foi pedida uma audiência com o Prefeito de São Jerônimo, Sr. Benito Garcia, que, acompanhado de advogado, técnico do IBGE, imprensa, vereadores e funcionários, mostrando a cópia do processo, comunicou a decisão de não ceder área do território de São Jerônimo. Veio a segunda modificação do mapa (a primeira fora para excluir o Colégio do Bonito).

Dos 850 km iniciais, ficaram 600 km. Em decorrência do falecimento do 1º Presidente da comissão, assumiu o 1º Vice-Presidente, Sr. Edarte Danelon, que começou a fazer os contatos necessários. Marcando plebiscito para 20/09/1987, às 9:00 horas do dia 19 fica-se sabendo que às 22 horas do dia 18 fora expedida uma liminar decorrente do mandado de segurança, impetrado por um morador de Camaquã, suspendendo com isto a consulta plebiscitária. Veio a 3ª modificação do mapa, que deixava fora a parte de Camaquã e parte do 2º distrito de Tapes. Feito os devidos acordos, insurgiu-se outro morador, exigindo que o povoado de Potreiro Grande ficasse fora, inclusive o cemitério. Veio a 4ª modificação do mapa. Ao levá-lo para ser autenticado no IBGE, este não aceitou, por ter partes de suas divisas por linhas secas e retas. Veio a 5ª modificação do mapa da área que começou com 850 km e acabou com 357 km. A conquista plebiscitária foi realizada em 10 de abril de 1988, com a presença de 80% dos eleitores, de um total de 3.918 eleitores inscritos. Finalmente a Lei nº 8.619 de 12 de maio de 19888, criou o Município de Cerro Grande do Sul.

Fonte: IBGE

Autor do Histórico: PAULO MUSZINSKI

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2015: 324,789: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 2: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 1.354: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 406: matrículas
Número de unidades locais: 202: unidades
Pessoal ocupado total: 1.141: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 12.780,45: reais
População residente : 10.268: pessoas
População residente - Homens: 5.355: pessoas
População residente - Mulheres: 4.913: pessoas
População residente alfabetizada: 8.410: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 2.519: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 8.174: pessoas
População residente, religião espírita: 44: pessoas
População residente, religião evangélicas: 1.789: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 1.392,20: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 2.297,35: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 375,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 560,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,660:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Cerro Grande do Sul: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Cerro Grande do Sul? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: