Início » Alagoas » Palmeira dos Índios


Palmeira dos Índios - Alagoas



Palmeira dos Índios faz parte do estado de Alagoas. É a terceira maior cidade do estado e está localizada no agreste alagoano, fazendo divisa com o estado de Pernambuco. O município conta com aproximadamente 70.434 habiatantes (est. IBGE/2010) e está situada a cerca de 134 km da capital, Maceió. Conhecida como a "Princesa do Sertão", a cidade é o berço da cultura na qual destaca-se o ilustre escritor brasileiro Graciliano Ramos.

Palmeira ocupa terras que um dia foram aldeias dos índios Xucurus. Foi criada como freguesia em 1798 e transformada em vila em 1835.

História da cidade de Palmeira dos índios

As terras ocupadas pelo município de Palmeira dos índios constituíam primitivamente um aldeamento dos índios Xucurus, que aí se estabeleceram no meado do século XVII. Tinham esses indígenas o seu hábitat cercado de esbeltas palmeiras, bem próximo ao pé da serra onde hoje se ergue a cidade de Palmeira dos índios. O nome do município veio, pois, em consequência dos seus primeiros habitantes e do fato da abundância de palmeiras que então havia em seus campos. Os gentios formaram seu aldeamento entre um brejo chamado Cafurna e a serra da Boa Vista. Diz a tradição que mais ou menos em 1770 chegou a região Frei Domingos de São José, conseguindo converter os gentios ao cristianismo. Posteriormente, o franciscano obteve de D. Maria Pereira Gonçalves e dos seus herdeiros a doação de meia légua de terra para patrimônio da capela que aí foi construída, sendo consagrada ao Senhor Bom Jesus da Morte.

Sabe-se que, desde 1833, o coronel José Daniel da Flexeiras vinha ocupando o cargo de Juiz da Paz do então distrito de Palmeira dos índios. Os parentes Canutos, Holanda e Veiga, moradores nos lugares denominados Caldeirões de Baixo e Gravatá-Assu, eram seus grandes auxiliares. Nessa mesma época, a pessoa de grande influência e prestígio neste termo era o vigário da freguesia, padre José Caetano de Morais, que tinha íntimas relações com os governos da ex. - Província, sendo eleito deputado à Assembléia Provincial em várias legislaturas. Daniel, sabendo que havia estremecimento nas relações do vigário com o Juiz de Direito da comarca, Dr. Fonseca Lessa, procurou tirar partido desse acontecimento, culpando o vigário José Caetano de Morais e o seu sobrinho, tenente-coronel Tavares Bastos, tratando logo, com o Juiz de Paz, de colher os indícios e provas para o processo. O vigário José Caetano, que se tornou inimigo rancoroso do Juiz de Paz, entendeu de tomar desforra deste e de seus parentes e auxiliares Canutos, Veigas e Holandas. De fato, com o prestígio de que gozava, apresentou e conseguiu em poucos dias fazer um projeto, que foi logo convertido na Lei nº 7, de julho de 1839, separando do termo de Palmeira dos índios e anexando à freguesia de Assembléia os sítios Flexeiras, Caldeirões de Baixo, Lajes e Gravatá-Assu, e colocando fora do município os Daniéis, Holandas e Canutos, seus adversários. O Projeto do vigário José Caetano, cortando parte de sua freguesia e do município, com o fim de expulsar de sua vizinhança o poderoso José Daniel com todos os seus parentes, estabelecia como divisória uma linha tortuosa ou quebrada, de modo a poder salvar para Palmeira dos índios, como efetivamente aconteceu, o importante sítio Pau-Sangue, bastante povoado e que pertencia a seus dedicados amigos, os ricos fazendeiros Matias da Costa Barros e Manoel Vitorino da Costa Barros. Tudo o mais Lajes, Flexeiras, Caldeirões de Baixo e Gravatá-Assu foram lançados para a freguesia da então Vila de Assembléia, porque tais lugares eram as moradias de seus implacáveis inimigos.

As lutas políticas que se seguiram ao ano de 1844 deram lugar aos bárbaros assassinatos do Vigário José Caetano, tenente-coronel Manoel Tavares Bastos, Chagas Pinto, Luiz Jucá, José Roberto, Adrião Melo, Antônio Barbosa de Caldeirões e dezenas de cidadãos importantes do termo de Palmeira. Como consequência desses fatos, deu-se o êxodo das famílias importantes: Matias da Costa Barros, Manoel Vitorino, coronel Manoel Antônio, Savino José de Oliveira, José Joaquim Duarte, Simplicio Fonseca Barbosa, Antônio Isidoro e outros. Quase que se despovoou o município de seu pessoal mais idôneo para os cargos públicos. Esses acontecimentos determinaram a supressão de sua Vila, que foi anexada a Anadia. Posteriormente voltaram para a freguesia e distrito de Palmeira dos índios, os sítios Lajes, Caldeirões de Baixo e Gravatá-Assu, tornando também para o distrito e freguesia de Palmeira não mais o poderoso coronel José Daniel, por já ser falecido a esse tempo, mas o seu genro, coronel José Cândido e todos os Holandas, Canutos e Veigas, lançados para fora no tempo do Vigário José Caetano.

A data certa da criação da freguesia não é conhecida. Segundo Espíndola, é 1798. Outros dão 1789, parecendo, talvez, troca dos dois últimos algarismos. Está sobre o padroado de Nossa Senhora do Amparo. A vila de Palmeira dos índios foi criada pela resolução nº 10, de 10 abril de 1835, desmembrada da vila de Atalaia. Sua instalação tornou-se válida depois da Resolução nº 27, de 12 de março de 1838. Foi suprimida pela Lei nº 43, de 23 de junho de 1853, elevada a categoria de cidade pela Lei nº 1113, de 20 de agosto de 1889. Seu termo fazia parte, desde a criação, da comarca de Atalaia, passando, em 1838, para a de Anadia.

Em 1872, pela Lei nº 624, de 16 de março, foi criada à sua comarca com o seu termo e o de Quebrangulo, desmembrado de Viçosa, e que passou a ser comarca pela Lei nº 1473, de 17 de setembro de 1949.

Palmeira dos índios perdeu os distritos de Igaci (1957, juntamente com Arapiraca que também cedeu parte de seu território para a formação do novo município), Cacimbinhas (1958), Minador do Negrão (1962) e Estrela de Alagoas (1991), elevados a categoria de municípios. Segundo a atual divisão administrativa do Estado, o município é formado por 3 distritos: sede, Caldeirões de Cima e Canafístula.

Conhecida como a "Princesa do Sertão", Palmeira dos índios tem também sua origem ligada à lenda do casal de índios Tilixi e Tixiliá. Conta-se que, há 200 anos atrás, Tixiliá estava prometida ao cacique Etafé, mas era apaixonada pelo primo Tilixi. Um beijo proibido condenou Tilixi à morte por inanição. Ao visitar o amado, Tixiliá foi atingida por uma flecha mortal de Etafé, morrendo ao lado de Tilixi. No local, nasceu a palmeira, que simbolizava o amor intenso do casal.

A cidade tem como atrações turísticas o Museu Xucurus (que fica na igreja do Rosário, construída pelos escravos do século XVIII), Casa Museu de Graciliano Ramos (com pertences legítimos), Aldeia da Cafurna (aldeia com remanescentes dos Xucurus e Cariris), além do Cristo do Goiti com o teleférico (vista panorâmica da cidade). Entre as festividades, destacam-se a Festa de Reis (janeiro), Semana do índio (abril), Festival da Pinha e São João (junho),

Emancipação e Feira de Arte e Cultura (agosto), Semana Graciliano Ramos (outubro) e a festa de N. Sra. do Amparo (dezembro).

SITUAçãO: Encontra-se na Micro-Região de Palmeira dos índios, (115) sendo limites Estrela de Alagoas (12 Km), Igaci (15 Km), Belém (22 Km), Mar Vermelho (64 Km), Paulo Jacinto (40 Km), Quebrangulo (23 Km) e Bom Conselho, PE (42 Km). Dista 140 quilômetros de Maceió e situa-se a uma altitude de 290 metros acima do nível do mar. Coordenadas geográficas: 9º 24′ 20" de latitude sul e 36º 38′ 06" de longitude W. Gr.

TOPOGRAFIA: Apresenta uma topografia ondulada e suavemente ondulada. A sede do município está localizada no sopé de algumas serras. Nesta parte o terreno apresenta relevo mais acidentado.

CLIMA: Tem um clima quente e úmido, com máximas de 38º e mínimas de 12º. A estação invernosa inicia-se em maio para terminar em agosto.

ÁREA: Com uma área de 460,61 Km.

ACIDENTES GEOGRáFICOS - Sua bacia não é muito extensa. Constitui-se dos rios Coruripe ( que nasce na serra do Bonifácio ) e Panelas, e dos riachos Guedes e Ribeira. Merecem citação ainda as lagoas do Algodão, dos Caboclos, dos Porços, Cascavel e Lagoinha e dos açudes Cafurnas ( capacidade de 1000000 de metros cúbicos) e Chucurus ( 500000 metros cúbicos ). Como acidentes geográficos merecem destaque as serras do Murro (460 metros de altura), Candará (622 metros), da Palmeira (610 metros) e a Serra das Pias (620 metros). Podemos citar outras serras, quais sejam - serra das pias , carangueja amaro baixa da lama e macacos.

VEGETAçãO - A área municipal está situada em pleno agreste, (formação não florestal, decídua, subxerófila, espinhosa), relacionada a climas mais úmidos do que os da caatinga, mas não o suficiente para permitir o aparecimento de floresta. Neste tipo fitofisionômico predominam as espécies arbóreas e arbustivas da caatinga. Existem ainda alguns focos de mata, onde pode encontrar madeiras de várias espécies, tais com ipê,jurema,mulungu, espinheiros. No Município, um dos principais pólos de desenvolvimento de sua região, a expansão urbana e as atividades criatórias foram responsáveis pela alteração da cobertura vegetal primitiva.

RIQUEZAS NATURAIS - No reino vegetal, boas quantidades de madeira própria para a construção e plantas medicinais. No mineral, é rico o subsolo de Palmeira dos índios, encontrando-se em exploração ainda que em estado precário jazidas de pedra calcária, mármore (de excelente qualidade), mica e ferro (estes sem exploração) e salgema, explorada também em estado precário. No reino animal, são encontrados tatu, cotia e peixes em abundância nos açudes.

MEIO AMBIENTE - A fauna é constituída por animais silvestre comuns à região, tais como guaxinins, tatus, cassacos, preás, furão, saguins raposa etc. Aves existem: Galos de Campinas, papa capim,extravagantes, periquito do mato, canários, nambu, condoniz, caboclinhos, rolinhas,anuns gaviões garças. A flora é constituída por fruteiras do tipo umbuzeiro, pinheira, cajueiro e um pouco de mata que estão dando lugar para pastagem artificial.

ESCRITORES DE PALMEIRA DOS íNDIOS - Palmeira dos índios é muito conhecida culturalmente. é muito rica de Escritores alguns filhos naturais da terra e outros que à adotaram como terra Natal. Transcrevemos relação dos Escritores Palmeirense: Adalberon Cavalcante, Lucenio de Matos, Alba Granja Medeiros, Ademar Duarte Constant, Amarílio Santos, Alvino Correia, Ana Clara Vieira de Vasconcelos, Antônio Caetano Pinto, Antonieta de Barros Torres, Carlos Pontes, Elis Medeiros Eraldo Vieira de Melo, Epaminondas José de Araújo, Everaldo Damião da Silva, Francisco Xavier de Macedo, Gilberto Marques Paulo, Geovan Xavier Benjoino, Graciliano Ramos de Oliveira, Herbert José Lisboa Martins Torres, Isvânia Marques da Silva, Ivan Berra Barros, João Francisco Duarte, José Jurandir de Oliveira, José Pantaleão Neto, José da Costa Sampaio, José Delfim da Mota Branco, José Maria Melo da Costa, José Alves Pereira, Lidenor de Mello Motta, Lourival de Mello Motta, Luís de Barros Torres, Luiz Antônio, Manoel Bezerra e Silva e Maria Luíza Duarte.

MUSEU - Conta com dois, Museu Xucurus de arte sacra e costume e Museu Graciliano Ramos, edificado na antiga casa onde morava o escritor. Situada à rua José Pinto de Barros, no Centro da cidade. Ali poderão ser encontrados livros, poemas, documentos, cartas escritas pelo próprio, alguns pertences, enfim, muitas coisa.

MANIFESTAçóES RELIGIOSAS - Manifestação Religiosas Católicas, Cenáculo Mariano, Cenáculo com Maria, Encontro da Ressurreição, Sexta da Paixão e Procissão de Ramos, festas das Paróquias de São Sebastião, Nossa Senhora Aparecida, São Cristóvão, São Vicente, Nossa Senhora Aparecida e Mãe Rainha , São Vicente, Procissão de Nossa Senhora do Amparo, Natal, Ano Novo, Festa de Padre Cícero, dentre outras.

Fonte: IBGE

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2015: 450,958: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 53: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 12.169: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 3.846: matrículas
Número de unidades locais: 1.045: unidades
Pessoal ocupado total: 8.053: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 9.764,47: reais
População residente : 70.368: pessoas
População residente - Homens: 33.582: pessoas
População residente - Mulheres: 36.786: pessoas
População residente alfabetizada: 48.527: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 24.609: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 60.094: pessoas
População residente, religião espírita: 67: pessoas
População residente, religião evangélicas: 6.525: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 709,28: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 1.624,32: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 163,33: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 305,00: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,638:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Palmeira dos Índios: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Palmeira dos Índios? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. Glaci Feitosa da Mota pinheiro's avatarGlaci Feitosa da Mota pinheiro

    Palmeira dos Indios, que saudade...

    Passei uma boa parte da minha juventude nesta cidade. Estudei no Colegio de freiras , Cristo Redentor, faz muito tempo...

    Hoje com 68 anos, me emocionei ao ver fotos dessa cidade, principalmente da Prefeitura onde meu pai trabalhou junto com seu parente o então prefeito Remy Maia...

    Lembrei dos bailes no Aero Club - melhor clube de festas da cidade, on desfilei varias vezes com 14 anos de idade...Tempo bom..Obrigada por postar

    #1 – 09/02/2016 - 19:16

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: