Início » Espírito Santo » Cachoeiro de Itapemirim


Cachoeiro de Itapemirim - Espírito Santo



Cachoeiro de Itapemirim faz parte do estado do Espírito Santo. Sua população é de 209878 habitantes , sendo assim a quinta cidade mais populosa do Estado.

A cidade ficou nacionalmente conhecida por causa da música Meu Pequeno Cachoeiro, cantada por Roberto Carlos, nascido na cidade.

O município está localizado no sul do estado, às margens do rio Itapemirim, ocupando uma área de 892,9km². Encontra-se a 20º50′56" de latitude sul e 41º06′46" de longitude oeste, a uma altitude média de 35 metros, sendo o bairro de menor altitude Centro - 35 metros - e o de maior altitude Condomínio Residencial Montanha - 210 metros. O município fica a 139 quilômetros da capital, Vitória e 160 Km da cidade de Carangola.

História da cidade de Cachoeiro de Itapemirim

A primeira tentativa de povoamento das terras que atualmente compreendem o município de Cachoeiro de Itapemirim seria verificada no início do século XVIII, quando chegaram imigrantes de Campos, Muribeca, Guarapari e Vitória, atraídos pelo ouro existente nas Minas de Castelo, então dominadas pelos índios Puris. à procura dos veios auríferos, os pioneiros subiam o Rio Itabapoana e abriam picadas na floresta. Esse primeiro ciclo colonizador, entretanto, foi interrompido quando o Governo Português proibiu a exploração das minas, sendo as áreas reocupadas pelo gentio.

Na segunda década do século XIX, fizeram-se concessões de sesmarias ao tenente Luiz José Moreira e, posteriormente, a Francisco Gomes Coelho, José Pereira de Almeida e José da Silva Quintais, mas o povoamento não progrediu.

Seguindo o curso do Itapemirim, chegaram em 1820 o Capitão Manoel José Estêves de Lima e grande comitiva, tentados pelo rumor das notícias fantasiosas que circulavam a respeito de riquezas existentes na Capitania do Espírito Santo.

Em 1825, por iniciativa de Estêves de Lima, foram criados dois quartéis de pedestres - postos de policiamento com 10 homens - a fim de dar certa segurança ao território e permitir, assim, que os tropeiros chegassem a Itapemirim para proceder à troca de seus produtos por tecidos e sal. Estes postos se constituíram, entre 1830 e 1845, em pontos de concentração dos primeiros exploradores, que aí construíram suas palhoças agregando-se aos comerciantes já ali estabelecidos. Iniciou-se, por esse tempo, o cultivo da mandioca, banana e cana-de-açúcar, estruturando economicamente a comunidade.

A eliminação do banditismo que infestava a Serra da Tijuca, consolidou a autoridade do médico, Dr. Manuel Cipriano da França Horta. Os povoadores vindos de Minas Gerais e Rio de Janeiro não chegavam mais com o sonho de enriquecer rapidamente, mas sim de derrubar as matas e explorar a terra, colaborando para que a comunidade se formasse definitivamente. Quatro anos depois, em 1854, chegava a primeira professora, D. Joana das Dores.

O topônimo do povoado, constituído em freguesia a partir de 1856, São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim, foi conservado até 1911, quando se verificou sua simplificação. Como Freguesia, teve sua primeira escola pública a 27-07-1857, serviço telegráfico a partir de 10-02-1873 e luz elétrica a partir de 1903, sendo o primeiro município do Estado a receber tal melhoramento.

Gentílico: cachoeirense

Formação Administrativa

A freguesia de São Pedro das Cachoeiras do Itapemirim foi criada por meio do decreto provincial nº 11, de 16-07-1856, subordinado ao município de Itapemirim.

Elevado à categoria de vila com a denominação de São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim, pelo decreto provincial nº 11, de 23-11-1864, desmembrado de Itapemirim.

A Comarca de São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim foi criada em 16-11-1876, pela lei provincial nº 9, extinta em 1878, pelo Ato nº13, que a converteu em termo judiciário pertencente à Comarca de Itapemirim. Foi restaurada em 03-05-1884, no antigo povoamento de São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim. Constituído de 2 distritos: São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim e Estação Castelo.

Pela lei provincial nº 9, de 15-11-1871, é criado o distrito de Conceição do Castelo e anexado no município de Cachoeiro de Itapemirim.

Elevado à condição de cidade com a denominação de Cachoeiro de Itapemirim, pelo decreto estadual nº 04, de 26-12-1889.

Pela lei estadual nº 715, de 05-12-1910, são criados os distritos de Vieira Machado e São Sebastião da Lage anexado ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 8 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Conceição do Castelo, Estação Castelo, São Gabriel do Muqui, São José, São João do Muqui, São Sebastião da Lage e Vieira Machado.

Pela lei estadual nº 826, de 22-10-1912, desmembra do município de Cachoeiro de Itapemirim o distrito de São João do Muqui e pela lei estadual nº 834, de 23-11-1912, é criado o distrito de São Felipe sede no de São Gabriel do Muqui.

Pela lei estadual nº 986, de 24-12-1914, é criado o distrito de São Gabriel do Muqui e anexado ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Pela lei estadual nº 1006, de 23-10-1915, o distrito de São José passou a denominar-se Virgínia.

Pela lei estadual de 1313, de 30-12-1921, é criado o distrito de Pacotuba e anexado ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Pela lei estadual nº 1657, de 08-10-1927, é criado o distrito de Conduru e anexado ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Pela lei estadual nº 1607, de 25-12-1928, desmembra do município de Cachoeiro de Itapemirim o distrito de Estação Castelo. Elevado à categoria de município com a denominação de Castelo.

Pela lei estadual nº 2665, de 08-07-1932, é criado o distrito de Floresta e anexado ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído de 7 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Conduru, Floresta, Pacauba, São Felipe, Vargem Alta e Virginia.

Assim permanecendo em divisão territoriais datadas de 31-12-1936 e 31-12-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 15177, de 31-12-1943, o distrito de Floresta passou a denominar-se Burarama, o distrito de Virgínia a denominar-se Jaciguá, Marapé, Pacotuba e Vargem Alta.

Pela lei estadual nº 779, de 29-12-1953, são criados os distritos de Itaoca e Vargem Grande do Soturno, anexados ao município de Cachoeiro de Itapemirim.

Em divisão territorial datada de 01-07-1955, o município é constituído de 9 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Burarama, Conduru, Itaoca, Jaciguá, Marapé, Pacotuba, Vargem Alta e Vargem Grande do Soturno.

Pela lei municipal nº 416, de 03-12-1955, o distrito de Itaoca passou denominar-se Presidente Vargas.

Em divisão territorial datada de I-VII-1960, o município é constituído de 9 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Burarama, Conduru, Jaciguá, Marapé, Pacotuba, Presidente Vargas, Vargem Alta, Vargem Grande do Soturno.

Pela lei estadual nº 1916, de 20-12-1963, desmembra do município de Cachoeiro de Itapemirim o distrito de Marapé. Elevado à categoria de município com a denominação de Atílio Vivacqua.

Em divisão territorial datada de 31-12-1963, o município é constituído de 6 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Burarama, Conduru, Jaciguá, Pacotuba, Presidente Vargas, Vargem Alta e Vargem Grande do Soturno.

Segundo o quadro administrativo vigente em 31-12-1966, o município é composto dos distritos de Cachoeiro de Itapemirim (sede), Burarama, Conduru, Itaoca (ex-Presidente Vargas), Jaciguá, Pacotuba, Vargem Alta e Vargem Grande do Soturno.

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 8 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Burarama, Conduru, Jaciguá, Pacotuba, Itaoca, Vargem Alta, Vargem Grande do Soturno.

Pela lei estadual nº 4063, de 06-05-1988, desmembra do município de Cachoeiro de Itapemirim os distritos de Vargem Alta e Jaciguá para formar o novo município de Vargem Alta.

Em divisão territorial datada de 01-06-1995, o município é constituído de 6 distritos: Cachoeiro de Itapemirim, Burarama, Conduru, Itaoca, Pacotuba e Vargem Grande do Soturno.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2003.

Fonte: IBGE

Código do Município

3201209

Gentílico

cachoeirense

Prefeito

VICTOR DA SILVA COELHO

População
População estimada [2018]207.324 pessoas  
População no último censo [2010]189.889 pessoas  
Densidade demográfica [2010]216,23 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,0 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]52.766 pessoas  
População ocupada [2016]25,1 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]33,3 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]97,2 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]5,4  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,1  
Matrículas no ensino fundamental [2017]24.375 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]6.244 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]1.411 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]452 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]74 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]25 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]22.904,87 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]65,1 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,746  
Total de receitas realizadas [2017]454.214,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]363.262,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]11,99 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]1,2 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]65 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]864,583 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]89,3 %  
Arborização de vias públicas [2010]74,9 %  
Urbanização de vias públicas [2010]32,1 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Cachoeiro de Itapemirim: Imagens da cidade e Região

imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-1
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-2
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-3
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-4
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-5
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-6
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-7
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-8
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-9
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-10
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-11
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-12
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-13
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-14
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-15
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-16
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-17
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-18
imagem de Cachoeiro+de+Itapemirim+Esp%C3%ADrito+Santo n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Cachoeiro de Itapemirim e arredores.


Você conhece a cidade de Cachoeiro de Itapemirim? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. oswaldo oleare's avataroswaldo oleare

    Meus primeiros contatos com Cachoeiro de Itapemirim se deram ao tempo em que frequentava a Igreja Metodista de Vitória e me tornei o Secretário Distrital da Juventude Metodista.

    Visitei nessa época, ainda um "pós aborrecente", vários lugares do Sul - Alegre, Guaçui, mas fui mais vezes a Cachoeiro.

    Já então notava como as pessoas da igreja me recebiam.

    Anotei que mais que uma mera recepção, era uma acolhida calorosa, cativante.

    Comecei a gostar muito do lugar. Passada essa etapa, fui retomar contatos com Cachoeiro, eu já radialista, com colegas do rádio cachoeirense. Ito Coelho, Hélio Carlos Manhães, Luiz Carlos Santana, entroutros, sempre me receberam na cidade, atribuindo-me sempre uma importância profissioanal generosa, que eunem merecia.

    Nesse período constatei que nos anos 1960, por aí, fazia-se um rádio de melhor qualidade, mais dinâmico, do que oi que fazíamos em Vitória.

    Em Vitória, esse convívio fraterno e saudoso prosseguiu com o grande homem de rádio Osvaldo Amorim, com quem tive o privilégio de conviver, trabalhar, e realizarmos juntos alguns bons projetos.

    Já escrevi isso em vários textos de jornal impresso, em programas de televisão e de rádio: se a população do Espírito Santo cultivasse esse comportamanento afetivo, essa paixão por sua cidade (e Estado), essa simpatia e manifesta alegria por receber os de fora, o Espírito Santo seria outro estado, certamente.

    Pena que não tenha sido assim. Como não o é, por exemplo, em Colatina, minha terra. Fui sempre muito mais convidado para eventos em Cachoeiro de Itapemirim do que para minha terra.

    Por isso gosto muito de um título que me foi atribuído numa crônica pela professora da Ufes Angela Maria Marques - da capital secreta - quando disse: "você, Oleari. é o colatinense mais cachoeirense do Espírito Santo".

    Salve, salve, Cachoeiro! Gostchio muntchio de você.

    Oswaldo Oleari ou Oleare.

    #1 – 14/12/2015 - 21:51

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: