Início » Bahia » Medeiros Neto


Medeiros Neto - Bahia



Medeiros Neto faz parte do estado da Bahia. Localizado no extremo sul da Bahia, Medeiros Neto é uma cidade pequena e ainda em desenvolvimento. Com pouco mais de 21 mil habitantes, possui 6 distritos: Itupeva (36km), Vila Mutum (46km), Santa Luzia do Norte (Patioba) [19km], Juracitaba (20km), Água Limpa (29km) e Nova Zelândia (28km).

O município tem 1246km² limitando-se ao norte com Vereda, a leste com Teixeira de Freitas, com Caravelas e Lajedão, ao sul e oeste com o estado de Minas Gerais e com o município de Itanhém.

Criado em 1958, por desmembramento do município de Alcobaça. Seu nome é uma homenagem ao senador alcobacense Antônio Garcia de Medeiros Neto (1887-1948). A população do município em 2004 era estimada em 20.299 habitantes.

História da cidade de Medeiros Neto

O atual Município de Medeiros Neto, tendo por base sua Sede originada de pequena povoação, germinada junto à desembocadura do Ribeirão de água Fria no Rio Itanhém, entre os dois cursos de água, uma várzea inundável a cada cheia do rio maior, inóspita, cercada de matas virgens, aliás, numa clareira aberta na frondosa floresta de que outrora compunha-se a Mata Atlântica, rica em essência vegetais de alto valor e animais selvagens variados.

Terra ribeirinha, de características muito promissoras, fertilíssimas, contudo, palco de terríveis epidemias de febres palustres, tantas vezes dizimadoras, causando enormes entraves à marcha dos desbravadores.

Isso começa por volta de 1915, quando, descendo o curso do Rio Itanhém, vindos de Minas Gerais, principalmente da região de águas Formosas, exploradores, muitos dos quais originários de Joaíma, Jequitinhonha, Rubim, Almenara e Rio do Prado, atraídos pela pujança da terra, sem levar em conta as tremendas dificuldades pela frente, vinham dispostos a ficar, fossem quais fossem os problemas a enfrentar.

Sobrevivendo, conseguiram vencer as adversidades, impor-se ao meio, e tornaram-se donos efetivos da terra.

A povoação nasceu por iniciativa do posseiro José Emidio, sertanejo originário do interior de Minas Gerais, que achou por bem estabelecer um ponto que serviria de elo entre os colonizadores e os centros de agrupamento humano e comercial tão afastados, porém necessários à fixação e sobrevivência da ocupação humana daquelas paragens.

Apesar dos empecilhos representados pelas enchentes quase constantes dos rios, o arraial se estabeleceu nas terras baixas intermediárias àquelas, tributários cursos fluviais em conexão. Assim foi que, animada pela perseverante iniciativa de outros desbravadores, a aglomeração tomou corpo, mesclada, praticamente entre os rios e a selva.

Em 1915, em pleno aventureirismo primordial, Felipe vendeu a posse, pequena clareira que havia feito na mata, entre os rios junto a confluência, ao recém chegado José Emídio, que, disposto a criar ali um aglomerado humano - um núcleo populacional de base, doou a posse à Municipalidade, com o fito de se implantar o povoado. Coube a um tal Barnabé Falador dar o grito inicial e animar os que iam chegando, para instalarem as primeiras cabanas, sendo sua esposa, dona Joana, a primeira mulher (não índia) a por ali os pés e fixar residência. Não se sabe, depois que rumo tomara Barnabé e sua família.

Existe, contudo, outra versão que afirma ter a criação da povoação surgido de um grupo que, no mesmo ano, vindo de Alcobaça (Sede Municipal), subiu o rio, que deságua no oceano, exatamente junto àquela cidade.

O mais provável, entretanto, é que tal grupo tenha vindo atraído pelos rumores de se ter iniciado ali um núcleo de ocupação definitiva da terra, até então virgem, e, assim sendo, mesclando-se aos já radicados; instalando-se ali a tomada de posição propriamente dita.

Chegavam, em seguida, os primeiros comerciantes: Brasil Vasconcelos, Antônio Fonseca, Fidelcino Viana, que, vindos de Alcobaça, faziam elo de ligação com a Administração Municipal.

Água Fria, primeiro nome que se deu à Povoação, em virtude da diferença de temperatura da água do ribeirão de igual nome, o qual, vindo de terras de topografia mais elevada, comparada à do Rio Itanhém, sob a sombra da selva, parecia gelada.

A primeira casa à beira da barra de água fria fora construída pelo senhor Gaudêncio Gangá, em 1928, perto da Igreja Velha.

Quando o senhor Oscar Cardoso apresentou o projeto de emancipação, o nome Medeiros Neto foi sugerido pelo senhor João Garcia, marido de Sinhá, que tinha uma pensão em Alcobaça, em homenagem ao Senador Dr. Antonio Medeiros Neto.

Gentílico:

Formação Administrativa

Alcança a autonomia de Vila em 1953, pela Lei nº 628, de 30 de dezembro.

Desmembrado do Município de Alcobaça, Medeiros Neto foi criado através da Lei Estadual de nº 1.024, de 14/08/1958, e publicada no Diário Oficial em 15/08/1958.

Fonte: Manoel Terencio de Brito

Autor do Histórico: JOSé ESTEVES RIBEIRO NETO

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2015: 1.311,740: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 18: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 3.741: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 701: matrículas
Número de unidades locais: 235: unidades
Pessoal ocupado total: 2.529: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 11.472,29: reais
População residente : 21.560: pessoas
População residente - Homens: 11.049: pessoas
População residente - Mulheres: 10.511: pessoas
População residente alfabetizada: 15.340: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 6.464: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 15.138: pessoas
População residente, religião espírita: -: pessoas
População residente, religião evangélicas: 3.841: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 1.071,27: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 1.290,79: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 300,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 272,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,625:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Medeiros Neto: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Medeiros Neto? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: