Início » Amazonas » Boca do Acre


Boca do Acre - Amazonas



Boca do Acre é uma cidade localizada no interior do estado do Amazonas. Pertencente à Mesorregião do Sul Amazonense e Microrregião do Purus, sua população, de acordo com estimativas do IBGE em 2011, era de 30906 habitantes. A origem do nome vem do fato de que a cidade se localiza na foz do rio Acre no rio Purus.

A cidade de Boca do Acre nasceu na confluência dos rios Acre e Purus. Em 3 de fevereiro de 1878 aportou na região o navio Anajás, de propriedade da Companhia de Navegação do Rio Amazonas, sob o comando do piloto Carepa, sendo o chefe da expedição o cComendador João Gabriel de Carvalho e Melo, vindo com o mesmo 56 cearenses, um amazonense, um paraense, um piauiense e um português.

O comendador João Gabriel de Carvalho e Melo, cearense que já havia adquirido fortuna na exploração da borracha, nos seringais do Baixo Purus, veio explorar as terras onde está localizado hoje o município de Boca do Acre, até então desconhecidas. O comendador e seus companheiros localizaram-se em diversos pontos do território que hoje constitui o município. No local onde se acha situada a cidade, localizou-se Alexandre de Oliveira Lima, cognominado o Barão de Boca do Acre, o qual explorou grande área de terras. Na localidade de Vila de Floriano Peixoto (ex-Antimari), onde foi primitivamente a sede do município, localizaram-se Antônio Escolástico de Carvalho e Firmino Alves dos Santos. A região era então habitada pelos índios apurinãs, jamamadis, catukinas, jumas, palmaris e mamoais.

História da cidade de Boca do Acre

Em 3 de fevereiro de 1878, ancorava nas proximidades da confluência dos rios Acre e Purus o primeiro navio, o Anajás, da Companhia de Navegação do Rio Amazonas, sob o

comando do piloto Carepa e prático Gil Braz da Encarnação, filho de Manoel Urbano, grande explorador amazonense. Trazia uma expedição chefiada pelo Comendador João Gabriel de Carvalho e Melo, incumbido de desbravar a região, habitada pelos Capanas e Aripuanãs.

Localizaram-se em diferentes pontos do território e, no local onde se acha hoje a cidade, fixou-se Alexandre de Oliveira Lima, cognominado "Barão da Boca do Acre".

Na primitiva sede municipal estabeleceram-se Antonio Escolástico de Carvalho e Firmino Alves dos Santos, que exploraram o rio Antimari, afluente do Acre.

Quando da criação do Município, com a denominação de Antimari, foi doada uma légua quadrada de terra para constitução do patrimônio municipal.

No princípio do século XX, o Município teve atuação destacada na luta pela libertação do Acre, quando Plácido de Castro acampou com suas forças na vila de Floriano Peixoto, antiga sede municipal. Daí partiu ele em direção a Caquetá, para o cerco às forças bolivianas sediadas em Porto Acre.

Gentílico: bocacrense ou boca-acriano

Formação Administrativa

Em 22 de outubro de 1890, segundo Decreto n.° 67, foram criados o Município e a Vila, com a denominação de Antimari e território desmembrado do de Lábrea.

A Lei estadual n.° 110, de 28 de março de 1895, extinguiu o Município, depois restaurado em 15 de maio de 1897, segundo Lei n.° 166, com o nome de Floriano Peixoto e reinstalado a 1 de agosto do mesmo ano.

Em 1898, conforme Decreto estadual n.° 232, de 9 de março, a sede municipal foi transferida para um planalto, à margem esquerda do rio Purus.

A Lei municipal n.° 8, de 18 de setembro de 1902, criou o distrito de Boca do Acre.

Por força do Ato n.° 3.462, de 2 de maio de 1934, a sede municipal de Floriano Peixoto transferiu-se para o distrito de Boca do Acre, cuja sede foi elevada à categoria de vila, em face de Ato n.° 3.331, de 27 de março do mesmo ano.

Na divisão territorial referente ao ano de 1936, Floriano Peixoto tem sede em Santa Maria da Boca do Acre e constitui-se de um só distrito, o de Floriano Peixoto.

De acordo com os Decretos-leis estaduais nº 68 e nº 69, de 31 de março de 1938, o Município passou a denominar-se Santa Maria da Boca do Acre, com sede na cidade de igual

nome e figurava com um só distrito.

O Decreto-lei estadual n.° 176, de 1 de dezembro de 1938, criou o distrito de Floriano Peixoto, com território desmembrado do distrito-sede. Através deste mesmo Decreto,

o município e o distrito tiveram seus topônimos simplificados para Boca do Acre.

Segundo o Decreto-lei federal n.° 5.812, de 13 de setembro de 1943, o município adquiriu parte do de Lábrea, quando da transferência deste para o Território Federal do Guaporé.

Atualmente Boca do Acre possui dois distritos, o da sede e o de Floriano Peixoto.

O Município foi, a princípio, termo da Comarca do Canutama. Passou depois à sede de comarca, extinta e restaurada por várias vezes. Sua última instalação ocorreu a 16 de abril de 1926.

Fonte: IBGE

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2016: 21.938,592: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 7: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 6.633: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 1.675: matrículas
Número de unidades locais: 301: unidades
Pessoal ocupado total: 2.159: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 8.067,37: reais
População residente : 30.632: pessoas
População residente - Homens: 15.947: pessoas
População residente - Mulheres: 14.685: pessoas
População residente alfabetizada: 19.641: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 10.268: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 17.885: pessoas
População residente, religião espírita: -: pessoas
População residente, religião evangélicas: 9.660: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 708,43: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 1.652,14: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 103,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 250,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,588:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Boca do Acre: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Boca do Acre? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. Kemerson krys Melo's avatarKemerson krys Melo

    Sou um descendente de um irmão do comendador João Gabriel chamado José Diogo de Carvalho e Melo que gerou Diogo José de Melo que gerou Vicente Diogo de Melo que gerou Nilo Diogo de Melo que gerou Geralda Brasil de Melo que me gerou, o meu falecido avô Nilo Diogo era sobrinho Neto do comendador João Gabriel de Carvalho e Melo e também irmão de Mario Diogo de Melo

    #1 – 30/01/2017 - 18:47

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: