Início » Rio Grande do Norte » Natal


Natal - Rio Grande do Norte



Natal é a capital do estado do Rio Grande do Norte. Pertence à Mesorregião do Leste Potiguar e à Microrregião de Natal. Com uma área de 170,298km², é a segunda capital brasileira com a menor área territorial (maior apenas que Vitória), distando 2507 quilômetros de Brasília, a capital nacional.

Fundada em 1599, às margens do rio Potenji, a cidade é mundialmente conhecida e conta com importantes monumentos, parques e museus e pontos turísticos, como o Teatro Alberto Maranhão e a Coluna Capitolina Del Pretti, no Centro Histórico, além de outras atrações como a Ponte Newton Navarro, o Museu Câmara Cascudo, o Parque da Cidade, o Museu de Cultura Popular, o Parque das Dunas, a Catedral Metropolitana e praias como Ponta Negra e dos Artistas, e eventos de grande repercussão, como a Feira Internacional de Artesanato (FIART), o Carnatal, as festas juninas, as comemorações natalinas e a Festa do Boi. É também conhecida como a "Capital Espacial do Brasil", devido às operações da primeira base de foguetes da América do Sul, o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, atualmente localizada no município limítrofe de Parnamirim.

Historicamente, a cidade teve grande importância durante a Segunda Guerra Mundial em 1942 durante a Operação Tocha, já que os aviões da base aliada americana se abasteciam com combustível no lugar que hoje é o Aeroporto Internacional Augusto Severo, sendo classificada como "um dos quatro pontos mais estratégicos do mundo". Abriga três das sete maravilhas do Rio Grande do Norte: a Fortaleza dos Reis Magos, o Frasqueirão, o Morro do Careca. A capital potiguar será também uma das doze sedes da Copa do Mundo de 2014.

História da cidade de Natal

Rio Grande do Norte -RN

A história da Capitania do Rio Grande do Norte, teve início em 1535 com a chegada de uma frota comandada por Aires da Cunha, enviada pelo donatário João de Barros e o Rei de Portugal, para colonizar as terras da região. Face a resistência encontrada por parte dos índios potiguares e piratas franceses, traficantes de pau-brasil, tal missão não pode ser alcançada.

No dia 25 de dezembro de 1597, sessenta e dois anos após a frustada tentativa de Aires da Cunha, uma esquadra comandada pelo Almirante Antônio da Costa Valente e integrada por Francisco de Barros Rego, Mascarenhas Homem e Jerônimo de Albuquerque, entrava na barra do Rio Potengi, e com essa entrada histórica teve início a povoação em toda área.

A primeira providência da expedição foi tomar precauções contra o ataque invasor, e, doze dias depois da chegada, no dia 6 de janeiro de 1598, começaram a construção de um forte sobre os arrecifes localizados nas redondezas da chamada Boca da Barra, que foi chamado de "Reis Magos", por sua construção ter sido iniciada no dia consagrado aos Santos Reis.

O forte foi concluído no dia 24 de junho do mesmo ano e nas circunvizinhanças, logo, se formou um povoado que, segundo alguns historiadores, foi chamado de Cidade dos Reis, numa clara referência à edificação que lhe deu origem.

Tempos depois o povoado mudou de nome, passando a se chamar Cidade do Natal. Para alguns escritores o nome Natal é explicado em duas versões: a primeira refere-se ao dia em que a esquadra penetrou na barra do Potengi e a segunda tem ligação direta com a data da demarcação do sítio primitivo da cidade, realizada por Jerônimo de Albuquerque, no dia 25 de dezembro de 1599.

Com a presença holandesa na região, a vida da cidade que começava a evoluir foi inteiramente mudada, e, no período de 1633 a 1654, ainda sob o domínio holandes, o Forte dos Reis passou a se chamar de Forte de Keulen e a Cidade do Natal, Nova Amsterdã. Com a saída dos holandeses, a vida da cidade voltou à normalidade, mas seu crescimento foi acentuadamente lento e gradual, nos primeiros séculos de sua existência. Segundo o historiador Câmara Cascudo, no livro História da Cidade do Natal, em 31 de dezembro de 1805, Natal tinha 6.393 habitantes, e no último ano do século XIX, a cidade já tinha uma população de 16.056 pessoas.

Somente a partir de 1922, a cidade começou a se desenvolver em ritmo mais acelerado. As primeiras atividades urbanas tiveram início no bairro da Ribeira, localizado na parte baixa da cidade, próximo a foz do Rio Potengi, expandindo-se em direção ao centro, atual bairro da Cidade Alta. Na década de 1940, a deficiente estrutura física da cidade, provocou o adensamento das áreas urbanizadas, sobrecarregando-as de novos logradouros, notadamente no bairro do Alecrim.

Pela sua privilegiada posição geográfica, localizada no litoral nordestino na chamada esquina do Continente ou esquina do Atlântico, Natal, com o advento da Segunda Guerra Mundial, cresceu e evoluiu com a presença de contingentes militares brasileiros e aliados, consumando seu progresso com a construção das bases aérea e naval, local de onde as tropas partiam para o patrulhamento e para a batalha, na defesa do Atlântico Sul e na realização das campanhas militares no norte da áfrica; fatos esses que lhe valeram o cognome de Trampolim da Vitória.

Gentílico: natalense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Natal, pela lei municipal nº 92, de 30-04-1904.

Elevado à categoria de vila com a denominação Natal. Sede no atual distrito de Natal. Instalado em 25-12-1599.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de 3 distritos: Natal, Cidade Alta e Cidade Nova.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município aparece constituído do distrito sede. Não figurando os distritos de Cidade Alta e Cidade Nova.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pela lei estadual nº 146, de 23-12-1948, é criado o distrito de Parnamirim e anexado ao município de Natal.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Natal e Parnamirim.

Pela lei estadual nº 53, de 21-12-1953, é criado o distrito de Redinha ex-povoado e anexado ao município de Natal.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 3 distritos: Natal, Parnamirim e Redinha.

Pela lei estadual nº 2325, de 17-12-1958, desmembra do município de Natal o distrito de Parnamirim. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Natal e Redinha.

Pela lei estadual nº 2987, de 03-12-1963, é criado o distrito de Igapó e anexado ao município de Natal.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 3 distritos: Natal, Igapó e Redinha.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VI-1995.

Em divisão territorial datada de 15-VII-1997, o município aparece constituído do distrito sede. Não figurando os distritos de Igarapó e Redinha, pois os mesmos foram anexados ao distrito sede de Natal.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2016: 167,264: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 149: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 104.005: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 34.207: matrículas
Número de unidades locais: 24.325: unidades
Pessoal ocupado total: 337.718: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 22.128,84: reais
População residente : 803.739: pessoas
População residente - Homens: 377.947: pessoas
População residente - Mulheres: 425.792: pessoas
População residente alfabetizada: 674.956: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 260.747: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 541.472: pessoas
População residente, religião espírita: 14.396: pessoas
População residente, religião evangélicas: 167.688: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: -: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 3.229,46: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: -: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 510,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,763:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Natal: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Natal? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: