Início » Rio Grande do Sul » São José do Norte


São José do Norte - Rio Grande do Sul



São José do Norte é uma cidade localizada no extremo sul do estado do Rio Grande do Sul, banhado pelo Oceano Atlântico e pela Lagoa dos Patos. Tem sua economia baseada na agricultura, pecuária, pesca e extrativismo vegetal.

Esta restinga conhecida, antigamente, por "Península de Pernambuco" - fazendo parte do território mais tarde chamado de Capitania del Rei, Província do Rei, Capitania do Rio Grande, Capitania do Rio Grande de São Pedro, entre outros, hoje estado do Rio Grande do Sul, - era primitivamente habitada por índios carijós, charruas, e minuanos. Os desbravadores desta região foram Cristóvão Pereira de Abreu, considerado por muitos como fundador e João de Magalhães, com sua célebre frota. Cristóvão Pereira de Abreu chegou, na região, entre 1720 e 1725. Era tropeiro, mais tarde tornou-se estancieiro e sua importância para a região foi marcada por designações, como: ponta de Cristovão Pereira, "lingua" de terra que avança na Laguna dos Patos, dentro da gleba chamada, hoje, de "Rincão de Cristóvão Pereira", atual município de Mostardas. É ele também relacionado com a origem da freguesia de Mostardas. Brito Peixoto, governador de Laguna, mandou seu genro João de Magalhães e seus homens, os quais formavam a conhecida "Frota de Magalhães", estabelecer um posto de vigilância na margem setentrional do canal, na chamada "Barranca do Norte", no local da atual cidade de São José do Norte, para assegurar a posse da barra, impedir a entrada de espanhóis e garantir o comércio de gado francamente praticado por dezenas de tropeiros. Estes conduziam centenas de cabeças de gado, ao longo do litoral, rumando a São Paulo, de onde as reses seriam dirigidas para o trabalho nas áreas de mineração. Permaneceu João de Magalhães neste local de 1725 a 1733. Foi o primeiro posto de vigilância no Rio Grande do Sul e marcou, sem duvida, o início da ocupação no local, já que serviu de apoio a uma série de pousos e currais entre a Barra do Rio Grande e o Rio Tramandaí. Os primitivos habitantes do município foram os índios carijós, charruas e minuanos, cuja antiga presença é lembrada em histórias que o povo conta e por utensílios usados pelos índios que são trazidos á luz pelo arado do lavrador ou desenterrados pelo vento que sopra na região. Depois de 1732, as terras do Rio Grande do Sul começaram a atrair os povoados que se tornaram os primeiros fazendeiros. Eram os lagunistas de Brito Peixoto que vinham descendo e e povoando as terras virgens do Rio Grande do Sul. Vieram, também, alguns paulistas e mineiros, na sua maioria, tropeiros. Com a chegada de Silva Paes e a fundação oficial do Rio Grande, em 1737, toda a região foi beneficiada. Um dos primeiros atos do Brigadeiro foi a criação da Fazenda Real de Bujuru, em 1738, atualmente, 3º distrito do Município de São José do Norte, com a finalidade de criar gado. Proveniente das Ilhas do Açores, vieram os casais açorianos que se fixaram no Estreito e em Mostardas, para desenvolverem a agricultura. Quando a Vila do Rio Grande, em 1763 foi tomada pelos espanhóis, a restinga recebeu os refugiados. Mas os espanhóis atravessaram o canal e ocuparam a "Barranca do Norte" e com isso, os restantes penetraram mais para o interior, surgindo as primeiras freguesias: Mostardas e Estreito. A povoação de Nossa Senhora da Conceição do Estreito foi elevada á freguesia em 1765. Com a criação do Município de Mostardas, em 1963, passa a ser considerada, como primeiro núcleo de povoação do Município de São José do Norte, a localidade do Estreito. A capela do Estreito serviu de Matriz e a Igreja de São José do Norte era uma dependência desta Matriz. A Carta Régia de 18 de Abril e a Provisão Eclesiastica de 11 de Março de 1822 elevam a Capela de São José do Norte à categoria de freguesia, consequência lógica do desenvolvimento da localidade. Por Decreto Regencial s/n, de 25 de Outubro de 1831, foi criada a Vila de São José do Norte como sede do município de mesmo nome. A instalação do Município deu-se em 15 de agosto de 1832. Pelo Decreto nº 7199, de 31 de Março de 1938, São José do Norte foi elevada à categoria de cidade. Com a criação do Município de Mostardas, em 26 de dezembro de 1963, o Município perdeu os antigos distritos de Mostardas e São Simão

Na noite de 6 de junho de 1767, as tropas portuguesas, após violentos combates, expulsam os espanhóis que haviam dominado o território e novamente as terras ficam sob o domínio de Portugal.A bandeira lusa volta a ser hasteada e por ser o aniversário do Rei D. José I, o município até então chamado de Norte, Arraial do Norte e Povo do Norte, recebeu o nome de São José do Norte O nome apresenta duas versões: a primeira, vem da crendice de que os primeiros habitantes da região depositavam crença em São José e que os historiadores acrescentaram o nome "do Norte", por que era Município que ficava ao norte do município do Rio Grande; A segunda é que o nome "São José" era em homenagem ao Rei de Portugal, D. José I.

História da cidade de São José do Norte

No Rio Grande do Sul, entre o Oceano Atlântico e a Laguna dos Patos, encontra-se uma longa restinga arenosa que, ao sul, termina às margens do Canal do Rio Grande. Enquanto a costa do Atlântico é retilínea, sem enseadas nem ancoradouros, a costa da Laguna enfeita-se de pontas e angras.

Nessa região de dunas movediças, bons campos de pastagens e um rosário de lagoas, encontra-se São José do Norte.

No século XVI, estas terras faziam parte do "pedaço espanhol" da América. Resultante da partilha diplomática entre Portugal e Espanha (Tordesilhas, 1494). Mas foi por elas que os portugueses, descendo de Laguna (SC) pelos "Campos de Viamão", foram conquistando para si o "Continente de São Pedro".

Além da defesa da costa e da posse da terra, o grande atrativo para a ocupação da Restinga foi, no início do século XVIII, o apreamento e o contrabando do gado que se espalhava pelas "Vacarias do Mar" e pela "Banda dos Charruas" - gado trazido pelos jesuítas missioneiros e pelo governo de Buenos Aires, que as ricas pastagens naturais encarregara-se de multiplicar.

Entre os tropeiros pioneiros que viram na restinga nortense um sendeiro capaz de trazê-los e levá-los de volta a Santa Catarina, destacou-se Cristóvão Pereira de Abreu. Desde 1703, ele "caçava", coureava e vendia gado com autorização do rei de Portugal.

Foi, pois, na Restinga do Norte que surgiram as primeiras estâncias de gado portuguesas.

Em 1721, Francisco de Brito Peixoto (filho do fundador de Laguna/SC) desceu pelos "Campos do Viamão", atravessou a Restinga e o canal do Rio Grande e chegou até Maldonado (Uruguai), comprovando e relatando às autoridades coloniais a importância de uma ocupação efetiva daquelas paragens.

Em 1725, João de Magalhães (genro de Brito Peixoto) é encarregado de construir uma atalaia na margem norte do Canal do Rio Grande para que se possa, dali, dar apoio aos que trazem gado do sul. Enquanto isso, Cristóvão Pereira continuava criando pousos e currais entre o Rio Tramandaí e a Barra do Rio Grande. A cadeia de invernadas garantia a permanência da comunicação.

Em 1737, com a chegada de José da Silva Paes e a fundação de Rio Grande, a Restinga também foi beneficiada. Um dos atos importantes do Brigadeiro foi à criação da Estância Real de Bojuru, em 1738. Foram, ainda, estabelecidos postos de vigilância ao longo da costa: as Guardas do Norte, do Estreito, do Capão do Meio e de Mostardas. Chegaram povoadores.

Em 1763, quando a Vila de Rio Grande caiu em poder dos espanhóis, a Restinga recebeu os refugiados. Mas as forças espanholas atravessaram o canal e ocuparam a Barranca do Norte com seu posto de vigilância (onde hoje situa-se a cidade).

Em 1764, os portugueses construíram o Forte da Barranca de São Caetano, comandado por Francisco Pinto Bandeira, e dali organizaram a resistência lusa até 1767, quando expulsaram os espanhóis da Barranca do Norte.

é durante a ocupação espanhola no Rio Grande (até 1776) que a região vê crescer sua importância estratégica para a colonização portuguesa no Continente de São Pedro. Surgem as primeiras freguesias: Mostardas (que iria emancipar-se em 1963) e Estreito, antigos postos de vigilância.

A povoação do Estreito, em meio a dunas móveis, mais de uma vez precisou trocar de lugar para não ter suas casas cobertas pela areia. A capela de Nossa Senhora da Conceição, nela construída, foi Matriz do Norte até 1812.

Mas, já em 1767, começa a aparecer em documentos o nome São José, dado ao Forte da Barranca, próximo ao Canal e recém reconquistado aos espanhóis (em homenagem ao rei D. José I de Portugal).

Em 1774, reacendeu-se a guerra platina e o governo de Buenos Aires veio com força, tendo como objetivo não alcançado - restaurar a linha de Tordesilhas, ocupando todo o Continente e a ilha de Santa Catarina. Foi a partir de São José do Norte que as tropas portuguesas, comandadas por Rafael Pinto Bandeira e o governador militar Marcelino de Figueiredo, atacaram e reconquistaram o Rio Grande para a Coroa Portuguesa.

A partir daí, os Fortes existentes na Restinga do Norte foram entrando em decadência - a linha de defesa deslocara-se para o sul. Mas a localidade de São José do Norte, por sua posição privilegiada junto ao Canal, continuou em desenvolvimento.

Em 1822, sua capela foi elevada à condição de Freguesia e, em 25 de outubro de 1831, o povoado recebeu a condição de Vila, tendo, em 15 de agosto de 1832, obtido a qualificação de Município, emancipando-se de Rio Grande.

Durante a Guerra dos Farrapos manteve-se aliada do governo central do Brasil, recebendo, por Decreto Imperial de 1841, a denominação de "Mui Heróica Vila de São José do Norte" pela resistência às tropas farroupilhas que, por ela, queriam chegar ao porto do Rio Grande.

Os rumos do desenvolvimento, a partir da metade do século XIX, deram-se em outras direções. São José do Norte por muito tempo teve como principais atividades econômicas o cultivo da cebola (chegou a ser o maior produtor de cebola do Brasil) e a pesca.

A partir da década de 70 do século passado viu suas terras serem ocupadas pelas plantações de eucaliptos e pinus que por um lado geram empregos e por outro, degradam o ambiente.

O caminho pelo qual chegaram os povoadores com o tempo ganhou o nome de "estrada do inferno", pois seu acesso difícil isolava as comunidades do interior da sede do município. Agora, no século XXI, essa situação está mudando, pois a estrada até Mostardas está "quase" pronta.

Formação Administrativa

Freguesia criada com a denominação de São José do Norte, por carta régia de 1204-1820, no município de Rio Grande.

Elevado à categoria de vila com a denominação de São José do Norte, por decreto nº 13, de 25-10-1831, desmembrado de Rio Grande. Sede na antiga vila de São José do Norte. Constituído do distrito sede. Instalado em 15-08-1832.

Por lei provincial nº 53, de 25-05-1846, é criado o distrito de Estreito e anexado ao município de São José do Norte.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 2 distritos: São José do Norte e Estreito.

Por ato municipal nº 316, de 15-01-1916, são criados os distritos de Bojuru, Mostardas e São Simão e anexado ao município de São José do Norte.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município de São José do Norte é constituído de 5 distritos: São José do Norte, Bojuru, Estreito, Mostardas e São Simão.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII1937.

Pelo decreto estadual nº 7199, de 31-03-1938, o distrito de São Simão é extinto sendo seu território anexado ao distrito sede do município de São José do Norte.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 4 distritos: São José do Norte, Bojuru, Estreito e Mostardas.

Pela lei municipal nº 9, de 11-08-1951, é criado o município de Tavares, desmembrado do distrito de Mostardas e anexado ao município de São José do Norte.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 5 distritos: São José do Norte, Bojuru, Estreito, Mostardas e Tavares.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.

Pela lei estadual nº 4691, de 26-12-1963, desmembra do município de São José do Norte, o distrito de Mostardas. Elevado à categoria de município. Sob a mesma lei o distrito de Tavares é extinto, sendo território anexado ao distrito sede do município de Mostardas.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 3 distritos: São José do Norte, Bojuru e Estreito.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: LESSA, Barbosa. Rio Grande do Sul, Prazer em Conhecê-lo. 3ª ed. Porto Alegre: Editora AGE, 2000. VIEIRA, Eurípedes Falcão. Rio Grande, Geografia Física, Humana e Econômica. 1ªed. Porto Alegre: Editora Sagra, 1983. MACHADO, Sônia. O Longo Amanhecer do Sul. 1ªed. Porto Alegre: Editora mercado Aberto, 2000. CESAR, Guilhermino. Primeiros Cronistas do Rio Grande do Sul. 3ªed. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1998. PRADO, Daniel. Operariado e Meio Ambiente: Um Estudo sobre os Trabalhadores da Indústria de Rio Grande. 1ªed. Rio Grande: Editora FURG, 2001. QUEIROZ, Maria Luisa. A Vila de Rio Grande de São Pedro. 1ªed. Rio Grande: FURG, 1987. ENCICLOPéDIA dos Municípios Brasileiros. Vol. XXXIV. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Geografia e Estatística, 1959.

Autor do Histórico: MARIA DO CARMO R. TRUGILLO

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2015: 1.118,104: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 9: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 3.359: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 831: matrículas
Número de unidades locais: 748: unidades
Pessoal ocupado total: 4.120: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 11.872,01: reais
População residente : 25.503: pessoas
População residente - Homens: 13.003: pessoas
População residente - Mulheres: 12.500: pessoas
População residente alfabetizada: 19.703: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 5.797: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 15.397: pessoas
População residente, religião espírita: 627: pessoas
População residente, religião evangélicas: 4.682: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 1.399,85: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 1.503,29: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 500,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 433,33: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,623:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

São José do Norte: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de São José do Norte? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: