O que fazer em Natal, no Rio Grande de Norte – 2ª Parte

o-que-fazer-em-natal-no-rio-grande-de-norte-2a-parte

No primeiro post do especial de Natal, dei dicas gerais sobre a cidade. Agora vou falar especificamente sobre o que fazer em Natal.

O grande atrativo da cidade (e seus arredores) são as belezas naturais, todos os passeios envolvem praia, claro. Não achei a água do mar tão quente como disseram, mas para quem não leu o primeiro post relembro que viajei em Agosto, e apesar das temperaturas estarem altas, ainda estamos no inverno, né? Tenho certeza que no verão a temperatura das águas ficam quentes (porque o Sol é muito forte!)

Como já disse, fiz todos os meus passeios com a Luck Receptivo, eu recomendo sempre fechar passeios com receptivos da região que você for viajar. Em São Paulo, algumas agências estavam cobrando quase o dobro do que as agências de Natal pelos passeios. No site da Luck você pode conferir todas opções de passeios . Os que eu escolhi foram:

Mergulho Em Maracajaú

O passeio a Maracajaú foi um dos meus preferidos. A praia de Maracajaú fica localizada no município de Maxaranguape, a 54km de Natal, no litoral Norte. A viagem dura mais ou menos 1 hora por uma estrada tranquila. O ponto de apoio do passeio é o Portal de Maracajaú, várias agências levam os turistas para lá, se trata de um restaurante junto com a equipe do mergulho.

Chegando pela manhã você já pode fazer o pedido do almoço, pra quando voltar do mergulho (com muita fome) já estar tudo pronto e quentinho, adorei isso! Depois de todos pedidos feitos, embarcamos em um catamarã junto com todos os grupos que estavam lá.

A praia de Maracajaú é bonita, mas ninguém “pega praia” por lá, o catamarã nos leva até os parrachos, que são os recifes de corais localizados a 7km da costa, são 20 min de navegação. Durante o trajeto todos devem usar coletes salva-vidas, os instrutores explicam sobre o mergulho com cilindro e a outra opção, só na superfície com óculos e snorkel. O mergulho com cilindro custa R$130,00 (já com todos equipamentos e roupa).

Fiz os dois mergulhos e adorei. Com o cilindro, no começo dá um desespero de não poder respirar pelo nariz, mas acostuma fácil. Na verdade não se trata de um mergulho profissional, e sim um batismo, só fomos a 3 metros de profundidade, mas dá para ver nitidamente os corais e os peixes lá embaixo. O mergulho com snorkel também é legal e divertido, dá para ficar só com o colete salva-vidas boiando e aproveitando a beleza da água que é azul clarinha, daí o nome de “caribe brasileiro”.

Dentro do Catamarã é oferecido serviço de bar, mas achei o preço salgado, acho que o ideal é caprichar no café da manhã e esperar o almoço. O espetinho saia por R$8,00.

É imprescindível que antes de programar você, antes de agendar esse passeio, consulte a Tábua de Marés de Natal, em dias de maré alta é muito ruim fazer o mergulho.

Passeio de Buggy pelo Litoral Norte

O passeio mais clássico de Natal com certeza é o passeio de buggy pelo Litoral Norte. O meu passeio não passou pelas praias urbanas como Ponta Negra, Miami Beach e Praia dos Artistas porque eu já as conhecia do City Tour. O percurso começou pela praia de Redinha, passando por Santa Rita, Genipabu, Graçandu, Pitangui e Jacumã.

O caminho todo é um intercalado de dunas e praias, com pouquíssimas partes de estrada. O bugueiro que me levou (seu Garcia, super gente fina) perguntou no começo do passeio se eu queria com emoção ou não. Eu escolhi com emoção, mas vai do gosto de cada um, em alguns momentos nas dunas deu pra ter um friozinho na barriga, eu adorei. O passeio é seu, e ninguém quer passar um dia inteiro morrendo de medo de cair do buggy, né? Então deixe claro como você quer. Falando nisso, todos os buggys com placas vermelhas indicam que o bugueiro é profissional, o meu foi contratado pela Luck, mas se você pretende comprar o serviço direto, escolha sempre os buggys de placa vermelha e com certeza seu passeio será seguro.

Durante o percurso, paramos em lugares estratégicos, para ver alguma atração ou tirar fotos. A primeira parada foi na Lagoa de Genipabu que é lindíssima, andei em um jegue chamado Gabriela, os donos da “Gabi” eram muito engraçados e queriam tirar fotos minhas “segurando uma lata gigante de cerveja”. No final eles pedem uma gorjeta que pode ser qualquer quantia, você escolhe.

Depois paramos no alto da Praia de Genipabu, onde pode-se passear de dromedário. Eu não topei fazer esse passeio, custa R$40,00 e os bichinhos são bem fedidos. Para quem gosta, a foto fica legal, o pacote do passeio inclui roupas árabes para entrar no clima.

Para continuar o trajeto, passamos por uma balsa com uma vista linda e seguimos para praia de Pitangui, lá tem o famoso Bar da Lagoa, um lugar super legal para almoçar, mas falarei mais sobre no post “Onde comer em Natal”.

Após Pitangui seguimos para Jacumã, na minha opinião é lá onde fica a parte mais legal do passeio: o esquibunda, e o aerobunda. Existem outros pelo caminho, mas meu conselho é esperar para ir aos de Jacumã, que são os mais divertidos e com melhor estrutura. As atrações custam R$10,00 por descida, um pouco caro mas também não dá para sair de lá sem fazer, é um clássico além de ser muito divertido (menos para quem tem medo de altura, rs)

No esquibunda eles tiram algumas fotos com câmeras profissionais e depois mandam no seu hotel e lá você decide se quer comprar (não sei o preço, porque mudei de hotel e nem cheguei a vê-las). No aerobunda você pode ver as fotos na hora, o cd com umas 10 fotos da sua descida custa R$15, mas pechinchei e ficou por R$10.

Durante o passeio você pode pedir pro bugueiro parar a qualquer hora para tomar banho de mar, mas eles recomendam a praia de Jacumã para isso. A volta é feita pelo mesmo percurso praia/duna, passamos também pelas dunas móveis onde foram gravadas as cenas finais da novela “O Clone”. Lindo!

Praia de Pipa

Muita gente confunde o que é e o que engloba a Praia de Pipa. A praia em si, fica localizada no município de Tibau do Sul, a 85km de Natal (a viagem é de +/- 1hr 30min). Pipa é como se fosse um “bairro” de Tibau, com várias praias diferentes, entre elas a praia do Centro, a Praia do Amor e a Praia das Minas. A Praia do Madero, também conhecida como Baía dos Golfinhos, não faz parte propriamente dita de Pipa, mas é inclusa dos city tour da região.

Foi justamente por ela que começamos o passeio. A praia é linda (como todas da região) e sim, é possível ver golfinhos, de longe e bem rapidinho, mas eles estão sempre por lá. Quem nada mais para o fundo diz que às vezes dá pra ver bem de pertinho. Existe por lá um controle em relação a quantidade de barracas, nós ficamos na barraca do jegue que cobra R$15,00 pelo aluguel de duas cadeiras e um guarda-sol. Esse é o problema de ter poucas barracas, o preço abusivo.

Depois de passar a manhã na praia, fomos ao centro de Pipa para um passeio de trenzinho, que na verdade é um trator adaptado, rs. Ele passa pela única e principal rua de Pipa, a Rua Baia dos Golfinhos (mesmo nome da praia) e vai até o Chapadão, que é uma falésia enorme, com vista para a Praia do Amor, pra famosa pedra que deu nome a Pipa e para a Praia das Minas. Lá fica uns meninos com um jegue para tirar fotos, e ele deita no seu colo, muito fofo!

A parte da tarde é reservada para passear no centro de Pipa, as lojas são lindas, mas bem caras.

Me hospedei em Pipa nesse dia, então depois de deixar o grupo da Luck fui ver o famoso pôr do Sol na Creperia do Hotel Marinas. Quem viaja pra Pipa TEM que incluir isso no roteiro, é um daqueles momentos da viagem que você vai guardar pra sempre na memória, é lindo. Qualquer um pode entrar na creperia, não é exclusivo do Hotel, que fica em Tibau do Sul. Em Pipa mesmo não dá pra ver o pôr do Sol.

Passeio de Buggy pelo Litoral Sul

Como estava hospedada em Pipa, meu passeio de Buggy pelo litoral norte começou por lá. Mais especificamente pelo Chapadão, seguindo rumo a Barra do Cunhaú e Baía Formosa.

Dessa vez não passeamos por dunas, e sim por falésias, muitos quilômetros observando praias e mais praias totalmente desertas. Paramos em uma parte da praia em Sibauma chamada Baía das Tartarugas, onde ficam muitas tartarugas marinhas nadando, dá pra ver a cabeça delas saindo na onda, muito fofo. Inclusive o Projeto Tamar monitora 33km de praias dessa região, quando está em época de desova, eles passam nos hotéis de Pipa avisando para os turistas irem ver, acompanhar e ajudar. Não dei essa sorte, isso acontece normalmente durante o verão.

A praia de Cunhaú é linda, a areia é branquinha e o mar bem tranquilo, todos os políticos e pessoas bem sucedidas de Natal tem casa em Cunhaú (isso mesmo, gente que mora na praia e tem uma outra casa na…praia rsrs).

A região de Baía Formosa é ainda bem inexplorada pelo turismo, mas isso já vem mudando. Eu por exemplo, não queria ir embora do Rio Grande do Norte sem mergulhar na Lagoa da Coca-Cola. O nome verdadeiro da lagoa é Itacoatiara, mas devido a alguns minerais na região a cor da água ficou IGUALZINHA a de Coca-Cola. Eu fiquei apaixonada, dizem por lá que a cada mergulho nessa lagoa rejuvenesce 5 anos, eu mergulhei bastante, quem sabe né..

Fomos até a divisa do estado do Rio Grande do Norte com a Paraíba, e começamos o caminho de volta a Pipa.

City Tour

Por falta de tempo não fiz o City Tour completo por Natal, o que seria feito em um dia, fiz em uma manhã. Posso dizer que quem tira esse passeio do roteiro tem grandes chances de se arrepender, aprendi muitas coisas sobre Natal que eu não fazia a menor ideia.

Natal possui o ponto mais perto da África de todas as Américas, por isso, durante a 2ª Guerra Mundial, bases dos Estados Unidos e países se instalaram na cidade, praticamente toda a parte histórica está envolvida com isso.

A Arquitetura das ruas e construções do centro é bem diversa e conservada, detalhe para essa igreja que tem uma escultura na frente, feita para que, olhando de qualquer um dos quatro lados, seja possível ver uma cruz.

Não tive tempo de passar nos shoppings de artesanato, mas são lugares bem estruturados dividido com “box” com diversos trabalhos lindos e bem feitos.

Dentre os pontos do City Tour dois se destacam:

Forte dos Reis Magos

O Forte dos Reis Magos, que já foi listado como uma das “Sete Maravilhas do Brasil” é o principal monumento da cidade de Natal. A visita é muito interessante, a construção é mantida como a original e lá dentro você se sente realmente na época em que o Forte servia como proteção contra os ataques que a cidade sofria. O nome se deve a data de sua inauguração, 6 de Janeiro, dia dos Reis Magos.

O ingresso para entrar na Fortaleza custa R$3,00 e pode ser adquirido na porta mesmo, a visita pode ser guiada pelo seu próprio guia, ou por guias que trabalham no local. Eu aconselho fazer a visita guiada, eles falam sobre curiosidades do local, porque o forte tem formato de estrela, as passagens secretas e etc.

Maior Cajueiro do Mundo

O City Tour de Natal também inclui a visita ao Maior Cajueiro do Mundo, na verdade a raridade fica localizada no município de Parnamirim 12 km ao sul de Natal. Na frente do cajueiro tem uma feirinha com lojas de artesanato e o ingresso para visitar a árvore custa R$4,00.

O cajueiro sofre de uma anomalia que chamam de gigantismo. Na raiz da árvore fica um guia explicando sua origem, como se desenvolve e mais algumas curiosidades da raridade que é registrada pelo Guiness Book. O serviço do guia não é pago, cada um dá o valor que quiser.

Após passear por dentro do Cajueiro (sim, isso é possível) subi em um mirante onde dá pra ver quase toda a copa da árvore que tem 8500 m², e detalhe: não parou de crescer! A prefeitura está desenvolvendo um projeto para desapropriar as casas ao lado para permitir que o cajueiro cresça ainda mais.

.

São muitas as opções do que fazer em Natal eu adorei cada um dos passeios e recomendo todos. Dúvida, sugestões ou dicas? Deixe nos comentários!

Post por Ana – Viajante Decolar

Ficou com vontade de conhecer a cidade? No Cidades do meu Brasil as passagens para Natal estão a partir de R$70e os hotéis com diárias a partir de R$ 59


Tweet10 Gostou do tema de hoje?

Veja Também:

Deixe seu comentário