Início » Minas Gerais » Urucuia


Urucuia - Minas Gerais



Urucuia faz parte do estado de Minas Gerais. Sua população recenseada em 2010 é de 13.605 habitantes.

Em Tupi-guarani, o nome da cidade significa "Águas Cristalinas, ou, Águas Claras". Uma clara referência ao Rio Urucuia, do qual a cidade herdou o nome.

História da cidade de URUCUIA

O Município de Urucuia - MG está localizado em sua totalidade numa grande bacia sedimentar, tendo o solo características do tipo arenoso. Assim, areias quartzosas é o cenário característico a todo transeunte das estradas que ligam povoados e fazendas.

O município, localizado a uma altitude média de 600 m, constitui uma transição da depressão do Rio São Francisco para o Planalto Central. O clima é seco, com chuvas mal distribuídas ao longo do ano. Possui uma rica rede hidrográfica de pequenos cursos d′água, que tem ponto final no Rio Urucuia, salvo uns poucos que correm para o Rio Acari. Tanto o Acari, quanto o Urucuia são importantes afluentes do São Francisco. Esses cursos d′água têm suas nascentes em terrenos úmidos, cheios de gramíneas, buritis e outras plantas semi-aquáticas, próprias da região, dentro do leito. Sendo um habitat natural de araras, capivaras, cascavel, além de pássaros raros cujos nomes nem sempre são conhecidos, essas fontes de água são também o principal elemento de todo o ecossistema do cerrado, vegetação típica da região. A esses cursos d′água chamamos VEREDAS. Esta paisagem foi descrita poeticamente por Guimarães Rosa no livro "Grande Sertão Veredas", enaltecendo sua beleza natural e promovendo a vida sertaneja.

A história do município de Urucuia remonta ao desbravamento da região. Por volta de 1553, os bandeirantes (Bandeira Espinosa), passaram pela região, mas não fixaram.

Com o passar dos tempos, veio o Ciclo do Ouro, surgiu então a necessidade de fixar-se na região para evitar os roubos e o contrabando. O bandeirante Domingos de Prado de Oliveira comandou a construção das primeiras habitações e organizou os primeiros núcleos de moradores.

Surgiu então a cidade de São Francisco que inicialmente teve o nome de Pedra dos Angicos, esta foi elevada à categoria de cidade em 1877.

A história do Municípío de Urucuia se inicia em 24 de fevereiro de 1891, quando, através do Decreto 398, do Exmo. Governador do Estado de Minas Gerais, foi criado o Distrito de Urucuia - MG, em território do então Distrito Brejo da Passagem, município de São Francisco. Como nesta época não havia nenhum povoado nesta extensão territorial da qual foi delimitado o Distrito, escolheram a "Fazenda Alegre", por haver ali uma capela e um pequeno aglomerado de casas, para constituir a sede do Distrito de Urucuia. Num breve espaço de tempo, os moradores perceberam a dificuldade de acesso à Fazenda Alegre, que ficava distante da cidade de São Francisco. A sede do Distrito é então transferida para outra localidade, denominada "Porto da Manga".

"Porto da Manga" ficou assim conhecido por ser ponto de travessia da região existente no barranco do Rio Urucuia, e principalmente pelo fato de haver próximo ao Porto uma grande mangueira, onde os viajantes contavam com sua maravilhosa sombra para um ligeiro descanso, enquanto conversavam com a Viúva Dona Joana, uma das poucas pessoas que moravam nestas imediações, e que sempre mantinha uma canoa ancorada no Porto. Por ser bastante generosa, emprestava a mesma a quem tivesse necessidade de atravessar o rio. Dona Joana e a mangueira permanecem na memória daqueles que viveram a origem e contribuíram pra a evolução de Porto da Manga.

Mesmo sendo Vila de Urucuia, nome oficial do distrito, ningúem assim o chamava, sendo que, até mesmo nas correspondências, vinha sempre sobrescrito "Porto da Manga".

A fundação do Distrito é atribuída a Policarpo Ramos, latifundiário na época, um dos primeiros moradores e um dos fundadores do Distrito. Ele doou uma considerável área de terra para a fundação do patrimônio da Vila e para a construção da Igreja Católica, que foi construída em homenagem à "Nossa Senhora da Conceição", padroeira da região e cujos festejos continuam até os dias atuais.

Nascia então o povoado de Urucuia e a história de seus fundadores, que inicialmente foram poucos, entre eles: Policarpo Ramos, Flonora Martins Ramos, João Honorato e outros. Os tempos foram passando e novas gerações foram surgindo, gente simples, rude, castigada pelo sofrimento e por muitas dificuldades, uma vez que, naquela época, não havia nunhuma rodovia e todo o transporte era realizado através de animais ou por via fluvial através do Rio Urucuia. Assim era feito o transporte de passageiros, cargas e até mesmo em casos de emergências hospitalares.

Mesmo com a simplicidade do povo, foram eles que mais contribuíram e colaboraram para o desenvolvimento do distrito, podendo ser citados aqueles que mais se destacaram: Antônio Esteves dos Anjos, Heitor Marques Viana, José W Carneiro, Tertuliano Carneiro, Manoel José dos Santos, Manoel Sabino da Rocha, José vulgo "Jucão" e Rufino José dos Santos.

Ao passar dos anos, alguns simples fazendeiros conseguiram acumular grandes fortunas. Como exemplo podemos citar o Sr. Antônio Esteves dos Anjos, que passou a ser grande latifundiário, criador de considerável rebanho de gado bovino que gozava de um altíssimo poder político-econômico. Coronel Antônio dos Anjos, como era chamado e conhecido em todos os rincões do Estado de Minas Gerais, foi grande comprador e vendedor da região, onde boiadas inteiras eram comercializadas e transportadas por seus vaqueiros em lombos de animais até as cidades de Patos de Minas - MG e Barretos - SP, onde eram vendidos e colocados nas grandes invernadas da região.

Outro exemplo é o fazendeiro Manoel Sabino da Rocha, pequeno agropecuário, também produtor de cachaça. Sua produção era feita em alambique rudimentar, cuja cana era moída em engenho de madeira à tração animal, instrumentos que quase não existem mais. Com a chegada do progresso e o desenvolvimento de novas tecnologias, sua produção foi substituída pelos modernos e sofisticados maquinários.

Na década de 50, foi construída a Rodovia de São Francisco, utilizando-se somente a força humana e ferramentas manuais, pois nesta época não havia nenhum maquinário na região. A Rodovia representou um grande avanço para a época, pois passavam a transitar os primeiros veículos e alguns moradores já poderiam fretar carros para transportar suas mercadorias, materiais de construção e outros.

Bem próximo do povoado de Porto da Manga, na Fazenda Gameleira, o empresário Francisco Cavalcanti Albuquerque comprou uma grande área de terra onde construiu um considerável patrimônio - casa de comércio, moradias de colonos e vaqueiros, igreja, escola e outras - desenvolvendo um excelente comércio e atraindo uma grande freguesia por toda a região. Cavalcanti possuía caminhão, automóvel e quando alguém necessitava de transporte, fretava os seus, pois eram os únicos da região. Chegou até a construir um grande trecho de rodovia com seus próprios recursos. Viveu em sua fazenda até a sua morte, e foi sepultado em sua propriedade no pátio da Igreja "Coração de jesus".

Américo Martins, empresário em Montes Claros - MG, comprou boa parte da Fazenda Santa Cruz, para onde se mudou atraído pela natureza da região e pela beleza das águas cristalinas, pois o lugar apresentava-se como um dos maiores potenciais hídricos da região. Explorou o comércio e foi grande criador de gado de corte. Construiu várias casas em sua fazenda, além de uma igreja. Assentou uma roda d′água próxima a casa-sede, onde captava um grande volume de água do córrego Taboca para servir sua residência, uma piscina e uma pequena irrigação de cana no qual era utilizada para fabricação de pinga.

A década de 70 foi marcada por uma nova geração mais evoluída. Foram os vários filhos da terra, que estudaram em colégios de fora, e que acabaram por assumir as lideranças da localidade e contemplando a Vila do Urucuia com alguns programas governamentais, como: Posto de Saúde, Energia Elétrica gerada através de motor mecânico e a construção da Rodovia São Francisco - Arinos, ligando o município a estas duas cidades e consequentemente às demais regiões do Brasil.

O ensino na Vila é reformulado com a reconstrução do colégio e com a chegada de novas professoras com curso superior, dentre elas, Maria Helena Esteves dos Anjos e Maria Magdalena Esteves dos Anjos. A escola nesta época se chamava "Escola Estadual Vila de Urucuia", tendo mais tarde o nome mudado para "Escola Estadual Antônio Esteves dos Anjos".

O comércio passou a se destacar, podendo se encontrar a maior parte dos itens necessários no comércio local, sendo que os comerciantes de maior destaque foram os Senhores Antônio Soares de Oliveira e Raul Cardoso da Mata.

A década de 80 foi uma verdadeira revolução para o Distrito, que já contava com grandes personalidades de destaque político, disputando, inclusive, vagas no legislativo. Foi então criada uma entidade representativa, a "Associação Comunitária de Vila de Urucuia", organizada com a participação de toda a população e que pleiteava a emancipação política do Distrito, que, entretanto, não obteve sucesso em suas primeiras investidas. Esta associação contava com um pequeno contingente de pessoas entre elas os senhores Luiz Ribeiro Mendes, Antônio Soares de Oliveira, José Cavalcanti Melo, Joaquim do Rosário, Cesário, Fulgêncio Lisboa (Lozinho), Josué Gonçalves de Mendonça e outros.

Na década de 90, o desenvolvimento sócio-econômico de Urucuia tornou-se muito mais fácil, uma vez que as principais dificuldades já haviam sido superadas. O povo se organizava e a quantidade de participantes do Movimento Pró-Emancipação aumentava. Já existiam dois representantes do poder legislativo e foi então constituída a Comissão Emancipacionista e mais uma vez foi encaminhado o processo e novamente indeferido pelo TRE, com prazo restrito para o recurso. Logo em seguida, saiu uma comissão de Urucuia com destino a Belo Horizonte - MG, contando desta vez com advogado contratado para tentar solucionar o impasse.

Finalmente, no dia 27 de abril de 1992, O Distrito de Urucuia consolidou sua emancipação Política e Administrativa, nos quais se destacaram como principais participantes do Movimento Emancipacionista: Rutílio Eugênio Cavalcanti Filho, Luiz Ribeiro Mendes, Antônio Soares de Oliveira, Walter Soares (Chumbo), Osvaldo Soares (Barroso), Fulgêncio Lisboa (Lozinho), José Cavalcanti Melo (Zezim), Geraldo Anchieta, Joaquim do Rosário (Quinzinho), Cesário, Ilário, Antônio Vicente (Vicentão), Antônio Paulo Cavalcanti, José Alencar Cavalcanti, Brício, Josué Gonçalves de Mendonça, Valter Lopo Lisboa, Pedro Moreira, dentre outros.

Com a emancipação recente, os poderes Executivo e Legislativo ficarm a cargo das pessoas que contribuíram para a emancipação do município.

Fonte: Prefeitura Municipal de Urucuia

Autor do Histórico: PAULO ILDéCIO GONçALVES

Código do Município

3170529

Gentílico

urucuiano

Prefeito

RUTILIO EUGENIO CAVALCANTI FILHO

População
População estimada [2018]16.547 pessoas  
População no último censo [2010]13.604 pessoas  
Densidade demográfica [2010]6,55 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]1,5 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]704 pessoas  
População ocupada [2016]4,4 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]45,8 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]95,6 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]5,7  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,2  
Matrículas no ensino fundamental [2017]1.527 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]532 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]100 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]43 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]10 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]1 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]7.890,27 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]-  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,619  
Total de receitas realizadas [2017]33.901,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]31.318,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]14,29 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,9 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]7 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]2.076,942 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]10,1 %  
Arborização de vias públicas [2010]78,5 %  
Urbanização de vias públicas [2010]0 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  18. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  19. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  21. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  22. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  23. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  24. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  25. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  26. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Urucuia: Imagens da cidade e Região

imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-1
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-2
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-3
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-4
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-5
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-6
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-7
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-8
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-9
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-10
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-11
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-12
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-13
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-14
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-15
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-16
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-17
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-18
imagem de Urucuia+Minas+Gerais n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Urucuia e arredores.


Você conhece a cidade de Urucuia? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: